Free Essay

Risk

In: Business and Management

Submitted By rafaelpdsantos
Words 55388
Pages 222
r e l at ó r i o a n u a l

2008

1

Sulamérica Relatório Anual 2008

introDuÇÃo
Desde sua fundação, a SulAmérica presta contas de suas atividades, tendo divulgado seu primeiro Relatório Anual em 1896. Ao longo da sua história, a companhia passou por várias transformações, sem nunca deixar de privilegiar a melhora continua na comunicação com seus acionistas, clientes, fornecedores, colaboradores e demais partes interessadas. Além de divulgar seu Relatório Anual com a descrição de suas atividades e informações a respeito do seu desempenho operacional, econômico e financeiro, a SulAmérica, desde 2002, publica também seu Balanço Social, com intuito de oferecer uma visão geral a respeito de suas iniciativas no campo das atividades socioambientais, com respaldo do instituto Brasileiro de análises Sociais e econômicas – iBaSe. Com seu ingresso no mercado de capitais, no final de 2007, a companhia passou a apresentar informações mais detalhadas sobre suas operações, além de contar com uma ampla análise gerencial dos seus resultados e demonstrativos financeiros. o relatório anual da Sulamérica de 2008 adota a terceira geração de diretrizes e indicadores propostos pela Global reporting initiative (Gri), organização não-governamental internacional, que desenvolve e dissemina diretrizes para elaboração de relatórios de sustentabilidade utilizados voluntariamente por empresas do mundo todo. a partir deste ano, a publicação passa a ser totalmente on-line, contribuindo para que sejam alcançados os objetivos da Sulamérica de redução dos impactos ambientais em todos os seus processos. a versão impressa se limita a um folder que contém um perfil resumido da companhia e dos seus principais resultados, convidando o leitor a visitar o site e conhecer a versão completa do relatório. além disso, sendo on-line, o relatório permite maior participação do leitor, trazendo vídeos, gráficos interativos, mecanismos de busca, e soluções que facilitam a navegação. os temas destacados nos menus foram selecionados com base na materialidade, e dentre estes, os que a companhia entende serem os mais relevantes para seus stakeholders, estão apresentados nos menus de mais fácil visualização. informações mais detalhadas, para públicos com interesses específicos, estão disponíveis no menu completo do relatório. o relatório anual da Sulamérica foi desenvolvido com o objetivo de responder às expectativas dos leitores em relação ao desempenho da companhia nas esferas econômica, social e ambiental. As informações contidas no relatório se referem às operações consolidadas da Sul américa S.a. e de suas controladas diretas e indiretas, em 2008. Caso tenha dúvidas, críticas ou sugestões, entre em contato com a área de relações com investidores da Sulamérica, pelo e-mail ri@sulamerica.com.br ou pelo telefone +55 (21) 2506-9111. outras informações da companhia encontram-se disponíveis no endereço www.sulamerica.com.br/ri.

2

Sulamérica Relatório Anual 2008

SoBre a SulaMÉriCa
Maior grupo segurador independente do Brasil, a SulAmérica construiu ao longo de seus 113 anos de história uma sólida reputação, aliando tradição à modernidade. neste período, a companhia se manteve fiel aos princípios que a fizeram conquistar a confiança e o respeito da sociedade sem perder o foco na criação de valor nos mercados em que atua. A SulAmérica conta com 6,3 milhões de clientes em sua carteira de produtos e serviços diversificados, nas áreas de seguro saúde, de automóveis, riscos industriais e comerciais, pessoas, previdência privada e gestão de ativos. A companhia está presente em todo o território nacional, onde conta com uma estrutura composta por 14 sucursais e outras unidades comerciais, que oferecem apoio aos seus mais de 26 mil corretores de seguros. Há mais de 10 anos, a SulAmérica mantém uma bem-sucedida parceria com o Banco do Brasil nas áreas de seguros de automóveis e de seguro saúde. A rede de distribuição da companhia conta também com parcerias de distribuição mantidas com algumas das mais conceituadas instituições do país. Desde setembro de 2007, a Sulamérica integra o nível 2 de Práticas Diferenciadas de Governança Corporativa da BM&FBovespa, tendo realizado a maior oferta pública inicial de ações feita por um grupo segurador brasileiro, negociando 25 milhões de units e captando um total de R$775 milhões. associada ao Grupo inG desde 2002, a Sulamérica conta com cerca de 37% de suas ações em circulação no mercado. uma equipe de mais de cinco mil funcionários alinhada aos valores da companhia, busca sempre os melhores resultados, com ética, responsabilidade social, dinamismo e vocação para servir. além da excelência operacional e financeira, a Sulamérica valoriza ações voltadas à sustentabilidade e à responsabilidade social. no decorrer de sua história, a companhia vem desenvolvendo ações e estimulando práticas que garantam a sustentabilidade de seus negócios e reforcem seu compromisso com a sociedade e a preservação ambiental.

3

Sulamérica Relatório Anual 2008

MiSSÃo, ViSÃo e ValoreS
MiSSÃo
“assegurar proteção financeira e tranqüilidade aos nossos clientes, superando expectativas.”

ViSÃo
“Ser a melhor empresa nos mercados em que atua, estando sempre entre as mais competitivas e rentáveis.”

ValoreS
• Buscamos sempre os melhores resultados • Cumprimos o que prometemos • Somos acessíveis e dinâmicos • temos vocação para servir • Valorizamos o trabalho em equipe • trabalhamos com ética e responsabilidade social

4

Sulamérica Relatório Anual 2008

linHa Do teMPo

SÉCulo XiX
FunDaÇÃo Da SulaMÉriCa em 5 de dezembro de 1895 nasce a Sul américa Companhia nacional de Seguros de Vida, fundada por Dom Joaquim Sanchez de larragoiti. legenda: Joaquim Sanchez de larragoiti, fundador da SulAmérica

legenda: Primeira apólice de seguro de vida, emitida pela SulAmérica em nome de seu fundador, em 18 de dezembro de 1895.

5

Sulamérica Relatório Anual 2008

linHa Do teMPo

iníCio Do SÉCulo XX o BraSil aMPlia Sua tranSForMaÇÃo urBana. o governo de rodrigues alves é marcado pelo esforço de romper com a herança colonial, de integrar o país no mundo moderno. a Companhia Sul américa de Seguros de Vida, a única no gênero, cuja sede está estrategicamente situada na capital, centro político da região economicamente hegemônica do país , participa ativamente das transformações urbanas.

FunDaÇÃo Da Sul aMÉriCa terreStre, MarítiMa em dezembro de 1913, a Sulamérica funda a Companhia de Seguros terrestres e Marítimos e de Acidentes, primeiro com o nome de Anglo Sul Americana, depois em 1928, denominada Sul américa terrestre Marítima-SatMa. os ramos elementares são estabelecidos pela Sulamérica no momento propício, após a consolidação da república e às vésperas do crescimento urbano-industrial e portuário. Em 1929, o espectro dos seguros aumenta, surgindo o seguro de automóveis.

legenda: avenida Central do rio de Janeiro em construção.

legenda: Porto do rio de Janeiro, inaugurado em 1910. 6 Sulamérica Relatório Anual 2008

linHa Do teMPo

1920 - 1940 lanÇaMento Da reViSta Sul aMÉriCa Em 1920 é lançada a revista Sul América, transformando-se em um verdadeiro fenômeno editorial. A publicação, inicialmente uma ferramenta de comunicação da companhia com seus segurados, passa a ser procurada por outros públicos pela qualidade seu conteúdo, com páginas dedicadas à literatura, ciência, ao humor e outros assuntos de interesse geral. legenda: Capas da revista SulaMérica, incluindo a primeira edição

inauGuraÇÃo Do noVo eDiFíCio-SeDe em 1925 a Sulamérica inaugura seu novo edifíciosede, na rua do ouvidor, esquina com rua da Quitanda, no coração do rio de Janeiro. uma inauguração marcada pela vontade de crescer, que trouxe forças para resistir à crise de 1929 que atingiu empresas e países do mundo inteiro.

legenda: Fachada do edifício-sede da Sulamérica no Rio de Janeiro. 7 Sulamérica Relatório Anual 2008

linHa Do teMPo

PriMeiro SiniStro De autoMóVel
Em 1929 a SulAmérica paga seu primeiro sinistro de automóvel.

legenda: Primeiro sinistro de automóvel

1940 - 1960
FirMe CoMo o PÃo De aÇúCar em 1941 surge a tipografia da Sulamérica que passa a dar identidade a todas as atividades e ações que a envolviam. legenda: Primeira marca da Sulamérica

8

Sulamérica Relatório Anual 2008

linHa Do teMPo

aPoio à arte MoDerna
Em 1949, na inauguração do prédio de sua filial no Rio de Janeiro, a SulAmérica promove a maior exposição de arte moderna do país até então.

Legenda: Hospital SulAmérica

em 1951, a Sulamérica, por meio do instituto larragoiti, dá início às obras do Hospital larragoiti, atual Hospital da lagoa, referência na zona sul do Rio de Janeiro.

legenda: Hospital larragoiti, hoje Hospital da Lagoa

9

Sulamérica Relatório Anual 2008

linHa Do teMPo

1960 - 1980 inGreSSo Da SulaMÉriCa na BolSa De ValoreS em 1969 a Sul américa Companhia nacional de Seguros (SaliC) passa a ter suas ações negociadas na bolsa de valores, incentivando a participação da sociedade em seu capital. Legenda: Bolsa de Valores do Rio de Janeiro, na década de 70. SulaMÉriCa iniCia atuaÇÃo eM SaúDe Em 1970, a SulAmérica passa a administrar serviços de saúde, no que seria o embrião da Sul América Serviços Médicos.

10

Sulamérica Relatório Anual 2008

linHa Do teMPo

aSSoCiaÇÃo eStranGeiroS

CoM

GruPoS

SeGuraDoreS

Em 1977, a SulAmérica se associou com os grupos Gerling Konzern Welt-Versicherungs Pool a.G., da alemanha, e à Societá assicuratrice industriale - Sai, da itália, para a fundação das empresas Gerling industrial e Sai.

CriaÇÃo Da Sul aMÉriCa S.a. Com a expansão do grupo, é criada 1978 a Sul américa S.a., que passa a ser a holding do grupo financeiro. legenda: Sala de reunião do Conselho de administração.

11

Sulamérica Relatório Anual 2008

linHa Do teMPo

1980 - 1995
SulAmérica inicia operações de previdência privada. Em 1987, no caminho da diversificação e da ampliação dos serviços, começam as operações de previdência com a Sul américa Previdência Privada S.a.

SeGuro SaúDe e aSSiStênCia 24 HoraS Em 1989, a SulAmérica lança o SulAmérica Saúde, o mais completo e flexível seguro saúde do mercado e em mais uma ação inovadora, lança também os serviços Sul América Assistência 24 Horas, acoplados aos seguros de automóveis, vida, saúde e acidentes pessoais.

12

Sulamérica Relatório Anual 2008

linHa Do teMPo

1995 - PriMeiro Centenário Da SulaMÉriCa Chega o ano de 1995 e a companhia comemora seu primeiro centenário. no mesmo ano assume a liderança no mercado nacional de seguro saúde, ramo em que mais cresceu neste período.

1995 - 2000
BraSilVeíCuloS e BraSilSaúDe Em 1995, o sucesso da parceria da SulAmérica com o Banco do Brasil leva à criação da Brasilsaúde Companhia de Seguros. logo após, em 1996, é criada a Brasilveículos Companhia de Seguros.

13

Sulamérica Relatório Anual 2008

linHa Do teMPo

CreSCiMento CoM aQuiSiÇÃo. após a bem-sucedida aquisição da iochpe Seguradora S.a. em dezembro de 1994, a Sulamérica mantém a sua estratégia de consolidação adquirindo as empresas Santa Cruz Seguros S.a. e itatiaia Seguros S.a. em 1996. Este ano marca também a entrada da SulAmérica no segmento de gestão de ativos. Joint-venture com a Aetna.

em 1997, a Sulamérica firma acordo de joint venture com a aetna international inc., uma das maiores seguradoras norte-americanas, líder no segmento de seguro saúde, para ampliar suas operações de saúde, vida e previdência.

14

Sulamérica Relatório Anual 2008

linHa Do teMPo

inauGuraÇÃo Da noVa SeDe eM SÃo Paulo. em dezembro de 1999, a Sulamérica inaugura seu novo prédio em São Paulo, com uma estrutura de atendimento que integra todas as áreas de negócios.

legenda: Prédio da Sulamérica em São Paulo

SulaMÉriCa no SÉCulo XXi aSSoCiaÇÃo CoM o inG em 2001, o inG adquire a participação da aetna e em 2002 celebra parceria com a holding da SulAmérica.

15

Sulamérica Relatório Anual 2008

linHa Do teMPo

lanÇaMento DoS C.a.S.a.S em 2005 é inaugurado em São Paulo o primeiro Centro automotivo de Super atendimento, que revoluciona a prestação de serviços no segmento de seguros de automóveis.

legenda: C.a.S.a. Bandeirantes em São Paulo

ParCeria CoM a aXa Em 2006, por meio de um contrato com Axa Corporate Solutions, a Sulamérica a passa a ter a preferência para oferecer seus produtos aos clientes internacionais da Axa no Brasil.

16

Sulamérica Relatório Anual 2008

linHa Do teMPo

De PortaS e CaPital aBerto 2007 E 2008
SulaMÉriCa eMite uS$200 MilHõeS eM euroBonDS Em fevereiro de 2007, a Sul América S.A. concluiu com grande sucesso a emissão de uS$ 200 milhões em eurobonds, primeira emissão de bonds de uma companhia seguradora latinoamericana. SulaMÉriCa inoVa eM aÇõeS De CoMuniCaÇÃo no final de fevereiro de 2007, a Sulamérica lança em São Paulo a rádio Sulamérica trânsito 92,1 FM, que transmite 24 horas por dia, boletins, notícias e dicas sobre o trânsito da capital paulista e contribui para a consolidação da marca da SulAmérica no maior mercado de seguros do País.

17

Sulamérica Relatório Anual 2008

linHa Do teMPo

SulaMÉriCa CaPta r$775 MilHõeS eM oFerta PúBliCa Em 5 de outubro de 2007, a Sul América S.A. dá início à sua atuação como companhia de capital aberto. As units da companhia passam a ser negociadas na BM&FBovespa, e são listadas no nível 2 de Governança Corporativa, segmento destinado à negociação de ações de companhias que se comprometem voluntariamente a seguir práticas de boa Governança Corporativa e exigência de divulgação de informações. CaSa noVa no rio De Janeiro em 20 de dezembro de 2007, foi lançada a pedra fundamental do edifício Sulamérica no rio de Janeiro, no Complexo rioCidadenova. Junto com o lançamento da pedra fundamental, é inaugurada a rua Beatriz larragoiti lucas, em homenagem a uma das maiores representantes do mercado segurador brasileiro.

18

Sulamérica Relatório Anual 2008

linHa Do teMPo

ConSoliDaÇÃo e CreSCiMento CoM noVaS ParCeriaS. Em 27 de maio de 2008, a SulAmérica firma uma parceria comercial exclusiva com a BV Financeira para promoção do seguro SulAmérica Auto. no mesmo ano, a Sulamérica concluiu com sucesso o leilão para aquisição das ações em circulação da Sul américa Companhia nacional de Seguros.

19

Sulamérica Relatório Anual 2008

PrêMioS e reConHeCiMentoS o papel de liderança da Sulamérica pode ser comprovado pelos prêmios conquistados em 2008. esses prêmios representam o reconhecimento da visão pioneira da companhia que, de forma abrangente, mantém-se como referência no atendimento ao cliente, no relacionamento com seus funcionários, na gestão de seus recursos, na criação de produtos e serviços e na gestão da reputação de sua marca. Entre esses se destacam: Prêmio Mejores empresas de relación com Clientes na categoria Seguros - associación iberoamericana de relaciones empresa-Cliente (aiareC); Prêmio Padrão de Qualidade em Contact Center, categoria relacionamento com o Cliente, no segmento de Seguros e Previdência – Padrão editorial; e Prêmio Fides de Comunicación y Mercado, na categoria Productos y Servicios com o case rádio Sulamérica trânsito - Federação interamericana de empresas de Seguros (Fides).

20

Sulamérica Relatório Anual 2008

PrinCiPaiS FatoS De 2008
Janeiro
a Sulamérica foi a vencedora do Premio Fides de Comunicación y Mercado, na categoria Productos y Servicios com o case rádio Sulamérica trânsito, promovido pela Federação interamericana de empresas de Seguros.

FeVereiro
Sulamérica lança projeto para revitalização e ampliação dos bicicletários no rio de Janeiro. Serão investidos r$ 3 milhões ao longo de cinco anos. a ação conta com o apoio da Prefeitura do rio de Janeiro através do instituto Municipal de urbanismo Pereira Passos (iPP).

aBril a companhia, por meio de sua controlada indireta alutrens Participações S.a., aliena para a telemar Participações S.a. a totalidade das ações que detinha na empresa, representativas de 10% do seu capital total, pelo preço de r$622,9 milhões, à vista. a companhia, através da sua subsidiária SaePar Serviços e Participações S.a., concluiu com sucesso, o leilão para aquisição das ações em circulação da Sul américa Companhia nacional de Seguros. após exitoso processo de oferta pública para aquisição de ações, foi concedido pela CVM, o cancelamento do registro de companhia aberta. A companhia investiu um total de R$51,3 milhões nessa operação.

Maio
Pelo terceiro ano consecutivo, a Sulamérica é a grande vencedora do Prêmio Consumidor Moderno de excelência em Serviços ao Cliente, nas categorias seguros e previdência, o mais importante prêmio de serviços e atendimento ao cliente do país. Sulamérica investimentos recebe prêmio top Gestão de Fundos na categoria renda Fixa, por conta do desempenho do fundo Sulamérica excellence Fi renda Fixa Crédito Privado. A SulAmérica lança o Auto Mulher, uma apólice de seguro de automóvel desenvolvida especificamente para o público feminino. a Sulamérica celebra parceria comercial com a BV Financeira para promoção do seguro Sulamérica auto. o acordo permite que o seguro Sulamérica auto seja comercializado por cinco anos, em caráter de exclusividade, por meio da VCS corretora, na rede de pontos de venda da BV Financeira e da BV leasing, formada por mais de 18 mil revendas de veículos onde as empresas têm representantes, em todo o país. a companhia lança o Sulamérica Solução PMe, um pacote de produtos voltado para pequena e média empresa.

21

Sulamérica Relatório Anual 2008

PrinCiPaiS FatoS De 2008
JunHo
A SulAmérica inaugura uma nova sede em Salvador para concentrar as atividades da seguradora na Bahia.

aGoSto
Sulamérica amplia sua rede de C.a.S.a.s, inaugurando uma unidade em Fortaleza. a companhia lançou o Seguro odontológico empresarial, destinado, inicialmente, para clientes corporativos com mais de 50 vidas. Com diferenciais e preços competitivos, o novo produto oferece uma rede referenciada completa e qualificada e mais de 50 procedimentos adicionais, além das coberturas exigidas por lei.

SeteMBro
Sulamérica amplia sua rede de C.a.S.a.s, inaugurando unidades em Blumenau (SC) e uberlândia (MG). além disso, a companhia deu continuidade ao projeto de expansão, inaugurando uma nova sucursal em uberlândia (MG) e uma filial em Poços e Caldas (MG).

outuBro a Sulamérica Saúde lança seguro odontológico direcionado ao segmento de pequenas e médias empresas. Com características semelhantes ao Sulamérica odontológico empresarial, desenhado a empresas com mais de 50 vidas, o novo produto tem como grande diferencial a contratação por adesão, para grupos de 4 a 49 vidas. o Conselho de administração aprova programa de recompra de ações da companhia para manutenção em tesouraria e posterior utilização em seu Plano Geral de opção de Compra de ações. o programa prevê que poderão ser adquiridas até 1.052.636 units, correspondendo a 3% das units em circulação no mercado e a aproximadamente 1,1% do total de ações de emissão da companhia em 29 de setembro de 2008. o prazo para aquisição é de até 365 dias contados da data do fato relevante, divulgado em 7 de outubro de 2008. a Fitch ratings eleva os iDrs em moeda estrangeira e local da Sul américa S.a. de ‘BB-’ para ‘BB’, e afirmou os iDrs de curto prazo em moeda estrangeira e local ‘B’. ao mesmo tempo, a agência elevou o rating das notas seniores de ‘B+’ para ‘BB-’ e retirou o rating de recuperação ‘rr5’ de suas notas seniores, uma vez que os ratings de recuperação não se aplicam à categoria ‘BB’. a Perspectiva dos iDrs permanece estável. Sulamérica amplia sua rede de C.a.S.a.s, inaugurando uma unidade em Caxias do Sul. Foram inauguradas também filiais em Juiz de Fora e Caxias do Sul. o projeto Bicicletários inicia um novo passo: inaugura 110 novas vagas no calçadão de Campo Grande, na Zona oeste carioca.

22

Sulamérica Relatório Anual 2008

PrinCiPaiS FatoS De 2008 noVeMBro o projeto Praças da Paz Sulamérica entrega duas praças revitalizadas, uma na Chácara Sonho azul, bairro do distrito do Jardim Ângela, extremo sul de São Paulo e outra Vila iolanda, no lajeado, na Zona leste da capital paulista. Sulamérica amplia sua rede de C.a.S.a.s, inaugurando mais uma unidade em Vitória (eS). novas unidades comerciais foram lançadas nas cidades de Chapecó, Maringá, Bauru e São José do rio Preto. a Sulamérica inaugura na PuC-rio um novo bicicletário com 102 vagas disponíveis aos estudantes da universidade. Sulamérica recebe o troféu Corp rH, sendo consagrada pelo fornecimento de serviços e produtos para a área de Recursos Humanos. a Sulamérica conquista o prêmio de “Mejores empresas de relación con Clientes”, na categoria Seguros”, pela associación iberoamericana de relaciones empresa Cliente (aiarec).

DeZeMBro
Sulamérica amplia sua rede de C.a.S.a.s, inaugurando uma unidade em Manaus, além do espaço no bairro de Santana, na cidade de São Paulo, acompanhado de mais um escritório comercial. Sulamérica conquista o Xi Prêmio Cobertura – Performance 2008, considerado um dos mais importantes eventos do mercado de seguros, capitalização, previdência privada, saúde complementar e prestadores de serviços, promovida pela editora Cobertura. a última das três praças revitalizadas pelo projeto Praças da Paz Sulamérica foi inaugurada no Jardim tereza / Jardim eliza Maria, na Brasilândia, Zona norte de São Paulo. SulAmérica Saúde é pioneira na implementação da certificação digital para a troca de documentos eletrônicos com seus cerca de 27 mil prestadores de serviços. Com a certificação, as transações eletrônicas estarão protegidas por mecanismos de segurança capazes de garantir autenticidade, confidencialidade e integridade às informações. Sulamérica é reconhecida, pela pesquisa realizada pela Hewitt associates em parceria com o jornal Valor Econômico, como uma das 5 melhores empresas na gestão de pessoas.

23

Sulamérica Relatório Anual 2008

PrinCiPaiS inDiCaDoreS

24

Sulamérica Relatório Anual 2008

MenSaGeM Do PreSiDente o ano de 2008 foi marcado pela consolidação de uma nova fase na história da SulAmérica. A companhia seguiu implementando a sua estratégia de desenvolvimento, e atravessou com segurança e tranqüilidade um cenário que trouxe incertezas e instabilidade para as principais economias do mundo. Pelo segundo ano consecutivo, a Sulamérica superou metas arrojadas e registrou o maior lucro da sua história, alcançando a marca recorde de r$416 milhões. Para nós, esse resultado confirma o sucesso de uma visão sustentada em mais de 113 anos de experiência, e reforça a crença em um modelo de negócios baseado na criação de valor no longo prazo. apesar do sucesso que alcançamos, não podemos deixar de reconhecer que o comportamento da economia brasileira foi marcado pela reversão de tendências, especialmente a partir da segunda metade do ano. a pesar da possibilidade de prevalecer, no curto prazo, um contexto adverso, acreditamos que temos um posicionamento estratégico adequado para enfrentarmos períodos de maior volatilidade. tal crença está baseada no modelo multilinha da Sulamérica, em que nossas principais carteiras apresentam características distintas, podendo eventualmente atuar de forma anticíclica. o lucro líquido de r$416 milhões representa um crescimento de 29% no ano, e equivale a uma taxa de retorno sobre o patrimônio líquido médio de cerca de 20%. Mantivemos uma política de investimentos voltada prioritariamente ao gerenciamento do perfil dos nossos passivos e o acerto desta política levou a Fitch a elevar o rating da Sul América. em nossas operações, observamos que o segmento de seguro saúde foi impulsionado pelo saúde grupal, que registrou um forte crescimento nas carteiras de pequenas e médias empresas. na área de seguro odontológico, lançamos novos produtos e uma ampla campanha promocional dirigida especialmente aos corretores. o segmento de seguros de automóveis também apresentou forte expansão, e aumentamos nossa participação de mercado. Lançamos novos produtos segmentados como o seguro Auto Mulher e o SulAmérica Caminhão, além de aprimorarmos o serviço Motorista amigo para melhor assistirmos aos nossos segurados. Ampliamos nossa capacidade de distribuição celebrando parceria em caráter de exclusividade com a BV Financeira. Alcançamos um expressivo crescimento dos nossos prêmios no segmento de seguros de pessoas. A área de previdência foi objeto de novas campanhas promocionais, e as opções de produtos disponíveis foram ampliadas com o lançamento do SulAmérica Educaprevi, desenvolvido para garantir a educação e o futuro de crianças e jovens durante a vida acadêmica. A área de gestão de ativos da SulAmérica ampliou o escopo de suas ações de relacionamento, incluindo a reformulação do seu website, que passou a oferecer um acesso mais fácil e ágil, além de novas soluções de internet Banking. nossa área de investimentos foi agraciada, pelo segundo ano consecutivo, com o prêmio “top Gestão de Fundos”, na categoria renda Fixa, divulgado pela revista Valorinveste, em função do desempenho do fundo Sulamérica Fi excellence. Encerramos 2008 com uma base de mais de 6,3 milhões de clientes, e nossa rede de distribuição contou com mais de 26 mil corretores ativos, além de parcerias com instituições financeiras e de varejo. ampliamos nossa 25 Sulamérica Relatório Anual 2008

MenSaGeM Do PreSiDente infra-estrutura de apoio às vendas, que passou a contar com 14 sucursais e outras cinco unidades comerciais. nossos centros de serviços automotivos, C.a.S.a., já totalizavam 13 unidades no final do ano. nossas bem-sucedidas parcerias com o Banco do Brasil, nas empresas Brasilveículos e Brasilsaúde, mais uma vez tiveram contribuição relevante para os resultados da Sulamérica. a companhia tem na valorização de seus colaboradores um dos seus principais pilares de desenvolvimento. Como principal instrumento para esse processo de qualificação, desenvolvemos a univerSas, a universidade corporativa Sulamérica, que oferece mais de 75 cursos, inclusive para corretores de seguros, e realizou mais de 320 mil horas de treinamento em 2008. Como reconhecimento dessas iniciativas, pesquisa realizada pela Hewitt associates em parceria com o jornal Valor econômico incluiu a Sulamérica entre as 5 melhores empresas do Brasil na gestão de pessoas. a contribuição da companhia para o desenvolvimento social, levou à criação do projeto Praças da Paz Sulamérica, em parceria com o instituto Sou da Paz, que culminou em 2008 com a inauguração de três praças na Cidade de São Paulo, mudando a paisagem e a perspectiva de vida de uma parcela da população da maior metrópole do país. tudo isso nos faz olhar para trás com orgulho e constatarmos que esse foi, sem dúvida, um ano de grande sucesso para a companhia. ao mesmo tempo, acreditamos que 2009 trará grandes desafios para o país, para a indústria de seguros e para a Sulamérica. Mas, entendemos também, que esse poderá ser o início de um novo ciclo de grandes transformações. neste aspecto, o momento não poderia ser melhor para marcar essa transição: a partir de 2009, nossos escritórios no rio de Janeiro estarão em casa nova. estamos nos mudando para um moderno edifício, que atende aos requisitos de sustentabilidade e de eficiência operacional. Finalmente, agradeço o comprometimento e a dedicação de todos, que contribuíram para atingirmos novamente um recorde de resultados. É a SulaMÉriCa SuPeranDo ela MeSMa.

26

Sulamérica Relatório Anual 2008

eStratÉGia
Cenário
Confirmando tendência de crescimento sustentável observada nos últimos anos, o contexto em que se desenvolveram as atividades da SulAmérica em 2008, foi caracterizado pelos seguintes aspectos: Crescente demanda por seguros, em linha com o crescimento da economia e o aumento de renda; Mercado de seguros de automóveis estimulado pelo aumento das vendas, viabilizado pela maior oferta de crédito; Fim do monopólio de resseguros com entrada de novos concorrentes internacionais no mercado brasileiro; tendência à consolidação em conseqüência do aumento da qualificação do ambiente regulatório e aumento das exigências de capital para seguradoras e operadoras privadas de assistência saúde; Maior oferta de produtos e serviços para pequenas e médias empresas; Desenvolvimento de produtos para aproveitamento de oportunidades em novos canais de distribuição; Maior demanda por produtos de seguros relacionados a operações de crédito; aumento da contratação de seguros odontológicos como parte de pacote de benefícios oferecidos a empregados; adoção de práticas contábeis internacionais (iFrS), possibilitando melhor entendimento e comparação entre empresas do mercado. tendo em vista a reversão de tendências observada no curso do exercício e diante da possibilidade de prevalecer um contexto adverso no curto prazo, a Sulamérica acredita estar bem posicionada para períodos de maior volatilidade. isso se deve ao fato das suas principais carteiras apresentarem características distintas, podendo eventualmente atuar de forma anticíclica. a dicionalmente, embora a crise recente possa resultar num arrefecimento da economia, no caso da indústria de seguros essa tendência poderá ser compensada pelo baixo grau de penetração ainda verificado em diversos segmentos, e pela incorporação de novos mercados de consumidores, como, por exemplo, o de pequenas e médias empresas. no longo prazo, com a retomada do ritmo de expansão da economia, o mercado de seguros poderá voltar a apresentar taxas de crescimento semelhantes às verificadas no período anterior à crise.

27

Sulamérica Relatório Anual 2008

eStratÉGia
PrinCiPaiS DiretriZeS eStratÉGiCaS
++ o processo de planejamento estratégico da Sulamérica identificou as seguintes diretrizes prioritárias para o desenvolvimento dos negócios da companhia.

++ Fortalecimento da marca Sulamérica; ++ incorporação da inovação no processo de desenvolvimento de produtos e serviços; ++ revisão e otimização de processos operacionais; ++ Constante revisão da política de relacionamento com corretores e desenvolvimento de uma nova proposta de valores para esse canal;

++ aprimoramento da política de relacionamento com clientes; ++ Maior estímulo às vendas cruzadas; e ++ Aprimoramento do processo de controle dos riscos operacionais.

DeSaFioS Para 2009 o ano de 2009 certamente trará muitos desafios para o Brasil e para a indústria de seguros. a taxa de juros em declínio e o arrefecimento da economia trazem uma mudança para o mercado que, desde 2002, cresce pelo menos 10% a.a. Segundo dados divulgados pela Superintendência de Seguros Privados (SuSeP), o mercado deverá crescer de 4,5 a 6,5% em 2009, uma taxa que pode ser considerada satisfatória diante da expectativa de crescimento do PiB que, segundo analistas deverá ficar abaixo de 1,0%. a Sulamérica manterá seu foco na ampliação de ofertas inovadoras e diversificadas que têm apresentado excelente resultado nos últimos anos. a customização de produtos de seguros que atendam a demanda dos clientes é percebida pela companhia como uma maneira de penetrar ainda mais no mercado e de consolidar a cultura de seguros no país. além disso, a Sulamérica priorizarará regiões estratégicas que ainda tem alto potencial e são pouco exploradas pela companhia. o crescimento orgânico predominará entre os fatores que contribuirão para o desenvolvimento da companhia. neste contexto, uma das ações em curso visa o aprimoramento das ações de CrM para um maior incentivo às vendas cruzadas. a base de 6,3 milhões de clientes da Sulamérica pode ser explorada com sucesso em ações como, por exemplo, a oferta de seguro odontológico para a base de membros do seguro saúde grupal. algumas mudanças regulatórias recentes poderão acarretar em novas oportunidades no mercado. o fim do monopólio do irB, por exemplo, abre novas fronteiras para exploração do segmento de outros ramos elementares, principalmente nos grandes riscos, além de trazer novas empresas ao mercado dando mais dinamismo e aumentando a concorrência no setor. Por outro lado, as novas regras de solvência, com o aumento das exigências de capital, podem causar um movimento de consolidação no mercado. neste sentido, a Sulamérica encontra-se devidamente capitalizada e atenta às oportunidades que poderão surgir. Seguindo a linha de 2008, a companhia buscará aumentar suas parcerias, como foi o caso da BV Financeira. o desenvolvimento destas parcerias é um aspecto importante na estratégia da Sulamérica, na medida em que permite uma diversificação dos seus canais de distribuição, complementando o principal canal que é representado por mais de 26 mil corretores de seguros. Estes terão atenção especial com o lançamento de nova campanha de incentivo às vendas, “liga dos Campeões”, trazendo uma nova proposta de valor para a estrutura de distribuição. apesar das oportunidades potenciais já mencionadas, o ano de 2009 exigirá um permanente controle sobre 28 Sulamérica Relatório Anual 2008

eStratÉGia os custos em todos os seus segmentos. Para garantir a manutenção dos custos nos patamares de 2008, a Sulamérica focará na revisão e otimização de processos operacionais, através de projetos estruturados que garantirão não só a redução dos custos, mas também a melhoria nos processos, visando um melhor atendimento a clientes, corretores e parceiros. a responsabilidade socioambiental é parte integrante da estratégia da Sulamérica, e cada vez mais a companhia tem buscado o aprimoramento de suas ações neste campo. Dando continuidade ao trabalho realizado em 2008, a companhia está comprometida em desenvolver programas voltados para a responsabilidade social, tendo como base as melhores práticas internacionais e experiências representadas pelas em índices de sustentabilidade (iSe) e adequação aos padrões de divulgação propostos pelo Gri – Global reporting initiative.

29

Sulamérica Relatório Anual 2008

atiVoS intanGíVeiS
A SulAmérica é reconhecida e respeitada por sua marca, e por seu histórico de excelência, qualidade e eficiência no desenvolvimento de produtos e na prestação de serviços aos seus clientes e no atendimento de suas necessidades. A experiência de 113 anos da companhia permitiu o desenvolvimento de diferenciais competitivos e sustentáveis.

MarCa
SóliDa rePutaÇÃo e reConHeCiMento Da MarCa a marca Sulamérica é uma das primeiras que o consumidor leva em consideração na aquisição de produtos de seguros e previdência complementar, sendo uma das mais conhecidas e respeitadas no Brasil. adicionalmente, a reputação da marca Sulamérica favorece a estratégia de comercialização da companhia, representando uma vantagem competitiva para o desenvolvimento contínuo do relacionamento com clientes, corretores e distribuidores. Entre as iniciativas para o fortalecimento da sua marca, a SulAmérica lançou, em 2007, a Rádio SulAmérica trânsito, na cidade de São Paulo, que informa os motoristas sobre o movimento nas ruas da capital paulista durante 24 horas por dia. a rádio completou um ano em fevereiro de 2008 atingindo índices de audiência recordes. Desde o início de 2008, os cariocas também convivem de forma mais intensa com a marca Sulamérica, devido à parceria que a companhia desenvolveu com a prefeitura do rio de Janeiro, para instalar diversos bicicletários na cidade, estimulando o uso da bicicleta como meio de transporte alternativo, contribuindo para o aumento da qualidade de vida e diminuição da poluição. Por sua atuação, a Sulamérica firmou-se como a marca mais valiosa do mercado segurador brasileiro, condição essa atestada em pesquisa realizada pela Brand Finance em 2008. liDeranÇa no Setor De SeGuroS no BraSil e ênFaSe no DeSeMPenHo oPeraCional a liderança da Sulamérica no setor de seguros no Brasil e a ênfase que a companhia atribui ao continuo aprimoramento do seu desempenho operacional, permite que a companhia possa competir de maneira mais eficiente em um mercado de seguros cada vez mais consolidado. atuação em diversos ramos de seguro sustentada por produtos e serviços de alta qualidade a Sulamérica oferece uma ampla gama de produtos e serviços de alta qualidade em diversas linhas de negócios. a presença da companhia nos principais segmentos do setor de seguros permite que sejam cobertos diferentes mercados e segmentos de clientes, e oferecendo ainda uma ampla variedade de oportunidades de vendas cruzadas (cross-selling). no setor de assistência privada à saúde, a Sulamérica conta com uma ampla rede de prestadores de serviços de saúde, e oferece serviços de prevenção (por exemplo, programas de avaliação de saúde para gerenciar fatores de risco relativos à saúde, seminários e palestras sobre qualidade de vida e descontos em academias

30

Sulamérica Relatório Anual 2008

atiVoS intanGíVeiS e em medicamentos), aprimorando os pacotes de benefícios oferecidos aos clientes corporativos. no segmento de seguros de automóveis, a Sulamérica comercializa um pacote completo de serviços de valor agregado e alternativas para segmentos de mercado específicos. os clientes de seguros de automóveis da companhia contam também com apoio de uma ampla rede de serviços de assistência 24 horas. Abrangência nacional sustentada através de um sólido relacionamento com corretores de seguros independentes A SulAmérica distribui seus produtos em todo o território nacional por meio de uma rede composta por mais de 26 mil corretores ativos, que contam com a infra-estrutura de apoio das 14 sucursais e outras cinco unidades comerciais da companhia, nas principais cidades brasileiras. A companhia mantém um sólido relacionamento com os corretores de seguros e oferece uma estrutura de comissionamento competitiva, treinamento contínuo e apoio de marketing, serviços eficientes de emissão de apólices, regulação e liquidação de sinistros e um abrangente apoio operacional. Joint VentureS e ParCeriaS De DiStriBuiÇÃo Parte das atividades de seguros da Sulamérica é realizada por meio de joint ventures com o Banco do Brasil e parcerias de distribuição com importantes instituições financeiras e de varejo. o estabelecimento dessas parcerias e joint ventures permite o aproveitamento de sinergias, diversifica e amplia os canais de distribuição, alavanca a penetração de mercado e contribui para que a Sulamérica mantenha uma posição de liderança no setor de seguros no Brasil.

CaPital teCnolóGiCo a importância do capital tecnológico da Sulamérica é percebida através da qualidade dos serviços que a companhia presta aos clientes, fornecedores e corretores nos mais diversos segmentos. Em 2008, a companhia investiu cerca de R$14,4 milhões em tecnologia e gestão da informação. o investimento em modernas técnicas e ferramentas de segmentação possibilitou a companhia realizar ações de gestão de relacionamento com o cliente (CrM), mapeando e identificando potenciais produtos customizados para cada público, como, por exemplo, o seguro SulAmérica auto Mulher e o seguro Sulamérica odontológico. a companhia celebrou acordos para terceirização da sua infra-estrutura de tecnologia da informação, que permitem acesso às mais modernas ferramentas e soluções, reduzindo a necessidade de novos investimentos de capital. a infra-estrutura é formada hoje por mais de 500 servidores, com capacidade de processamento nos computadores superior a 1.000 Mips (milhões de instruções por segundo), e capacidade de armazenamento final de 72 terabytes, tendo registrado mais de 42 milhões de transações processadas com disponibilidade medida acima de 99,96%.

31

Sulamérica Relatório Anual 2008

atiVoS intanGíVeiS
Procurando ganhar maior eficiência operacional, a Sulamérica foi a primeira empresa do segmento a adotar a tecnologia da certificação digital para a troca de documentos eletrônicos com seus cerca de 27 mil prestadores de serviço de saúde, garantindo autenticidade, confidencialidade e integridade às informações. além disso, os corretores da Sulamérica utilizam uma exclusiva plataforma de intranet, que permite a submissão de propostas em meio eletrônico e verificação de informações operacionais. Esses serviços online reduzem os custos operacionais, melhoram a qualidade dos serviços e aumentam a satisfação dos clientes e corretores. além disso, a companhia desenvolveu ferramentas tecnológicas que auxiliam os corretores na solicitação de cotações de seguros, facilitando o processo de venda e diminuindo o prazo de resposta. no segmento de seguro saúde PMe, por exemplo, um novo sistema resultou num aumento de 94% no número de cotações realizadas mensalmente. A SulAmérica tem ainda como diferencial o atributo de poder integrar suas operações de forma rápida e ágil com os seus mais diversos parceiros. em 2008, por exemplo, a companhia realizou em tempo recorde e com qualidade a integração dos seus sistemas com a BV Financeira para a venda de seguros de automóveis, e com a Gol linhas aéreas para comercialização de seguros de vida e acidentes pessoais.

CaPital inteleCtual a SulaMeriCa ValoriZa SeuS ColaBoraDoreS a Sulamérica tem na valorização de seus mais de 5,5 mil colaboradores um dos seus principais pilares de desenvolvimento. a companhia oferece um programa de capacitação contínua e um plano de remuneração baseado no desempenho. Além disso, identifica potenciais talentos para assumirem posições estratégicas no futuro, contribui para a qualidade de vida do funcionário, além de desenvolver programa de reconhecimento de performance. a universas, universidade corporativa da Sulamérica, criada para treinar e especializar colaboradores e corretores, oferece mais de 75 cursos nas modalidades e-learning e presencial. Em 2008, foram lançados 23 novos cursos e os funcionários completaram cerca de 392 mil horas aula, abordando temas que incluíram comportamento empresarial e gestão da carreira, além de assuntos técnicos do mercado segurador. Paralelamente aos cursos da universas, a Sulamérica lançou em 2008 um moderno projeto de planejamento de carreira que auxilia seus funcionários a encontrar os melhores caminhos de crescimento e fornece indicações a respeito das atribuições dos cargos que desejam ser alcançados. Graças à capacitação de seus colaboradores, grande parte das oportunidades oferecidas pela companhia é preenchida por meio de recrutamentos internos, aumentando o grau de motivação e comprometimento profissional. o Programa de oportunidades internas é atualmente a primeira forma de contratação da Companhia e preenche cerca de 60% das vagas. Como resultado todo este trabalho de valorização do capital humano, pesquisa realizada pela Hewitt associates em parceria com o jornal Valor econômico, divulgada em dezembro de 2008, reconheceu a Sulamérica como uma das 5 melhores empresas na gestão de pessoas no Brasil. a pesquisa atesta o sucesso das práticas de gestão da empresa e de seus programas de treinamento e capacitação.

32

Sulamérica Relatório Anual 2008

atiVoS intanGíVeiS atenDiMento ao Cliente
A SulAmérica se destaca pela excelência no atendimento prestado aos seus clientes e corretores. A qualidade deste serviço pode ser atestada pelo trabalho realizado pela central de atendimento da companhia, que conta com funcionários especializados para atender os segurados e esclarecer dúvidas, processar sinistros, fornecer autorizações para procedimentos médicos, informar a rede referenciada, entre outros serviços. amplamente reconhecida por sua qualidade, a central de atendimento da SulAmérica foi premiada, somente em 2008, por três instituições especializadas em atendimento ao cliente e direitos do consumidor. a companhia foi considerada a Mejor empresa de relación com Clientes na categoria seguros, pela associación iberoamericana de relaciones empresaCliente (aiareC). a central de atendimento também recebeu este ano, pela terceira vez consecutiva, o “Prêmio Consumidor Moderno de excelência em Serviços ao Cliente”, como a melhor entre as seguradoras em qualidade de atendimento. além disso, a companhia também foi vencedora do Prêmio Padrão de Qualidade em Contact Center, categoria relacionamento com o Cliente, no segmento de Seguros e Previdência.

aDMiniStraDoreS eXPerienteS e QualiFiCaDoS a administração da Sulamérica é composta por profissionais extremamente qualificados, com experiência comprovada no setor brasileiro de seguros, previdência complementar e Administração de Recursos, histórico profissional diversificado e qualificações complementares. a administração possui, em média, 10 anos de experiência no setor de seguros, vem contribuindo de forma ativa para a melhoria do nosso desempenho operacional e está qualificada para dar continuidade à implementação da estratégia de negócios da companhia.

33

Sulamérica Relatório Anual 2008

MerCaDo De atuaÇÃo
ViSÃo Geral a Sulamérica, o maior grupo segurador independente do Brasil, vem ao longo da sua trajetória assegurando proteção financeira e tranqüilidade aos seus mais de 6,3 milhões de clientes. eles têm ao seu dispor uma linha completa de produtos, que oferecem soluções nos segmentos de seguro saúde, seguros de automóveis, outros ramos elementares, e seguro de pessoas e previdência, além de gestão de ativos. Esse modelo multilinha proporciona diversas oportunidades de crescimento para o negócio da companhia, através de uma estrutura comercial que é apoiada por mais de 26 mil corretores ativos e parcerias de distribuição com 25 instituições financeiras e de varejo. a companhia está presente em todo território nacional, através de sua infra-estrutura de apoio às vendas que conta com 14 sucursais e outras cinco unidades comerciais, além de mais de 100 pontos de presença. Conheça a estrutura organizacional da Sulamérica. A SulAmérica mantém há mais de 10 anos uma bem-sucedida parceria com o Banco do Brasil, uma das maiores instituições financeiras do país, que conta com mais de 24 milhões de clientes e uma rede de distribuição de 15 mil pontos. através da Brasilveículos e da Brasilsaúde, a companhia comercializa com exclusividade produtos de seguros de automóveis e seguro saúde em toda rede do Banco do Brasil, numa parceria que representa, aproximadamente, 15% da receita de prêmios. Em 2008, seguindo o sucesso desse modelo de distribuição, a SulAmérica celebrou parceria comercial para promoção do seguro Sulamérica auto em toda a rede da BV Financeira, em caráter de exclusividade. o acordo é válido por cinco anos e permitirá que o seguro Sulamérica auto seja comercializado, por meio da VCS corretora, na rede de postos de venda da BV Financeira, formada por mais de 18 mil revendas de veículos onde a empresa tem representantes, em todo o país.

a companhia, reconhecendo o valor dos seus mais de 26 mil corretores, além de disponibilizar a sua estrutura de sucursais, relaciona-se através de um serviço de extranet exclusivo, no qual os corretores têm acesso a vários serviços, incluindo apresentação de proposta online, demonstrativos de comissão e notificações rela34 Sulamérica Relatório Anual 2008

MerCaDo De atuaÇÃo cionadas a produtos e serviços. Além disso, para motivá-los, a SulAmérica intensificou suas campanhas de incentivo às vendas em 2008, com diversos prêmios e a maior campanha de comissionamento adicional do mercado, que desembolsou mais de r$25 milhões no ano em bônus aos corretores que mais se destacaram. A integração da força de vendas e marketing é um dos diferenciais da companhia para oferecer um melhor atendimento ao cliente. neste sentido, a companhia orienta as suas ações de relacionamento com o cliente (CrM), buscando, por meio de técnicas de segmentação moderna, identificar novas oportunidades para ampliação da sua base de negócios.

a Central de atendimento da Sulamérica foi considerada por três vezes consecutivas como o melhor atendimento no ramo de seguros e previdência pelo prêmio Consumidor Moderno e duas vezes consecutivas como melhor atendimento de todos os segmentos pelo voto popular no mesmo prêmio. A avaliação é feita com base nos critérios do GFK indicator, que analisa a qualidade do atendimento, coerência e consistência das informações prestadas e o nível de respostas.

35

Sulamérica Relatório Anual 2008

ViSÃo GERAL
SeGuro SaúDe
A SulAmérica atua no mercado de assistência privada à saúde desde 1970, quando passou a oferecer serviços de administração de serviços médicos a segurados de suas carteiras de seguro de vida. A partir de 1989, com a regulamentação do seguro saúde, a SulAmérica ampliou a sua atuação nesse segmento, que passou a representar uma parcela relevante do portfólio de produtos da companhia. Em 2008, o seguro saúde representou 53% do total de prêmios de seguros da SulAmérica. De acordo com dados divulgados pela anS, em dezembro de 2007 a companhia tinha uma participação no mercado de 39% entre as seguradoras especializadas em saúde. a companhia tem hoje uma carteira de 1,7 milhão de membros, distribuídos nos segmentos de seguro saúde grupal, inclusive pequenas e médias empresas e odontológico, individual, e uma carteira de planos administrados de pós-pagamento. a Sulamérica disponibiliza aos seus clientes um ampla rede referenciada com mais de 23 mil prestadores de serviços, distribuídos em todo país. essa rede registrou em 2008, 169 mil internações hospitalares, 27 milhões de exames clínicos e 11 milhões de consultas médicas. a central de assistência à saúde 24 horas (CaS) da Sulamérica realizou uma média de 800 mil atendimentos mensais, com um total de 9,8 milhões ligações no ano. a Sulamérica foi a primeira empresa do segmento de assistência privada à saúde a adotar tecnologia de certificação digital para troca de documentos eletrônicos com seus prestadores de serviços. Com a certificação, as transações eletrônicas estão protegidas por mecanismos de segurança capazes de garantir autenticidade, confidencialidade e integridade às informações. o sistema é utilizado, entre outras funções, para o envio de contas médico-hospitalares dos prestadores (médicos, dentistas, hospitais, empresas de diagnóstico, entre outros) para a companhia, tornando ainda mais rápido o processamento dos serviços realizados. o Saúde ativa, programa lançado em 2002 para promover a saúde e a qualidade de vida dos segurados da SulAmérica, atua de forma preventiva no gerenciamento de fatores de risco e no acompanhamento dos casos de doenças crônicas. Em 2008, mais de 130 mil segurados e aproximadamente 430 empresas clientes se beneficiaram deste programa, incluindo 22 mil casos de acompanhamento de doenças crônicas. Com os mesmos objetivos, mas pensando em um público específico, a Sulamérica lançou o programa idade ativa, destinado aos segurados com idade superior a 60 anos. SeGuro SaúDe GruPal a carteira de seguro saúde grupal, que representa 34,8% do total de prêmios de seguros e 65,6% dos prêmios de seguro saúde, encerrou 2008 com cerca de 1,1 milhão de membros segurados, com crescimento de 18,6% em relação a 2007. essa carteira é composta por mais de 25 mil empresas e tem um amplo portfólio de produtos desenvolvidos para atender a necessidade dos clientes. novos produtos, aliados a programas de incentivo às vendas, garantiram o bom resultado em 2008. Dentro da carteira de seguro saúde grupal, o segmento de pequenas e médias empresas vem se destacando com crescimento relevante. o segmento, que abrange grupos segurados de 4 a 49 indivíduos, apresentou expansão de 20,9% na base de segurados em relação a 2007, encerrando o ano com cerca de 145 mil membros.

36

Sulamérica Relatório Anual 2008

ViSÃo GERAL
Com foco na ampliação da carteira e na exploração da base de clientes do segmento de saúde, a Sulamérica lançou o Sulamérica odontológico, para grupos acima de 50 vidas, e o Sulamérica odontológico PMe, destinado a pequenas e médias empresas. Com esses produtos, a companhia pretende ampliar sua presença nesse mercado, que apresenta crescimento anual de 21,2% e que atende a um universo de 9,9 milhões de pessoas, segundo dados da anS. a carteira encerrou 2008 com cerca de 110 mil membros, apresentando crescimento de 29,6% em relação 2007. o cliente que adquirir o seguro odontológico Sulamérica terá em sua relação de benefícios o Saúde Bucal ativa, programa de prevenção e promoção à saúde bucal, que visa combater as causas e gerenciar as doenças bucais crônicas.

SeGuro SaúDe inDiViDual
Desde 2004, a Sulamérica não comercializa novas apólices de seguro saúde individual. A carteira encerrou 2008 com 304 mil membros, representando 18,3% do total dos prêmios de seguros e 34,4% dos prêmios de seguro saúde. apesar do seguro saúde individual não ser mais comercializado, a companhia continua a desenvolver soluções e produtos para melhor atender seus clientes. neste sentido, a Sulamérica desenvolveu o programa de "ofertas de Coberturas adicionais (oCa)", que alcançou cerca de 73 mil contratos, com 122 mil segurados, gerando prêmios adicionais de R$ 6 milhões por ano.

37

Sulamérica Relatório Anual 2008

ViSÃo GERAL
PlanoS aDMiniStraDo De PóS-PaGaMento (aSo)
A SulAmérica também atua na gestão de planos administrados de pós-pagamento, como mais uma opção de assistência à saúde. essa operação atende mais de 40 empresas, totalizando cerca de 273 mil beneficiários ao final de 2008.

SeGuroS De autoMóVeiS
A SulAmérica tem se destacado no segmento de seguros de automóveis por oferecer produtos diferenciados e adequados ao perfil de cada cliente. a diversificação das ofertas garante os diferenciais competitivos e o pioneirismo da companhia nesse segmento, que registrou crescimento de 18% em relação a 2007, respondendo por 30% do faturamento da Sulamérica. em 2008, a companhia aumentou sua participação de mercado em 0,6 p.p., atingindo 15,3%, e encerrando o ano com uma frota de 1,9 milhão de veículos segurados. Dentre os lançamentos de 2008 se destaca o Auto Mulher, que agrega serviços e benefícios para atender às necessidades do público feminino, como serviço de troca de pneu ilimitada, motorista amigo para conduzir a segurada após meia-noite e a opção de contratação de franquia zero. além do auto Mulher, a Sulamérica relançou o Sulamérica Caminhão, que conta com novos serviços. uma das novidades está na operação de basculamento, garantia adicional que cobre prejuízos ocasionados por acidentes durante as operações de

carga e descarga, sofridos pelo basculante segurado.

A companhia também ampliou as opções de diárias por indisponibilidade e, como acontece no seguro para automóvel, o caminhoneiro passa a contar também com a opção de franquia reduzida. o modelo de Centros automotivos de Super atendimento (C.a.S.a.) da Sulamérica, mudou o conceito de atendimento a sinistros de automóveis no mercado brasileiro. Em 2008 foram inaugurados mais sete C.a.S.a.s, nas cidades de Blumenau (SC), Caxias do Sul (rS), uberlândia (MG), Vitória (eS), Fortaleza (Ce), 38 Sulamérica Relatório Anual 2008

ViSÃo GERAL
Manaus (aM) e mais uma unidade na capital paulista, no bairro de Santana. Com as novas instalações, o número de C.a.S.a.s no Brasil dobrou no período de um ano, passando para 13 unidades em todo o país. a companhia firmou novas parcerias com instituições financeiras com o objetivo de ampliar os seus canais de comercialização de seguros de automóvel. os acordos com a BV Financeira e a BV leasing, celebrados em 2008, ampliaram a rede de distribuição dos produtos da companhia nessa área.

SeGuroS De outroS raMoS eleMentareS
A SulAmérica atua nesse segmento desde a fundação da Companhia de Seguros terrestres e Marítimos e de Acidentes em 1913, estabelecida em um momento de forte crescimento urbano-industrial e portuário do país. os principais ramos do segmento são: incêndio, transportes, aeronáuticos, riscos de petróleo e responsabilidade civil. a carteira representa 11% do total de prêmios da SulAmérica, com receita acumulada de R$782 milhões em 2008. Para melhor atender as demandas do mercado, a companhia está estruturada em cinco segmentos de atuação, grandes riscos de propriedade e riscos de engenharia, com importância segurada acima de r$100 milhões de reais, pequenas e médias empresas, com importância segurada de até r$100 milhões, transporte, responsabilidade civil e riscos financeiros e risco especiais, como aeronáutico e cascos. 39 Sulamérica Relatório Anual 2008

ViSÃo GERAL na área de grandes riscos, a Sulamérica consolidou sua liderança como uma das maiores seguradoras para usinas de açúcar e álcool, que possui alto potencial de expansão, devido ao crescimento da indústria de biocombustíveis no Brasil. outro dado importante que atesta o crescimento da companhia neste segmento é o número de inspeções de risco realizadas, alcançando mais de 5,8 mil no ano de 2008. a abertura do mercado de resseguro, em 2008, marca o início de importantes transformações para esse segmento. no segmento de pequenas e médias empresas, o objetivo foi ampliar a participação da companhia nas modalidades empresarial e condomínio, com o lançamento de novos produtos e serviços. Dentre as novidades em serviços, destacam-se a implantação do sistema de cotação via web e o novo Sistema Gerencial de Sinistros. Já a área de riscos especiais recebeu o prêmio de Melhor Performance econômico-Financeira de seguro de cascos marítimos e aeronáuticos concedido pela revista Cobertura.

40

Sulamérica Relatório Anual 2008

ViSÃo GERAL

SeGuro De PeSSoaS e PreViDênCia
A SulAmérica foi fundada em 1895 como uma empresa de seguro de vida e, com mais de um século de experiência, continua investindo na modernização e no desenvolvimento da carteira de seguros de pessoas. este segmento, que engloba os seguros de vida e acidentes pessoais, registrou em 2008 receita de R$ 388,8 milhões, o equivalente a 5,1% do faturamento da Sulamérica, com crescimento de 32,8%, encerrando o ano com mais de 2,3 milhões de segurados. no segmento de previdência complementar aberta, considerando também o VGBL, as contribuições e as portabilidades totalizaram r$ 396 milhões, representando aumento de 67,1% em relação ao ano anterior, e as reservas registraram expansão de 27,1%, alcançando R$ 1,9 bilhão. Com esforços concentrados no atendimento das necessidades dos diversos segmentos de clientes, a companhia ampliou a oferta de produtos lançando o Sulamérica Você Prestamista, que é um produto voltado para garantir uma dívida ou financiamento assumido, e o educaprevi, que foi idealizado para viabilizar o custeio dos estudos de um menor e a continuidade da educação na falta do responsável.

41

Sulamérica Relatório Anual 2008

ViSÃo GERAL o produto oferece ainda, gratuitamente, um serviço on-line de apoio ao estudante que o ajudará nas atividades escolares desde a pré-escola até o vestibular. Além da ampliação do portfólio de produtos a companhia investiu no desenvolvimento de novos canais de distribuição, atuando no segmento private e fechando parcerias para venda de seguros de pessoas de forma massificada. Para promover seus planos de previdência privada, a Sulamérica iniciou uma ação de comunicação inovadora na internet, estimulando a curiosidade pelo planejamento da aposentadoria. no site www.voceaos60.com.br é possível simular a aparência da pessoa aos 60 anos. nele, além do internauta ser levado a pensar no seu futuro de uma forma lúdica, ele poderá também fazer simulações para saber quanto precisaria investir em previdência mensalmente para garantir uma aposentadoria tranqüila.

GeStÃo De atiVoS
Em um ano marcado pela forte volatilidade dos mercados financeiros, resultante da crise global de crédito, o mercado de fundos de investimentos sofreu perdas relevantes. Apesar desse cenário de instabilidade, a SulAmérica registrou um aumento nos ativos sob sua gestão, fechando o período com r$12,0 bilhões em recursos administrados, em relação aos R$11,5 bilhões em 2007, enquanto no mesmo período, de acordo com informações da associação nacional dos Bancos de investimento (“anBiD”), o mercado apresentou retração de 0,8%. A companhia dispõe de opções de investimentos representadas por mais de 110 fundos, incluindo fundos abertos e fundos exclusivos, com perfis conservadores, agressivos e moderados, entre as categorias de ações, renda fixa, multimercado e derivativos. os produtos da Sulamérica são distribuídos para os segmentos de investidores institucionais, distribuidores externos e private. reconhecida no mercado por contar com uma competente equipe de analistas e gestores, a Sulamérica manteve-se ainda mais próxima de seus clientes. Em 2008, a área de gestão de ativos ampliou o escopo de suas ações de relacionamento, incluindo a reformulação do seu website, o que possibilitou um acesso mais fácil e ágil às informações dos fundos que administra, além de ampliar os serviços que oferece através de sua solução de internet Banking. Foram lançados quatro novos fundos, o Sulamérica evolution Fi Multimercado, o Sulamérica inflatie, o Sulamérica lion FiC de Fi Multimercado e o Sulamérica Select Di. Por sua atuação, a companhia recebeu, pelo segundo ano consecutivo, o prêmio “top Gestão de Fundos”, na categoria renda Fixa, divulgado pela revista Valorinveste em parceria com a agência de risco Standard & Poor’s em função do desempenho do fundo Sulamérica Fi excellence renda Fixa Crédito Privado. 42 Sulamérica Relatório Anual 2008

ViSÃo GERAL

GeStÃo De atiVoS
Em um ano marcado pela forte volatilidade dos mercados financeiros, resultante da crise global de crédito, o mercado de fundos de investimentos sofreu perdas relevantes. Apesar desse cenário de instabilidade, a Sulamérica registrou um aumento nos ativos sob sua gestão, fechando o período com r$12,0 bilhões em recursos administrados, em relação aos r$11,5 bilhões em 2007, enquanto no mesmo período, de acordo com informações da associação nacional dos Bancos de investimento (“anBiD”), o mercado apresentou retração de 0,8%. A companhia dispõe de opções de investimentos representadas por mais de 110 fundos, incluindo fundos abertos e fundos exclusivos, com perfis conservadores, agressivos e moderados, entre as categorias de ações, renda fixa, multimercado e derivativos. os produtos da Sulamérica são distribuídos para os segmentos de investidores institucionais, distribuidores externos e private.

reconhecida no mercado por contar com uma competente equipe de analistas e gestores, a Sulamérica manteve-se ainda mais próxima de seus clientes. Em 2008, a área de gestão de ativos ampliou o escopo de suas ações de relacionamento, incluindo a reformulação do seu website, o que possibilitou um acesso mais fácil e ágil às informações dos fundos que administra, além de ampliar os serviços que oferece através de sua solução de internet Banking. Foram lançados quatro novos fundos, o Sulamérica evolution Fi Multimercado, o Sulamérica inflatie, o Sulamérica lion FiC de Fi Multimercado e o Sulamérica Select Di. Por sua atuação, a companhia recebeu, pelo segundo ano consecutivo, o prêmio “top Gestão de Fundos”, na categoria renda Fixa, divulgado pela revista Valorinveste em parceria com a agência de risco Standard & Poor’s em função do desempenho do fundo Sulamérica Fi excellence renda Fixa Crédito Privado.

43

Sulamérica Relatório Anual 2008

CaPital HuMano
PerFil DoS ColaBoraDoreS

44

Sulamérica Relatório Anual 2008

45

Sulamérica Relatório Anual 2008

CaPital HuMano
Carreira
ProGraMaS De oPortuniDaDeS internaS a Sulamérica prioriza a seleção interna no preenchimento das vagas disponíveis, sendo essa a principal fonte de captação de talentos, respondendo por cerca de 60% das contratações realizadas em 2008. a seleção externa é normalmente utilizada nos casos em que não exista um candidato entre os inscritos que atenda ao perfil traçado ou para os cargos iniciais. SeleÇÃo eXterna outra fonte de recrutamento utilizada pela Sulamérica é seu Banco de Currículos externo. nesse banco são efetuados cruzamentos de dados para a busca de profissionais adequados à oportunidade em questão, que geralmente, são da localidade da unidade da vaga. o Banco de Currículos da Sulamérica foi desenhado com o objetivo de buscar profissionais qualificados no mercado. o recrutamento de profissionais para a Sulamérica ocorre também por meio dos sites de currículos externos, da contratação de consultorias, e da participação em feiras de recrutamento e programas de visitas a universidades e cursos de pós-graduação.

Taxa de Turnover 2006 12,09 2007 15,08 2008 15,95

treinaMento e CaPaCitaÇÃo
A SulAmérica estimula o desenvolvimento profissional dos seus colaboradores e investiu mais de R$4,3 milhões nesta atividade em 2008. o principal veículo de treinamento e capacitação dos seus colaboradores é a universas, universidade corporativa Sulamérica, criada para treinar e especializar funcionários e corretores. a universas possui mais de 75 cursos nas modalidades e-learning e presencial. em 2008, foram lançados 23 novos cursos e os funcionários e corretores completaram cerca de 392 mil horas aula, abordando temas que incluíram comportamento empresarial e gestão da carreira além de assuntos técnicos do mercado segurador.

os conteúdos oferecidos pela universas são cuidadosamente planejados de acordo com as necessidades do público-alvo, a natureza dos objetivos de aprendizagem e recursos disponíveis. Mantém especial atenção à qualidade e consistência do conteúdo em perfeita harmonia com as soluções de mídia, assegurando uma experiência de aprendizado agradável e, ao mesmo tempo, eficaz.

46

Sulamérica Relatório Anual 2008

CaPital HuMano

Horas de treinamento

número de Participações

número de Funcionários

Média de Horas

Chefia Gerência Superintendência Demais Colaboradores

27.230 42.849 10.264 311.718

4.399 6.442 999 49.524

497 347 110 4.552

54,8 123,5 93,3 68,5

total de Horas

%

392.061

61.364

5.506

treinamento em Política e Procedimentos relativos a aspectos dos direitos humanos 8.009 treinamento em Procedimentos relativos a Combate à corrupção 28.723 44 32

47

Sulamérica Relatório Anual 2008

CaPital HuMano
ProGraMa trilHaS De Carreira e aPrenDiZaDo
Paralelamente aos cursos da universas, a Sulamérica lançou em 2008 um moderno projeto de planejamento de carreira, o programa trilhas de Carreira e aprendizado, para apresentar aos seus funcionários um mapeamento completo de suas possibilidades de desenvolvimento. Assim, a companhia apóia e oferece soluções para que o funcionário seja responsável e capaz de trilhar a sua carreira, aproveitando o máximo de suas competências e habilidades, bem como, desenvolver os conhecimentos técnicos necessários para tornar-se elegível às diversas possibilidades apresentadas.

ProGraMa De GeStÃo De DeSeMPenHo e DeSenVolViMento o Programa de Gestão de Desempenho e Desenvolvimento é a chave para o alcance dos objetivos de negócio da Sulamérica. Possibilita relacionar o ativo mais importante da organização – seus colaboradores – aos objetivos estratégicos do negócio, assegurando que os padrões de desempenho melhorem continuamente. o programa engloba avaliação das competências essenciais, avaliação dos resultados alcançados no período, elaboração do plano de desenvolvimento e planejamento dos objetivos para o próximo ano. o programa é dividido em quatro fases:

1.+ Planejamento dos objetivos estratégicos da área 2.+ a Sulamérica tem sua estratégia traduzida de acordo com a metodologia do Balanced Scorecard, em objetivos estratégicos, indicadores de Desempenho e Metas.

3.+ Planejamento dos objetivos estratégicos individuais 4.+ o planejamento dos objetivos desempenho é realizado por todos os colaboradores e seus gestores, com base no planejamento de objetivos estratégicos da área.

5.+ Monitoramento 6.+ nessa fase são monitorados os objetivos para o período. Gestores e colaboradores registram com ajuda de ferramenta de Gestão de Desempenho e Desenvolvimento as observações sobre o andamento dos objetivos estabelecidos para o período.

7.+ Avaliação de Desempenho 8.+ A Avaliação de Desempenho é um processo formal de feedback e de revisão do desempenho de todos os colaboradores Sulamérica. em 2008, 99,5% dos colaboradores da Sulamérica foram avaliados pelo desempenho.

48

Sulamérica Relatório Anual 2008

CaPital HuMano reMuneraÇÃo o política de remuneração da Sulamérica é composta por uma remuneração fixa, uma remuneração variável baseada em objetivos e metas individuais, um pacote de benefícios que incluem plano de saúde e seguro de vida e um plano de previdência complementar. essa política de remuneração é revisada periodicamente, buscando aliar as práticas da companhia às tendências e melhores práticas do mercado. observando essas práticas, a Sulamérica remunera os seus colaboradores com salários superiores ao salário mínimo e somente 5% de sua equipe recebe o piso salarial da categoria no valor de r$867,02.

CoMParaÇÃo Menor Salário X Salário MíniMo

2006 Auxiliar Adminstrativo Salário Mínimo Proporção R$ 740,00 r$ 350,00 211,4%

2007 R$ 770,00 r$ 380,00 202,6%

2008 R$ 812,35 r$ 415,00 195,7%

MÉDia Salarial Por CarGo De CHeFia

natureza Cargo Chefia Gerência Superintendente Média Salarial Geral

Fem r$3.383,01 R$5.855,79 R$11.933,14 R$4.749,85

Masc r$4.017,69 R$6.739,98 R$13.604,35 R$6.574,73

Média 2008 r$3.688,22 R$6.390,39 R$13.178,95 R$5.765,58

49

Sulamérica Relatório Anual 2008

CaPital HuMano
BeneFíCioS
Dentre os benefícios oferecidos pela Sulamérica, destacam-se planos familiares de assistência médica e odontológica, previdência complementar, seguro de vida, orientação de assistente social e auxílio-creche. os benefícios listados abaixo são concedidos aos colaboradores com jornada de trabalho integral e parcial (de 4 a 6 horas). SeGuro De ViDa no ato da admissão, o colaborador passa a contar com a cobertura do seguro de vida, e a despesa é totalmente custeada pela SulAmérica.

SeGuro SaúDe ColaBoraDoreS atiVoS A companhia oferece aos seus colaboradores e dependentes uma ampla cobertura através do seguro saúde Sulamérica, pagando ou reembolsando as despesas médicas e/ou hospitalares decorrentes de doença ou acidente.

SeGuro SaúDe ColaBoraDoreS DeSliGaDoS (atiVoS e aPoSentaDoS) A SulAmérica estende a cobertura do Seguro Saúde aos colaboradores desligados, excetuando os demitidos por justa causa e os que pedirem demissão.

SeGuro oDontolóGiCo além de oferecer seguro saúde, a companhia oferece o seguro odontológico, sendo 70% do valor do tratamento pago pela Sulamérica e os 30% restantes pelo colaborador.

50

Sulamérica Relatório Anual 2008

CaPital HuMano
PreViDênCia

o plano de previdência PGBl PrevSaS foi desenhado exclusivamente para os colaboradores da Sulamérica, oferecendo a possibilidade de um melhor planejamento da aposentadoria. a forma de usufruir do benefício dependerá das condições de enquadramento do colaborador no plano de previdência complementar. a participação no plano é facultativa, mas mensalmente a Sulamérica fará uma contribuição básica de 1,035% sobre a parcela de até R$ 4.496,28 do salário-base mensal, para todos os colaboradores. o colaborador com salário-base mensal superior a r$ 4.496,28 poderá realizar contribuições normais mensais, que podem variar de 1% a 50% do valor resultante da aplicação de 11,6528% sobre o seu salário-base mensal menos r$ 523,94 (dedução correspondente à aplicação de 11,6528% até a parcela de r$ 4.496,28 do salário-base mensal de cada colaborador, sobre a qual somente haverá Contribuição Básica da Sulamérica). Conforme previsto nas Condições do Contrato de adesão do PrevSaS, para os colaboradores com saláriobase mensal superior a r$ 4.496,28, que optarem por efetuar contribuições normais mensais ao Plano, a Sulamérica contribuirá com igual valor, através da Contribuição normal Sulamérica. além dos benefícios descritos acima, a Sulamérica ainda oferece: auxílio-funeral, auxílio-doença, vale-refeição, auxílio cesta alimentação, vale-transporte, auxílio-creche, auxílio-babá, orientação via serviço social, programa de gerenciamento e tratamento ao paciente crônico, e seguro de acidentes pessoais e coletivo.

QualiDaDe De ViDa e SaúDe

a Sulamérica tem investido em programas e ações voltadas para a promoção da qualidade de vida dos seus colaboradores, desenvolvendo opções que atendam a todos os perfis.

eSPaÇo BeM-eStar neste espaço, a Sulamérica oferece diversas atividades gratuitas para seus funcionários onde são organizadas festas, sessões de shiatsu, aulas de ioga, canto coral, dança de salão, bordado, artesanato e campeonatos esportivos.

FuMo Zero, SaúDe DeZ a Sulamérica, preocupada com a qualidade de vida daqueles que fumam e dos que compartilham o ambiente com esses fumantes, criou mais um programa voltado para a saúde dos colaboradores da empresa, “Fumo Zero. Saúde Dez.” este programa conta com a participação de mais de 200 colaboradores.

51

Sulamérica Relatório Anual 2008

CaPital HuMano o ProGraMa anti-taBaGiSMo aDota a SeGuinte MetoDoloGia:

1.+ Palestra de sensibilização; 2.+ Sessões terapêuticas; 3.+ Consulta Médica; 4.+ retorno para as sessões terapêuticas; e 5.+ Compra de medicamentos que serão custeados pela empresa.

QualiDaDe De ViDa e SaúDe

a Sulamérica tem investido em programas e ações voltadas para a promoção da qualidade de vida dos seus colaboradores, desenvolvendo opções que atendam a todos os perfis.

eSPaÇo BeM-eStar neste espaço, a Sulamérica oferece diversas atividades gratuitas para seus funcionários onde são organizadas festas, sessões de shiatsu, aulas de ioga, canto coral, dança de salão, bordado, artesanato e campeonatos esportivos.

FuMo Zero, SaúDe DeZ a Sulamérica, preocupada com a qualidade de vida daqueles que fumam e dos que compartilham o ambiente com esses fumantes, criou mais um programa voltado para a saúde dos colaboradores da empresa, "Fumo Zero. Saúde Dez." este programa conta com a participação de mais de 200 colaboradores.

o ProGraMa anti-taBaGiSMo aDota a SeGuinte MetoDoloGia:

1.+ Palestra de sensibilização; 2.+ Sessões terapêuticas; 3.+ Consulta Médica; 4.+ retorno para as sessões terapêuticas; e 5.+ Compra de medicamentos que serão custeados pela empresa.

52

Sulamérica Relatório Anual 2008

CaPital HuMano atletaS SulaMÉriCa

o projeto foi criado em fevereiro de 2005, objetivando incentivar uma melhor qualidade de vida e saúde através da prática de esportes, proporcionando ainda mais agilidade e boa performance física e mental aos profissionais, além de aliviar o estresse de forma saudável. inicialmente criado para os colaboradores do rio de Janeiro, o projeto foi estendido para São Paulo, Belo Horizonte, Brasília e recife, e conta com a participação de cerca de 300 pessoas.

atenDiMento nutriCional o programa, criado no final de 1997, visa orientar e estimular a busca por uma melhor qualidade de vida, por meio de uma alimentação balanceada, e conta, atualmente, com uma média de 1.500 participantes.

ProGraMa ViVer BeM Programa de assistência pessoal criado para proporcionar mais bem-estar, tranqüilidade e segurança aos colaboradores e sua família, realiza em média 500 atendimentos por mês. o serviço funciona 24h por dia, sete dias na semana, com um canal direto de apoio pessoal especializado em diversas áreas para orientá-lo na resolução de problemas de forma rápida e gratuita, tais como: psicologia, serviço social, pedagogia, condicionamento físico, nutrição, fisioterapia e jurídico.

além destes, a Sulamérica ainda disponibiliza os seguintes programas aos seus colaboradores: alongue-se, empório da Saúde, Caminhadas ecológicas, orientação à gestante, Vacinação contra a gripe e orientação à saúde.

53

Sulamérica Relatório Anual 2008

CaPital HuMano
CliMa orGaniZaCional

em 2008, 4.197 colaboradores, representando 81% do quadro, responderam à pesquisa de clima organizacional e ajudaram a Sulamérica a identificar seus pontos fortes e oportunidades de melhoria. os índices alcançados foram bastante positivos

CoMuniCaÇÃo e relaCionaMento SinDiCal

a Sulamérica se mantém fiel à sua cultura de transparência e respeito mútuo junto às diversas organizações sindicais as quais mantém relacionamento, assegurando o tratamento justo nas relações de trabalho.

a companhia atua, em todas as suas operações, de acordo com seu Código de Ética e Conduta e os acordos internacionais do trabalho (oit) homologados pelo governo brasileiro, especialmente no que se refere à abolição do trabalho escravo e infantil, além de garantir amplamente a liberdade sindical, a proteção do direito de sindicalização, o livre funcionamento sem ingerência das autoridades e direito de sindicalização e de negociação coletiva.

todos os assuntos pertinentes aos acordos e Convenções Coletivas são amplamente divulgados ao corpo funcional. a Sulamérica conta atualmente com 1.264 empregados sindicalizados e 41 dirigentes sindicais, sendo que 100% são representados por organizações sindicais.

2006 Colaboradores abrangidos por acordos de contratação coletiva 1.417

2007 1.356

2008 1.265

54

Sulamérica Relatório Anual 2008

CoMuniCaÇÃo interna

no processo de valorização dos colaboradores é fundamental uma boa gestão de comunicação interna. neste sentido, a SulAmérica mantém um fluxo permanente de comunicação com os seus colaboradores, por meio de um conjunto de veículos de comunicação, eletrônicos e impressos. o principal meio de comunicação é o Portal do Funcionário, intranet corporativa que traz várias informações sobre benefícios, treinamentos, programas de qualidade de vida, produtos da companhia, entre outros serviços.

A companhia também mantém em todas as suas dependências, painéis informativos com os principais destaques do Portal. além disso, são disponibilizados diversos canais onde o colaborador pode enviar suas dúvidas, críticas e sugestões, tais como:

Fale com Portal: Canal para envio de sugestões e críticas sobre matérias publicadas no Portal do Funcionário. Central de atendimento rH: ramal para tirar dúvidas sobre os serviços de rH e assuntos da sua vida funcional como vale-transporte, vale-refeição, contracheque, justificativa de freqüência, marcação de férias, pedido de declarações e outros. Fale CoM CoMPlianCe Fale CoM SeGuranÇa Fale CoM SeGuranÇa Da inForMaÇÃo reClaMaÇõeS De ClienteS Fale CoM o PreSiDente além destes canais, a companhia publica o Sulamérica online, boletim distribuído a todos os colaboradores, com o objetivo de trazer informações e ampliar o entendimento sobre os negócios e as iniciativas da organização.

55

Sulamérica Relatório Anual 2008

CaPital HuMano
ProGraMa De DiVerSiDaDe CorPoratiVa uMa oPortuniDaDe eSPeCial a Sulamérica mantém um programa para aproveitamento em suas equipes de profissionais portadores de necessidades especiais (Pne).

eSColHenDo a ProFiSSÃo o programa, que teve sua primeira edição em 2006, tem como objetivo contribuir para que os filhos de colaboradores possam fazer a opção mais acertada possível, no momento da escolha da sua profissão.

aDoleSCente Do SeGuro a Sulamérica criou o programa adolescente do Seguro, que em 2008 incluiu a contratação de aprendizes que realizam tarefas administrativas, e são preparados para desempenhar atividades profissionais, participando de cursos com uma abordagem interdisciplinar, sobre pró-atividade, ética, diversidade, preconceito, profissionalização, projeto de vida e outros assuntos.

56

Sulamérica Relatório Anual 2008

GoVernanÇa CorPoratiVa
MoDeloS e PrinCíPioS
PrátiCaS De GoVernanÇa CorPoratiVa e níVel 2 a Sul américa S.a. aderiu ao nível 2 de Práticas Diferenciadas de Governança Corporativa da BM&FBovespa em 12 de setembro de 2007 e teve seu registro de companhia aberta concedido pela Comissão de Valores Mobiliários – CVM em 3 de outubro de 2007, concluindo a oferta pública primária de distribuição de suas units em 12 de novembro de 2007. as units da companhia (BoVeSPa: Sula11) são negociadas na BM&FBovespa desde 5 de outubro de 2007 e integram as carteiras dos índices iGC (índice de ações com Governança Corporativa Diferenciada) e itaG (índice de ações com tag along Diferenciado).

SiSteMa De GoVernanÇa no âmbito da administração, o sistema de governança corporativa da Sulamérica , baseado nos princípios de transparência, equidade e prestação de contas, tem como principal instância de decisão o Conselho de administração e seus comitês de assessoramento, compostos por membros do Conselho e especialistas externos. o organograma ao lado apresenta as principais instâncias do sistema de governança corporativa da Sulamérica. aSSeMBlÉia Geral A Assembléia Geral reúne-se, ordinariamente, uma vez ao ano, dentro do período de quatro meses após o término do exercício social e, extraordinariamente, quando convocada pelo Conselho de administração, pelo Conselho Fiscal ou pelos acionistas, na forma da Lei. A Assembléia Geral, ordinariamente, toma as contas dos administradores, examina, discute e vota o relatório da administração e as demonstrações financeiras da companhia, aprova a destinação do resultado do exercício social, elege os membros do Conselho de Administração e fixa a remuneração dos administradores (Conselho de administração e Diretoria). extraordinariamente, a Assembléia Geral reúne-se sempre que necessário para decidir assuntos relevantes para a companhia que sejam de sua competência. 57 Sulamérica Relatório Anual 2008

GoVernanÇa CorPoratiVa
Segue a relação dos membros do Conselho de administração e dos Comitês de assessoramento aprovada em assembléia Geral ordinária realizada em 31 de março de 2009.

ConSelHo De aDMiniStraÇÃo o Conselho de administração da Sulamérica é composto por nove membros, podendo ser eleitos pela assembléia Geral até o mesmo número de suplentes, todos acionistas da companhia e com mandato unificado de um ano, admitida a reeleição. o Conselho de administração tem como missão contribuir para a proteção e valorização do patrimônio e para a perenidade da companhia, zelando pelo retorno do investimento dos acionistas, com base em uma perspectiva de longo prazo, sustentabilidade e adoção das melhores práticas de governança corporativa na definição dos negócios. atualmente, dentre os membros do Conselho de administração, dois são independentes.

CoMPoSiÇÃo:

++ Patrick antonio Claude de larragoiti lucas (presidente) ++ robert William Crispin (vice-presidente) ++ Carlos Jaime Muriel Gaxiola ++ isabelle rose Marie de Segur lamoignon ++ Joaquim de Mello Magalhães Júnior ++ Jorge Hilário Gouvêa Vieira ++ rony Castro de oliveira lyrio ++ Pierre Claude Perrenoud (conselheiro independente) ++ roberto teixeira da Costa (conselheiro independente) ++ arthur John Kalita (suplente)
Carlos alexandre larque lobo de Castro e Silva (suplente) Carlos infante Santos de Castro (suplente)

58

Sulamérica Relatório Anual 2008

GoVernanÇa CorPoratiVa
Desde 2007, o Conselho de administração vem adotando um programa de melhoria contínua, voltado ao aprimoramento de sua atuação e de sua contribuição para a definição da estratégia dos negócios da companhia. neste contexto, anualmente, seus membros participam de um processo de auto-avaliação e de avaliação do desempenho do próprio Conselho de administração como órgão colegiado, identificando e propondo ações que possam aperfeiçoar sua performance. em linha com as melhores práticas de governança corporativa, o conselho dispõe de um regimento interno que disciplina seu funcionamento e prevê medidas para evitar conflitos de interesses.

CoMitêS De aSSeSSoraMento Do ConSelHo De aDMiniStraÇÃo
CoMitê De auDitoria

o Comitê de auditoria é composto por seis membros e reúne-se ordinariamente a cada três meses. É sua função monitorar e avaliar as atividades das auditorias interna e externa, os riscos e controles internos, a adequação, transparência e qualidade técnica das informações contidas nos relatórios financeiros da companhia, bem como zelar pelo cumprimento do Código de Ética e de Compliance da Sulamérica, além de orientar o Conselho de administração na escolha dos auditores independentes e do diretor responsável pela auditoria interna.

CoMPoSiÇÃo:

++ rony Castro de oliveira lyrio (presidente) ++ Jorge Augusto Hirs Saab ++ Jorge Hilário Gouvêa Vieira ++ roberto teixeira da Costa ++ timothy Scott Mackenzie ++ Walter iorio

59

Sulamérica Relatório Anual 2008

GoVernanÇa CorPoratiVa
CoMitê De inVeStiMentoS integrado por cinco membros, o Comitê de investimentos reúne-se ordinariamente a cada três meses para avaliar e rever as diretrizes da política de investimentos da companhia e de suas controladas. também tem a tarefa de monitorar os resultados obtidos e avaliar o cenário e as tendências do mercado financeiro e a adoção das melhores práticas de controle de risco na gestão de investimentos.

CoMPoSiÇÃo:

++ Patrick antonio Claude de larragoiti lucas (presidente) ++ Carlos infante Santos de Castro ++ Domingos Carelli netto ++ Eric H. Anderson ++ Kevin Martins da Silva ++
CoMitê De reMuneraÇÃo

o Comitê de remuneração conta com quatro membros que se reúnem ordinariamente uma vez ao ano e, extraordinariamente, sempre que necessário para decidir assuntos relevantes de sua competência, e tem como objetivo assistir ao Conselho de administração na definição das políticas de remuneração dos administradores da companhia e suas controladas, buscando também manter-se permanentemente atualizado a respeito de práticas de remuneração adotadas pelo mercado, além de rever e monitorar a avaliação de desempenho dos administradores.

CoMPoSiÇÃo:

++ Patrick antonio Claude de larragoiti lucas (presidente) ++ Carlos Jaime Muriel Gaxiola ++ roberto teixeira da Costa ++ rony Castro de oliveira lyrio ++

60

Sulamérica Relatório Anual 2008

GoVernanÇa CorPoratiVa
CoMitê De GoVernanÇa e DiVulGaÇÃo

Composto por cinco membros, o Comitê de Divulgação, criado em maio de 2008, reúne-se ordinariamente a cada trimestre, com o objetivo de monitorar e supervisionar as determinações previstas na Política de Divulgação de ato ou Fatos relevantes e de negociação de Valores Mobiliários, assim como as obrigações estabelecidas no regulamento nível 2 adotado pela companhia.

CoMPoSiÇÃo:

++ Patrick antonio Claude de larragoiti lucas (presidente) ++ arthur Farme d’amoed neto ++ Kevin Martins da Silva ++ roberto teixeira da Costa ++ Sergio Antonio Borriello

CoMitê De GoVernanÇa e DiVulGaÇÃo

na assembléia Geral de 31 de março de 2009, o Conselho Fiscal foi instalado na companhia, em caráter não permanente, sendo composto por cinco membros, com as atribuições e competências que lhe são conferidas pela lei das Sociedades anônimas. o Conselho Fiscal se reúne a cada três meses e tem como principais atribuições verificar os resultados da companhia, o parecer dos auditores independentes e manifestar sua opinião acerca das Contas da administração.

CoMPoSiÇÃo:

++ Domingos Carelli netto ++ Jorge Augusto Hirs Saab ++ nelson BrauneSergio alfredo Diuana ++ Walter iorio

61

Sulamérica Relatório Anual 2008

GoVernanÇa CorPoratiVa
Diretoria eXeCutiVa

a Diretoria executiva da Sulamérica é composta pelo presidente da companhia, pelos onze vice-presidentes responsáveis pelas cinco áreas de negócios da companhia (Saúde, auto e Massificados, investimentos, outros ramos elementares, e Vida e Previdência) e pelas áreas de gestão compartilhada, institucional e operação e distribuição, além de 23 diretores.

órGÃoS DeliBeratiVoS internoS

A Diretoria Executiva da companhia conta, para melhor desempenhar suas atribuições, com os órgãos deliberativos internos que estão descritos nas próximas páginas. Composto por treze membros, o Comitê executivo reúne-se ordinariamente a cada mês, com o objetivo de apreciar e decidir sobre assuntos corporativos e estratégicos para a companhia.

CoMPoSiÇÃo:

++ Patrick antonio Claude de larragoiti lucas ++ arthur Farme d’amoed neto ++ Carlos alberto de Figueiredo trindade Filho ++ Carlos eduardo almeida ++ Carlos infante Santos de Castro ++ Gabriel Portella Fagundes Filho ++ luis otavio Saliba Furtado ++ Marcelo Pimentel Mello ++ oswaldo Mario azevedo

62

Sulamérica Relatório Anual 2008

GoVernanÇa CorPoratiVa
CoMitê De GeStÃo De atiVoS e PaSSiVoS (aSSet-liaBility ManaGeMent CoMMittee - alCo)

o alCo conta com seis membros que se reúnem ordinariamente quatro vezes por ano, e tem como objetivo monitorar a exposição a risco da SulAmérica e avaliar estratégias relacionadas com a gestão de ativos e passivos para atingir seus objetivos financeiros. CoMPoSiÇÃo:

++ Patrick antonio Claude de larragoiti lucas ++ Daniel Almeida ++ Jorge Manuel euclides noronha ++ Leopoldo Barretto ++ Marcelo Pimentel Mello ++ Sergio Antonio Borriello

CoMitê De GeStÃo De atiVoS e PaSSiVoS (aSSet-liaBility ManaGeMent CoMMittee - alCo)

integrado por sete membros, o Comitê de avaliação de Planos de ação reúne-se ordinariamente a cada mês para avaliar e aprovar projetos propostos pelas vice-presidências da companhia que impliquem em investimentos (CaPeX) ou Despesas adicionais (oPeX) superiores a limites de materialidade pré-estabelecidos. CoMPoSiÇÃo:

++ Patrick antonio Claude de larragoiti lucas ++ Alexandre Montello ++ luis otavio Saliba Furtado ++ Luis Heming ++ Marcus Vinicius L. Martins ++ Maria Helena Monteiro ++ Sergio Antonio Borriello ++ evandro Duarte de abreu (secretário)

63

Sulamérica Relatório Anual 2008

GoVernanÇa CorPoratiVa
CoMitê De riSCoS

Composto por três membros permanentes, o Comitê de riscos reúne-se ordinariamente a cada mês, com o objetivo de avaliar políticas de gestão de risco e examinar os limites a serem observados nas operações da companhia, subsidiando a gestão estratégica de riscos da companhia. CoMPoSiÇÃo:

++ Patrick antonio Claude de larragoiti lucas ++ Jorge Manuel euclides noronha ++ Sergio Antonio Borriello

MeMBroS CoM FunÇõeS eSPeCíFiCaS:

++ Carlos almeida - resseguro e retenção ++ Cassia Souza - risco de compliance e operacional ++ Cristina Shinohara - risco de crédito ++ Karin Gortz - risco de mercado

reMuneraÇÃo DoS aDMiniStraDoreS

a remuneração global dos membros do Conselho de administração e da Diretoria é fixada pela assembléia Geral, devendo o Conselho de administração atribuir os honorários mensais dos membros do Conselho de Administração e da Diretoria. os membros da diretoria participam de um programa de remuneração variável que visa promover o maior interesse e alinhamento de seus objetivos com os da companhia. o programa prevê a fixação de metas anuais por meio de contrato de gestão, cujo alcance constitui base para atribuição de verbas individuais de remuneração variável. o programa contempla também a avaliação subjetiva dos participantes, por seus superiores, pares e subordinados, num amplo processo de avaliação 360º. Além disso, desde março de 2008, a companhia adota um plano de opção de compra de ações de emissão da Sul américa S.a., como parte da remuneração variável dos seus diretores executivos, com o objetivo de estimular seu comprometimento com a expansão, o êxito e a realização dos objetivos sociais da companhia, alinhando o interesse de acionistas e administradores.

64

Sulamérica Relatório Anual 2008

GoVernanÇa CorPoratiVa
MelHoreS PrátiCaS De GoVernanÇa CorPoratiVa Dentre as melhores práticas de governança corporativa relacionadas ao regulamento nível 2 e recomendadas pelo instituto Brasileiro de Governança Corporativa - iBGC, destacamos a adoção das seguintes pela SulAmérica: incentivo à participação dos acionistas nas assembléias Gerais, através da disponibilização dos documentos relacionados às matérias da ordem do dia e realização de assembléias em horários e locais que permitam a presença do maior número possível de acionistas. além disso, a partir de 2009, em linha com as melhores práticas de governança corporativa, a companhia disponibilizou um manual contendo orientações para participação em assembléias gerais; Vedação da utilização de informações privilegiadas e adoção de Política de Divulgação de ato ou Fatos relevantes e de negociação de Valores Mobiliários, para a qual a companhia mantém extensivo programa de adesão. esta política disciplina os procedimentos a serem adotados na divulgação ou manutenção do sigilo de informações relevantes, garantindo a divulgação de informações completas e tempestivas ao mercado, assegurando igualdade e transparência no acesso às mesmas; Previsão estatutária de mecanismos para manutenção da dispersão de ações, visando a liquidez dos títulos; eleição de conselheiros com conhecimento de questões operacionais e financeiras e experiência prévia em participação em outros conselhos de administração; adoção de comitês de assessoramento ao Conselho de administração compostos pelos próprios conselheiros e por outros profissionais com renomada experiência; Disponibilização a todos os acionistas dos termos do acordo de acionistas arquivado na sede de nossa companhia; Previsão estatutária de 20% de conselheiros independentes e mandato unificado de um ano, sendo permitida a reeleição; Disponibilização de balanço anual seguindo as normas internacionais a partir da divulgação das demonstrações financeiras referentes ao segundo exercício após a assinatura do Contrato de Práticas Diferenciadas de Governança Corporativa nível 2; Extensão para todos os acionistas detentores de ações ordinárias e preferenciais das mesmas condições obtidas pelos controladores quando da venda do controle da companhia (tag-along de 100%), enquanto o regulamento nível 2 exige, no caso das ações preferenciais sem direito a voto ou com voto restrito, um valor de apenas 80% daquele oferecido aos detentores de ações ordinárias; Concessão de direito de voto às ações preferenciais em matérias sensíveis, como transformação, incorporação, cisão e fusão da companhia e aprovação de contratos entre a companhia e companhias do mesmo grupo; obrigatoriedade de realização de oferta para compra de todas as ações em circulação, pelo valor econômico, nas hipóteses de fechamento do capital ou de cancelamento do registro de negociação no nível 2 de Práticas Diferenciadas de relações com investidores a área de relações com investidores da Sulamérica tem como principal público acionistas, profissionais de investimentos, mídia especializada em finanças e os acadêmicos que estudam o mercado financeiro e de capitais. Buscando a transparência e a qualidade das informações divulgadas ao mercado, a área de relações com investidores tem atuado junto ao seu principal público, contribuindo para uma melhor avaliação da companhia e do setor.

65

Sulamérica Relatório Anual 2008

GoVernanÇa CorPoratiVa um sistema de comunicação permanente e acessível, composto de vários canais, mantém os acionistas e investidores atualizadoscom as informações mais recentes sobre a Sulamérica. a companhia possui um website (www.sulamerica.com.br/ri) e também são realizadas visitas, conferências e apresentações em diversos mercados no mundo. Em 2008, a companhia participou de mais de 20 eventos, entre conferências e reuniões com investidores no Brasil e no exterior, mais de 240 reuniões no formato “one-on-one” no Brasil e cerca de 170 no exterior. a Sulamérica também realizou oito teleconferências de resultados, quatro em português e quatro em inglês, e também promoveu sete reuniões públicas com analistas e investidores do mercado de capitais (aPiMeCs).

PrinCíPioS releVanteS Para a atuaÇÃo Da CoMPanHia
ViSÃo “Ser a melhor empresa nos mercados em que atua, estando sempre entre as mais competitivas e rentáveis.”

MiSSÃo “assegurar proteção financeira e tranqüilidade aos nossos clientes, superando expectativas.” ValoreS

++ Buscamos sempre os melhores resultados ++ Cumprimos o que prometemos ++ Somos acessíveis e dinâmicos ++ Vocação para servir ++ Valorizamos o trabalho em equipe ++ trabalhamos com Ética e responsabilidade Social

66

Sulamérica Relatório Anual 2008

GoVernanÇa CorPoratiVa
CóDiGo De ÉtiCa a Sulamérica conduz seus negócios dentro dos mais elevados padrões éticos e morais, entendendo que seus administradores e funcionários, independentemente de seus níveis hierárquicos, são responsáveis pelo cumprimento deste objetivo. Para tanto, desde 2001, a companhia observa e faz observar seu Código de Ética, que estabelece as normas que devem pautar a conduta de seus colaboradores no relacionamento interno e externo, cabendo a todos zelar para que o código seja amplamente divulgado e adequadamente cumprido. o Código de Ética da Sulamérica é entregue a todos os colaboradores no ato de sua admissão e encontra-se disponível para consulta no Portal do Funcionário e no site de relações com investidores da companhia. ControleS internoS e CoMPlianCe a Sulamérica dissemina a cultura de controles, enfatizando os princípios éticos e o estrito atendimento à legislação. Cada colaborador da companhia é um agente de controle ao qual cabe a responsabilidade de zelar pelos controles internos e contribuir para o seu aperfeiçoamento, sempre considerando os custos e benefícios envolvidos, os aspectos críticos, os riscos e as eventuais fragilidades dos processos da sua área. Desde 2004, a Sulamérica possui um amplo programa com o objetivo de assegurar o cumprimento de leis e regulamentos aplicáveis às atividades da companhia, bem como códigos e normas internos. o Código de Compliance é parte integrante deste programa e reúne as diretrizes a serem observadas pelos administradores e colaboradores da SulAmérica no desempenho de suas funções, conforme termo de adesão assinado por todos, e ressalta os princípios éticos e os padrões de conduta que devem ser adotados. além disso, a companhia desenvolve campanhas, treinamentos, eventos e workshops direcionados aos seus clientes, corretores, parceiros e funcionários, para fortalecer uma cultura de prevenção a fraudes. a Sulamérica dispõe ainda de um canal de comunicação para registro de situações que estejam em desacordo com as diretrizes do Programa legal Compliance através do qual podem ser enviadas mensagens para as áreas de Compliance, auditoria interna e Combate às Fraudes. auDitoria interna a auditoria interna tem como atribuição avaliar a adequação e eficiência da estrutura, do processamento e do controle dos produtos e serviços da companhia, recomendando ações e monitorando sua implementação como parte do gerenciamento de riscos. além disso, a auditoria interna estabelece mecanismos para minimizar sanções legais e regulatórias, perda financeira ou risco de reputação, através do estabelecimento de uma sólida cultura de controles, do cumprimento da aplicação de normas, das boas práticas de mercado e do gerenciamento integrado de riscos, atuando, inclusive no desenvolvimento de ações preventivas de combate à fraude. a principal ferramenta com que a auditoria interna conta é o Código Compliance da Sulamérica.

67

Sulamérica Relatório Anual 2008

GoVernanÇa CorPoratiVa ouViDoria Criada em janeiro de 2005, a ouvidoria atua em conformidade com os valores da Sulamérica, intermediando relações de conflitos entre os consumidores e a companhia. os principais objetivos da ouvidoria são não só atuar com relação aos direitos dos clientes, mas também no esclarecimento de seus deveres, buscando, ainda, a melhoria de processos e produtos por meio da análise dos casos recebidos, minimizando desta forma, o risco de perdas decorrentes de processos da Superintendência de Seguros Privados - SuSeP, Banco Central do Brasil – BaCen, Comissão de Valores Mobiliários – CVM, agência nacional de Saúde Suplementar - anS ou judiciais. auDitoria eXterna Deloitte touche tohmatsu auditores independentes é a empresa de auditoria independente contratada pela companhia para prestar serviços de auditoria externa relacionados ao exame das demonstrações financeiras. A SulAmérica procura manter um diálogo transparente como base para um relacionamento consistente, ético e sustentável com todos os públicos envolvidos direta e indiretamente em suas operações (stakeholders), procurando identificar suas necessidades e expectativas no desenvolvimento das atividades da companhia. Para tanto, a companhia utiliza os diversos canais de comunicação existentes com as partes interessadas como subsídios no planejamento de suas iniciativas. ParteS intereSSaDaS a Sulamérica passou a adotar, em 2008, um novo manual de Comunicação Corporativa, para unificar o discurso da companhia e tornar sua comunicação com os stakeholders mais ágil e transparente.

++ Acionistas ++ Clientes ++ Colaboradores ++ Fornecedores ++ Governo ++ Sociedade ++ Canais de Comunicação a Sulamérica dispõe de vários canais de comunicação para que seus stakeholders possam esclarecer dúvidas e enviar críticas e sugestões: Fale com o Presidente neste canal os colaboradores podem esclarecer suas dúvidas com o presidente, Patrick larragoiti lucas, relativas a missão, visão e valores.

reClaMaÇõeS De ClienteS Canal para os colaboradores registrarem as reclamações dos clientes externos da Sulamérica (amigos, conhecidos, parentes etc) a fim de facilitar a resolução de problemas.

68

Sulamérica Relatório Anual 2008

Fale ConoSCo (uniVerSaS) Para os colaboradores enviarem dúvidas, sugestões e críticas sobre os treinamentos disponibilizados.

Fale CoM CoMPlianCe os colaboradores são orientados a acessar o Fale com Compliance, canal para envio de denúncias caso identifiquem qualquer situação que esteja em desacordo com as diretrizes do Programa legal Compliance. neste espaço, podem enviar mensagens para o Departamento de Compliance, auditoria interna e Combate às Fraudes, com total sigilo.

Fale CoM ri A fim de facilitar a comunicação com seus acionistas e investidores, a SulAmérica mantém em seu portal uma sessão onde publica relatórios financeiros, comunicados e fatos relevantes, além de informações a respeito da companhia.

CentraiS De atenDiMento A SulAmérica desenvolveu um sistema de atendimento exclusivo a portadores de necessidades especiais de audição e fala (todos os produtos) e segmentou o atendimento aos seus clientes em função do serviço prestado (automóvel, Massificados e outros ramos elementares, investimentos, Previdência, Saúde e Vida). além desses canais, em 2008 foram implementadas diversas iniciativas que visam agregar na comunicação segmentada, com destaque para o novo portal institucional e para o lançamento da plataforma Sulamérica. Com Você. o novo portal foi totalmente redesenhado com foco na segmentação, oferecendo conteúdo relevante e dirigido para os diversos públicos com ganho no relacionamento com clientes, corretores e prestadores com a Sulamérica. Já a plataforma Sulamérica.Com Você foi lançada com o objetivo de fortalecer a presença digital da Sulamérica nos meios interativos, com destaque para as comunidades e redes sociais, trazendo ganho efetivo no relacionamento com os stakeholders, promovendo assim inovação para o mercado segurador.

69

Sulamérica Relatório Anual 2008

GoVernanÇa CorPoratiVa atiViDaDeS reGulaDaS A SulAmérica mantém relacionamento com os seguintes órgãos e agências reguladoras no desenvolvimento de suas atividades procurando participar de audiências públicas com o intuito de contribuir para a elaboração de normas e obter esclarecimentos:

++ Comissão de Valores Mobiliários – CVM ++ Superintendência de Seguros Privados - SuSeP ++ agência nacional de Saúde Suplementar - anS ++ Banco Central do Brasil – BaCen ++ Conselho nacional de Seguros Privados - CnSP ++ instituto de resseguros do Brasil – irB ++ Conselho de recursos do Sistema nacional de Seguros Privados – CrSnSP ++ Conselho nacional de autorregulamentação Publicitária – Conar além disso, a Sulamérica participa de entidades representativas como: instituto Brasileiro de relações com investidores (iBri), associação Brasileira das Companhias abertas (aBraSCa), associação dos investidores e analistas do Mercado de Capitais - aPiMeC, associação Brasileira das Companhias abertas (abrasca), Federação nacional das empresas de Seguros Privados e de Capitalização (Fenaseg), Federação nacional de Previdência (Fenaprevi), Federação nacional de Saúde (Fenasaúde), Federação nacional de Capitalização (Fenacap), Federação nacional de Seguros (Fenseg) e associação Brasileira de anunciantes (aBa).

70

Sulamérica Relatório Anual 2008

MerCaDo De CaPitaiS
PerForManCe DaS unitS as units da Sul américa S.a. são negociadas desde 5 de outubro de 2007 na BM&FBoVeSPa pelo código Sula11. Cada unit (certificado de depósito de ação) representa uma ação ordinária e duas ações preferenciais de emissão da companhia. a Sul américa S.a. aderiu ao nível 2 de Práticas Diferenciadas de Governança Corporativa em 12 de setembro de 2007. as units da companhia integram a carteira do itaG (índice de ações com tag along Diferenciado) e o iGC (índice de ações com Governança Corporativa Diferenciada). Desde o início de sua negociação, em 5 de outubro de 2007, até o encerramento do exercício de 2008, a cotação das units da Sulamérica, Sula11, apresentou uma variação negativa de 48,39%. o ibovespa, no mesmo período, registrou variação negativa de 37,84%. o volume financeiro médio diário, excetuado o primeiro dia de negociações, foi de r$ 3.072 mil, com uma média de 102 negócios. a companhia possuía no final do exercício 37,3% de suas ações em circulação.

CoMPoSiÇÃo Do CaPital – DeZeMBro 2008 SulaSaPar inG aDMiniStraDoreS e aCioniStaS VinCulaDoS Free Float 33% 21% 9% 37%

Free Float Por tiPo De aCioniSta: local estrangeiro 40,5% 59,5% 100% Pessoa Física Pessoa Jurídica 26,2% 73,8% 100%

71

Sulamérica Relatório Anual 2008

MerCaDo De CaPitaiS o valor de mercado da companhia, estimado com base na cotação de fechamento da unit (Sula11) de r$16,00 em 30 de dezembro de 2008, era de r$ 1,4 bilhões.

Dez/07 P1/B lucro/unit (1) lucro/ação (2) Preço máximo (3) Preço mínimo (3) Preço médio (3) 1,45 3,4236 1,1412 r$ 32,00 r$ 27,94 r$ 30,30

Dez/08 0,66 4,4420 1,4807 r$ 34,95 r$ 13,00 r$ 24,75

(1) Cotação de fechamento do último pregão do ano. (2) a quantidade de ações em Dez/07 era de 281.295.931. Já em Dez/08, esta quantidade foi de 280.913.431 ações. (3) Para Dez/07 foi utilizado o período do dia 04/out/07 a 28/Dez/07. Para Dez/08 foi utilizado o período do dia 02/Jan/08 a 30/Dez/08.

em 20 de junho de 2008, a Sulamérica anunciou a contratação do Banco uBS Pactual S.a. para atuar como formador de mercado de suas units, visando incrementar sua liquidez. em 7 de outubro de 2008, o Conselho de administração da Sul américa S.a. aprovou programa de recompra de ações da companhia para manutenção em tesouraria e posterior utilização em seu Plano Geral de opção de Compra de ações. a administração da Sulamérica acredita que tal operação é conveniente e atende aos interesses dos acionistas, tendo em vista a cotação vigente para suas units e suas perspectivas de crescimento e rentabilidade, bem como a existência de reservas disponíveis, nos termos da instrução CVM nº 10. o programa prevê que poderão ser adquiridas até 1.052.636 units, correspondendo a 3% das units em circulação no mercado e a aproximadamente 1,1% do total de ações de emissão da Companhia em 29 de setembro de 2008. o prazo para aquisição é de até 365 dias contados da data do fato relevante, divulgado em 7 de outubro de 2008. a companhia distribuiu dividendos relativos ao exercício social findo em 31 de dezembro de 2008 no montante de r$103,9 milhões, que correspondem a 25,0% do lucro líquido do exercício.

72

Sulamérica Relatório Anual 2008

GeStÃo De riSCoS a atividade de aceitação de riscos é uma parte essencial do negócio da Sulamérica. Para assegurar que aceitação desses riscos seja feita consistentemente e alinhada aos objetivos estratégicos do grupo, a companhia criou uma política de gestão de riscos corporativos que se concentra em cinco aspectos principais: 1. Gerenciar as incertezas inerentes ao alcance dos objetivos; 2. Buscar oportunidades, visando à obtenção de vantagem competitiva e aumento do valor para o acionista; 3. alinhar os limites para aceitação de risco pela organização com as estratégias adotadas; 4. otimizar as decisões baseadas nos riscos e prover melhorias de alocação de capital. Para definir as estratégias da Gestão Corporativa de riscos foi criado um Comitê de riscos Corporativos formado pelos seguintes membros permanentes: Presidente, Vice-Presidente de Controle e operações Financeiras e Diretor de riscos. o Comitê de riscos Corporativos é um fórum colegiado, com a visão integrada dos riscos da companhia, bem como da interdependência entre as várias categorias de riscos. DeFiniÇÃo De reSPonSaBiliDaDeS Da GeStÃo De riSCoS CorPoratiVoS o Conselho de administração executa importante atividade de supervisão do Gerenciamento de riscos da organização, estando ciente e de acordo com os limites de aceitação de riscos pela organização. o presidente tem a responsabilidade de periodicamente rever junto ao Comitê de riscos Corporativos, as estratégias globais dos negócios, para entender e administrar os riscos relevantes da companhia, fixando níveis aceitáveis para esses riscos. esse direcionamento é repassado para as Vice-Presidências, que deverão apoiar a filosofia da gestão de riscos, administrando-os dentro de suas esferas de responsabilidades. Esse apoio possibilitará que os demais níveis gerenciais conheçam e utilizem a tolerância aos riscos de acordo com as políticas e normas estabelecidas. DeSCriÇÃo DoS riSCoS o Gerenciamento de riscos Corporativos na Sulamérica abrange as seguintes categorias de riscos: operacional, Crédito, Mercado, Subscrição, estratégico, legal e Compliance. o detalhamento desses riscos está disponível no Dicionário de risco da companhia. riSCo oPeraCional É o risco de perdas resultantes de falha, deficiência ou inadequação de processos internos, pessoas e sistemas inadequados, ou de eventos externos. a Sulamérica dissemina a cultura de controles, enfatizando os princípios éticos e o estrito atendimento à legislação. Cada colaborador da companhia é um agente de controle ao qual cabe a responsabilidade de zelar pelos controles internos e contribuir para o seu aperfeiçoamento, sempre considerando os custos e benefícios envolvidos, os aspectos críticos, os riscos e as eventuais fragilidades dos processos da sua área. riSCo De CrÉDito É o risco de um devedor ou tomador deixar de cumprir os termos de qualquer contrato com a companhia ou deixar de cumprir o que foi acordado. Com relação ao risco de recebimentos dos prêmios, a política de crédito considera as peculiaridades das operações de seguros, e é orientada de forma a manter a flexibilidade exigida pelas condições de mercado e pelas necessidades dos clientes. A companhia mantém um plano de alçadas para as operações de aceitação dos riscos e emissão das respectivas apólices de seguros. Esse plano contempla também a análise do histórico de crédito do cliente e a exposição ao risco de cada operação. 73 Sulamérica Relatório Anual 2008

GeStÃo De riSCoS
Já em relação à exposição ao risco de crédito oriundo das aplicações financeiras, os limites são estabelecidos através de um Comitê de Crédito. Resumidamente, os critérios para exposição de crédito adotados pela companhia são os seguintes: a) títulos Públicos Federais: até 100% b) títulos Públicos estaduais e Municipais: 0% c) empresas não-financeiras (títulos corporativos): é adotada uma metodologia baseada na análise de aspectos quantitativos e qualitativos. Como decorrência dessa análise, é determinado um “Score” - a, B ou C (“rating” interno). Baseado no “Score” obtido é estabelecido um limite de crédito. esse limite de crédito será utilizado para limitar a exposição máxima a títulos de emissão de uma determinada empresa não financeira. d) instituições financeiras: é adotada uma metodologia baseada na análise de aspectos quantitativos e qualitativos. Como decorrência dessa análise, é determinado um “Score” - a, B ou C (“rating” interno). Baseado no “Score” obtido é estabelecido um limite de crédito e de prazos máximos de risco para compra de papéis emitidos por instituições financeiras. os limites de exposição a risco de crédito, além de estarem em consonância com os limites estabelecidos pela resolução do Conselho Monetário nacional nº 3.308 de agosto de 2005, possuem limites máximos definidos nos mandatos de investimento e são monitorados regularmente sendo avaliados de forma consolidada. riSCo De MerCaDo É o risco de que o valor de um instrumento financeiro ou de uma carteira de instrumentos financeiros se altere, em virtude da volatilidade das variáveis existentes no mercado (taxa de juros, taxa de câmbio, ações, commodities e etc.), causada por fatores adversos, políticos ou outros. a companhia busca reduzir esses impactos através da elaboração de mandatos de investimento estabelecidos individualmente para cada uma das controladas. nesses mandatos são considerados aspectos tais como: perfil de negócio de cada entidade legal, estudos atuariais e aspectos de liquidez. adicionalmente, são estabelecidos de forma consolidada limites máximos de Var (Value at risk), e é realizada a análise de cenários alternativos conhecidos como “stress testing”. São avaliados também os prazos de maturidade e duration nos quais cada ativo pode estar alocado. Diariamente, a carteira dos fundos é monitorada visando garantir que os limites e enquadramentos definidos sejam respeitados. o conceito de Var tem como objetivo, quantificar qual a perda esperada em um prazo específico dentro de um intervalo de confiança. É denominado Var paramétrico por utilizar dois parâmetros para ser quantificado: volatilidade e correlação. a metodologia de Value at risk (Var) paramétrico utiliza nível de confiança de 95% e fator de decaimento (lambda) de 0,93, o que significa dizer, que 120 janelas de retornos passados são utilizados no cálculo do Var atribuíndo-se ponderação maior para os retornos mais recentes. o Stress test efetua uma análise de sensibilidade e consiste em recalcular o valor da carteira para alguns cenários, ou combinação deles, representativos de situações de crises ou choques nos mercados que afetam a carteira. o objetivo é estabelecer valores críticos para o “Value-at-risk” a partir de cenários macroeconômicos conforme parâmetros de stress test divulgados pela BM&FBoVeSPa. riSCo De SuBSCriÇÃo É o risco oriundo de uma situação econômica adversa que contraria as expectativas da companhia no momento da elaboração de sua política de subscrição tanto no que se refere às incertezas existentes nas premissas 74 Sulamérica Relatório Anual 2008

GeStÃo De riSCoS atuariais e financeiras, quanto na constituição das provisões técnicas. no final de 2006, a Superintendência de Seguros Privados (SuSeP) divulgou novas regras de capital mínimo (resolução nº 155 e 158) para o mercado brasileiro. estas novas regras estão alinhadas aos padrões internacionais de solvência e colocam o Brasil no caminho dos países mais desenvolvidos no assunto. em dezembro de 2007, a Susep lançou a resolução nº 178 e a Circular nº 355, modificando as resoluções nº 155 e 158, aumentando o prazo de adequação do capital mínimo de três para quatro anos e tornando mais ameno os percentuais para a integralização do capital para enquadramento. além disso, houve a atualização dos fatores de risco e as matrizes de correlações dos riscos de subscrição, e o resultado foi um menor capital necessário comparado ao que utilizou os parâmetros anteriores. a Sulamérica, antecipando-se a esta resolução e atendendo às recomendações da SuSeP, concluiu durante o ano de 2007 a construção do seu modelo interno para gerenciamento dos riscos de subscrição. esse modelo é atualizado anualmente. riSCo eStratÉGiCo É o risco de perdas resultantes de processos ou tomada de decisões que impactem a sustentabilidade, o crescimento ou a obtenção de vantagem competitiva da SulAmérica. riSCo leGal e De CoMPlianCe É o risco de perdas resultantes do não cumprimento de leis/regulamentações, perda de reputação e má formalização de operações. Desde 2006 a Sulamérica implantou uma Diretoria Jurídica que cuida especificamente das questões inerentes aos riscos legais. A companhia monitora suas perdas potenciais decorrentes da violação da legislação, de contratos pouco claros ou mal documentados, da qualidade de aplicação da lei e da criação de novos tributos (ou da reinterpretação dos existentes). a Sulamérica dispõe de um amplo programa desenvolvido com o objetivo de assegurar o cumprimento de leis e regulamentos aplicáveis às atividades da companhia, bem como códigos e normas internos. o Código de Compliance é parte integrante deste programa e reúne as diretrizes a serem observadas pelos administradores e colaboradores da SulAmérica no desempenho de suas funções, conforme termo de adesão assinado por todos, e ressalta os princípios éticos e os padrões de conduta que devem ser adotados. além disso, a companhia desenvolve campanhas, treinamentos, eventos e workshops direcionados aos seus clientes, corretores, parceiros e colaboradores, para fortalecer uma cultura de prevenção a fraudes. a Sulamérica dispõe ainda de um canal de comunicação para registro de situações que estejam em desacordo com as diretrizes do Programa legal Compliance através do qual podem ser enviadas mensagens para as áreas de Compliance, auditoria interna e Combate às Fraudes. além disso, a companhia desenvolve campanhas, treinamentos, eventos e workshops direcionados aos seus clientes, corretores, parceiros e colaboradores, para fortalecer uma cultura de prevenção a fraudes. a Sulamérica dispõe ainda de um canal de comunicação para registro de situações que estejam em desacordo com as diretrizes do Programa legal Compliance através do qual podem ser enviadas mensagens para as áreas de Compliance, auditoria interna e Combate às Fraudes.

75

Sulamérica Relatório Anual 2008

SuStentaBiliDaDe a Sulamérica acredita que o social e o ambiental precisam estar presentes na gestão e nas atitudes tomadas diariamente. o conceito que norteia a ação da companhia alinha-se à definição de sustentabilidade traçada em 1987 pela Comissão Mundial sobre Meio ambiente e Desenvolvimento, criada pela onu (organização das nações unidas): “o desenvolvimento sustentável é aquele que atende às necessidades do presente sem comprometer a possibilidade de as gerações futuras atenderem às suas próprias necessidades”. A companhia busca o desenvolvimento sustentável através de um conjunto de ações voltadas à redução de problemas de ordem econômica, ambiental e social, que contam com a participação voluntária e o apoio de seus colaboradores, estimulando a cidadania corporativa. Essas ações são demonstradas pela ética nos negócios, pelo relacionamento cordial e transparente com seus stakeholders e pela busca do crescimento com rentabilidade, que proporcione a geração de empregos diretos e indiretos e contribua para o desenvolvimento econômico do país.

iniCiatiVaS SoCiaiS e CulturaiS
ProJeto PraÇaS Da PaZ SulaMÉriCa em 2007, a Sulamérica organizou, em conjunto com o instituto Sou da Paz, um projeto inovador para disseminação de práticas de incentivo à cidadania. Fundado em 1999, o instituto Sou da Paz tem como missão contribuir para a efetivação no Brasil de políticas públicas de segurança e prevenção da violência que sejam eficazes e pautadas pelos valores da democracia, da justiça social e dos direitos humanos. Com o objetivo de promover estes valores em áreas vulneráveis de São Paulo, a Sulamérica e o instituto Sou da Paz lançaram o Praças da Paz Sulamérica, um projeto social voltado para a revitalização de praças públicas e a promoção de atividades culturais e esportivas, a partir do envolvimento comunitário. a proposta busca melhorar a estrutura física de praças públicas em regiões periféricas, com altos índices de vulnerabilidade juvenil e com pouca opção de cultura e lazer. a expectativa da Sulamérica e do instituto Sou da Paz é de que este processo contribua para a prevenção da violência, uma vez que, revitalizadas com a participação e o envolvimento da comunidade, as praças passam a representar espaços públicos de convivência seguros, que são zelados pelos próprios moradores. Quadras, parquinho infantil, bancos e mesas, espaços cobertos, palcos e áreas para apresentações culturais são algumas das funcionalidades dessas praças. 76 Sulamérica Relatório Anual 2008

o projeto tem duração de quatro anos, nos quais a Sulamérica investirá cerca de r$ 2,5 milhões na revitalização das praças. toda a sua execução está orientada pela perspectiva da autonomia das comunidades na condução da proposta após o término do projeto. ao longo dos quatro anos, a tendência é de que a presença do instituto e da Sulamérica diminua gradativamente, à medida que os moradores do entorno intensificam sua participação – em ações de cuidado e investimento nas praças. o Projeto Sulamérica Praças da Paz envolve também os colaboradores da Sulamérica, integrando-os ao programa de voluntariado. Estão sendo desenvolvidas atividades com o intuito de aproximar e construir parcerias entre esses funcionários e as comunidades contempladas pelo projeto. nos meses de novembro e dezembro de 2008, foram inauguradas três praças em regiões necessitadas na cidade de São Paulo, Chácara Sonho azul, no distrito de Jardim Ângela, na zona sul, Vila iolanda i, no distrito do lajeado, zona leste da cidade e Jardim tereza / Jardim eliza Maria, na Brasilândia, zona norte de São Paulo. as novas praças contam com nova iluminação, pistas de bocha e de skate, quadra poliesportiva, parque infantil e área verde, tudo escolhido pelos moradores locais. CoMitê SoliDário a Sulamérica possui um Comitê Solidário que atua de forma determinante nas campanhas organizadas pela companhia. Criado para melhorar ainda mais os resultados das ações sociais, o Comitê é formado por cerca de 200 participantes, lotados em diversas unidades, que participaram de várias campanhas ao longo de 2008. CaMPanHa De DoaÇÃo De SanGue realizada nas unidades de São Paulo, rio de Janeiro e Belo Horizonte, com a participação dos colaboradores que, conscientes da carência de bolsas de sangue nos hospitais públicos, salvam outras vidas doando sangue. uma vez ao ano, bancos especializados trazem todo equipamento e pessoal técnico e a Sulamérica oferece a infra-estrutura para que seja realizada a coleta. no rio de Janeiro o parceiro é Banco de Sangue do Hospital universitário Clementino Fraga Filho (Hemocentro), em São Paulo o Centro de Hematologia, e em Belo Horizonte a Fundação Hemominas. CaMPanHa Do aGaSalHo e DoaÇÃo De aliMentoS iniciada em 2005, a campanha do agasalho e de doação de alimentos é realizada anualmente e já arrecadou mais de 11.000 mil peças de roupas e cobertores e 70.000 quilos de alimentos. os colaboradores participam arrecadando também material de higiene e limpeza, beneficiando mais de 110 instituições sociais em todo o Brasil. CaMPanHa De DoaÇÃo De BrinQueDoS a campanha acontece anualmente no mês de setembro para que as crianças carentes recebam os brinquedos até o Dia das Crianças. todas as doações são realizadas pelos colaboradores, que contribuem doando brinquedos novos ou usados, mas em bom estado, a 40 instituições indicadas pela Sulamérica.

77

Sulamérica Relatório Anual 2008

SuStentaBiliDaDe
CaMPanHa De DoaÇÃo De reCiPienteS Para leite Materno a Sulamérica contribui para o Banco de leite do instituto Fernandes Figueira (Fiocruz), fornecendo recipientes para acondicionar leite materno doado por voluntárias. CaMPanHa De PreVenÇÃo a DenGue a Sulamérica realiza uma campanha educativa e informativa, divulgando matérias sobre o perigo da dengue, para que os colaboradores aprendam a prevenir a doença no período em que há maior propagação do mosquito. aPliCaÇÃo De Flúor em todo Brasil, 26 instituições receberam mais de quatro mil kits de higiene bucal contendo pasta, escova de dente e fio dental. Dentre elas, 13 também receberam a visita de profissionais de saúde que orientaram pais e crianças sobre a importância da higiene bucal. a campanha beneficiou mais de 2.300 pessoas. SoS Santa Catarina Em apenas duas semanas de campanha, a SulAmérica conseguiu arrecadar mais de 20.000 itens entre roupas, cobertores, alimentos não-perecíveis, água potável e material de higiene pessoal para as vítimas das enchentes no estado de Santa Catarina. todas as sucursais e núcleos de atendimento ao Corretor colaboraram com a campanha. as doações foram encaminhadas à Defesa Civil daquele estado. aÇÃo SoCial De natal o Comitê Solidário mobilizou colaboradores do rio de Janeiro para ‘apadrinharem’ 386 crianças nas instituições Casa do Pai, ação Bem Querer, Projeto Social e Cultural da Matriz, Celebrando a Vida e oficina da Vida. Cada criança recebeu calçados, roupas, brinquedos, produtos alimentícios e material escolar. CruZaDa Do Menor Desde 1996, a Sulamérica desenvolve um trabalho em parceria com o onG Cruzada do Menor, com jovens que não têm acesso ao mercado de trabalho. a Cruzada vai à comunidade, capacita e ministra cursos básicos para os adolescentes. Ao término do curso, a SulAmérica tem acesso a um banco de dados com informações destes jovens, que são contratados para trabalhar em diversas áreas da companhia. a Sulamérica oferece oportunidades a jovens no rio de Janeiro que, além de receberem benefícios como vale-refeição, vale-alimentação, vale-transporte, seguro de saúde e seguro de vida, participam de vários treinamentos de capacitação. ProJeto MuSiCal no rio De Janeiro aproximar jovens carentes e estudantes do ensino médio da música. esse é o objetivo do projeto “Formação Musical em Vila isabel”, realizado pela primeira vez no bairro de Vila isabel, no rio de Janeiro. a ação é fruto da parceria entre a Sulamérica e a organização não-governamental Casa das artes, conhecida por desenvolver projetos que visam a integração das crianças de comunidades carentes com a sociedade. o projeto contou com a participação de aproximadamente de 150 crianças, entre seis e 16 anos, moradores da comunidade do complexo do morro dos Macacos em de Vila isabel, bairro tradicionalmente ligado ao samba e ao choro. as oficinas, que acontecem na Casa das artes, contam com aulas de professores qualificados e especializados em musicalização, violão, cavaquinho e percussão. Para participar era necessário que os jovens estivessem regularmente matriculados no ensino médio e com freqüência comprovada. a aproximação com universo da música, não se restringiu ao contato dos jovens com os instrumentos musi78 Sulamérica Relatório Anual 2008

SuStentaBiliDaDe cais. os estudantes realizaram um show, no fim do ano, com repertório de noel rosa, Pixinguinha, Martinho da Vila, Mart’nália, luis Carlos da Vila, entre outros compositores que fizeram a história da Vila isabel.

reSPonSaBiliDaDe aMBiental
Coleta SeletiVa De liXo Desde julho de 2004, as unidades do rio de Janeiro e São Paulo têm um sistema de coleta seletiva e de reciclagem de materiais, implantado também em ribeirão Preto, Porto alegre e Fortaleza. esse projeto tem o intuito de contribuir para a preservação ambiental e beneficiar comunidades carentes, reafirmando a responsabilidade social da empresa. Em 2008, a SulAmérica reciclou cerca de 365 toneladas de materiais. aÇÃo SoCial Para o Meio aMBiente A SulAmérica desenvolveu em 2008, no Rio de Janeiro, um projeto de implantação de hortas de subsistência e reconstrução de jardins e áreas de lazer em instituições assistenciais. A iniciativa visa colaborar com a sustentabilidade das entidades, que necessitam de recursos, e facilitar o contato das crianças com a natureza. uma das primeiras instituições participantes foi o recanto Fraterno, localizado no bairro de Várzea das Moças, em niterói, que ganhou uma nova área de lazer e uma horta para ajudar no sustento do local. SeMana Do Meio aMBiente Campanhas para o uso consciente da água e da energia elétrica marcaram a Semana do Meio Ambiente na Sulamérica. as unidades que superaram as metas de economia de água e energia foram premiadas. CertiFiCaÇÃo DiGital a Sulamérica iniciou uma campanha para que seus 23 mil prestadores de serviços na área médica - clinicas, laboratórios e profissionais da medicina - adotem o novo sistema de certificação digital de documentos que a companhia lançou em dezembro. Com a adoção do sistema, a companhia espera tirar de circulação 17 milhões de folhas de papel utilizadas anualmente para prestação de contas médicas, montante que ultrapassa 200 toneladas ou mais de 5 mil árvores por ano. CaMPanHa De ConSuMo ConSCiente De enerGia elÉtriCa a campanha tem o objetivo de reduzir o consumo de energia e estimular os colaboradores a adotarem uma atitude voltada ao consumo consciente de energia. Em 2008, o programa permitiu uma economia de mais de R$200 mil. CaMPanHa “iMPriMir Pra Quê?” em 2008, a Sulamérica lançou a campanha de uso consciente de impressoras, visando diminuir a quantidade de material impresso para preservar o meio ambiente e reduzir despesas administrativas. a marca da campanha foi aplicada em todos os canais internos da companhia, com o objetivo de engajar os colaboradores. 79 Sulamérica Relatório Anual 2008

reSPonSaBiliDaDe Pelo ProDuto
SaúDe e SeGuranÇa Do Cliente a Sulamérica comercializa produtos que não oferecem impactos diretos sobre a saúde e a segurança de seus clientes. Ainda assim, foram definidos critérios para acompanhar todo o ciclo de vida dos produtos, desde a confecção dos kits de apólices e demais folheterias encaminhadas aos segurados até a fiscalização da segurança dos ambientes aos quais o segurado é exposto. não há registro de incidente relativo a utilização dos materiais de divulgação dos produtos e serviços. Visando a segurança das informações cadastrais dos clientes, a companhia possui todo o aparato tecnológico necessário para manutenção da fidelidade e sigilo dos dados e movimentações. As bases de dados são administradas considerando as normas e políticas internas de segurança da informação da companhia. no caso de seguros de automóveis, a Sulamérica utiliza uma rede referenciada de oficinas para a regulação de seus sinistros, cujo cadastramento depende do atendimento de um padrão de qualidade estabelecido pela companhia, que leva em conta diversos fatores, como localização, atendimento, infra-estrutura primária, serviços de pintura e mecânica, equipamentos de segurança utilizados, gestão da oficina e de suas instalações, qualidade no processo de desmontagem e montagem, entre outros. além disso, todos os serviços de assistência 24h fornecidos pela Sulamérica são realizados por prestadores qualificados com o objetivo de manter a segurança do cliente, como reboques e remoções em caso de acidentes realizados por meios apropriados. A companhia também oferece serviços de avaliação de risco da residência do segurado através de uma vistoria preventiva das instalações elétricas e hidráulicas e, ainda, identificando os locais e as condições de risco e pontuando as adaptações necessárias à segurança de crianças e bebês. rotulaGeM De ProDutoS e SerViÇoS A SulAmérica desenvolve produtos e serviços visando a segurança e satisfação total de seus clientes, estando em conformidade com o Código de Defesa do Consumidor, obedecendo às regulamentações exigidas pela SuSeP e sendo aprovados pelo referido órgão regulador. Além disso, a companhia orienta seus clientes no uso de produtos e serviços como o Assistência 24hs, acompanhamento de sinistros e segurança on-line, denúncia de fraudes e utilização de descontos e benefícios. não há registro de incidente relativo à utilização dos produtos e serviços de seguro na SulAmérica.

80

Sulamérica Relatório Anual 2008

SuStentaBiliDaDe
SatiSFaÇÃo Do Cliente Para atender seus clientes, a Sulamérica mantém em suas centrais de atendimento um alto padrão de qualidade e para isso tem uma gestão específica para cuidar das métricas e dos processos de atendimento. Para manter o padrão, os controles são feitos diariamente e são, tanto quantitativos, quanto qualitativos. 1. níVel De SerViÇo um dos indicadores mais importantes é o nível de serviço, utilizado para monitorar o percentual de ligações atendidas dentro de um padrão de qualidade estabelecido pelo de mercado de tele atendimento, que é atender 80% das ligações entrantes em até 20 segundos, ou seja, em três (3) toques. Para o serviço de SaC, a Sulamérica tem cumprido o estabelecido no decreto nº 6.523 que regulamenta os Serviços de atendimento ao Cliente para alguns setores que entrou em vigor em 01/12/2008 cuja meta de atendimento é de atender 100% das ligações em até 60 segundos. 2. FirSt Call reSolution em 2008, o indicador de número de ligações realizadas pelo cliente para resolução de problemas foi 1,8 ligação. 3. PerCentual De reClaMaÇõeS SoBre o total De SerViÇoS PreStaDoS a Sulamérica preza pelo melhor atendimento aos seus clientes. em 2008, 0,18% do total de atendimentos realizados receberam reclamações dos clientes. Mesmo com este índice baixo, a companhia considera as reclamações como oportunidades de melhoria e aperfeiçoamento. a resposta às reclamações em até cinco dias também é um indicador acompanhado. em 2008, 98,6% dos atendimentos foram realizados dentro deste prazo. 4. PeSQuiSa De SatiSFaÇÃo anualmente é realizada pesquisa de satisfação com os nossos clientes, a fim de monitorar a qualidade dos atendimentos prestados. no ano de 2008, o índice de satisfação dos segurados na pesquisa foi de 80,8%.
2006 Grau de Satisfação dos Clientes 77,0% | 2007 79,5% | 2008 80,8%

os controles descritos possibilitam que a Sulamérica promova ações preventivas e corretivas para manutenção da qualidade do atendimento e melhoria dos seus processos, aprimorando cada vez mais o atendimento das necessidades dos seus clientes. CoMuniCaÇõeS De MarKetinG A SulAmérica têm ciência e respeita as regras existentes no código de defesa do consumidor e nos artigos do código de regulamentação publicitária na criação de todas as suas peças e campanhas publicitárias. Para garantir a conformidade com a legislação, a equipe de marketing da Sulamérica conduz as aprovações de toda comunicação apresentada por seus fornecedores, em conjunto com seu departamento jurídico. a Sulamérica acredita que respeitar e executar estes direcionamentos são as formas mais eficientes e corretas de anunciar seus produtos e serviços.

81

Sulamérica Relatório Anual 2008

inVeStiMentoS a Sulamérica privilegia investimentos em processos e serviços que agregam valor aos seus produtos e que são percebidos como um diferencial por seus clientes. Em 2008, apenas nesse segmento foram investidos, aproximadamente, R$30 milhões. os principais investimentos foram realizados na área de tecnologia da informação, que recebeu r$14,4 milhões. Foram incorporadas novas ferramentas de segmentação e de customização de produtos, que possibilitaram à companhia realizar ações de gestão de relacionamento com o cliente (CrM), mapeando e identificando produtos para satisfazer demandas identificadas junto a públicos específicos, como, por exemplo, o seguro SulAmérica Auto Mulher. além disso, a implantação da certificação digital na área de saúde, aprimorou e agilizou a troca de documentos eletrônicos com cerca de 27 mil prestadores de serviço de saúde, garantindo autenticidade, confidencialidade e integridade às informações. a Sulamérica foi a primeira empresa do segmento a adotar a tecnologia da certificação digital. a companhia também desenvolveu ferramentas tecnológicas que auxiliam corretores na solicitação de cotações de seguros, como o riC Web, desenvolvido para a área de riscos industriais e Comerciais da companhia, facilitando o processo de comercialização dos produtos nesse segmento. o segmento de saúde PMe (Pequenas e Médias empresas), passou a contar com um novo sistema de cotação, que diminuiu o prazo de resposta, aumentando em 94% o número de cotações do produto. em 2008, a companhia inaugurou mais sete unidades do Centro automotivo de Super atendimento (C.a.S.a.), com investimento total de r$4,2 milhões. os C.a.S.a.s reforçam a estratégia da Sulamérica de ampliar os serviços e benefícios oferecidos aos seus clientes em todo o país. o utro investimento que a companhia está realizando é a mudança da sua sede para um moderno edifício, localizado na região da Cidade nova, no rio de Janeiro. em 2008, foram investidos mais de r$5 milhões que trarão como benefício um ganho de eficiência operacional, atendendo a requisitos de sustentabilidade e, permitindo economia de energia e de recursos naturais de até 30%.

82

Sulamérica Relatório Anual 2008

reSultaDoS 2008 análiSe GerenCial DoS reSultaDoS
Sulamérica encerrou o exercício de 2008 sustentando uma trajetória de sólido crescimento e ampliação de seus resultados. a companhia registrou lucro líquido de r$415,9 milhões, com crescimento de 29,4% no ano, superando seu recorde histórico. excluídos os efeitos de eventos extraordinários, o lucro líquido foi de R$381,8 milhões, uma marca igualmente recorde, e que corresponde a um crescimento de 12,5% em bases recorrentes. o retorno do patrimônio líquido médio em 2008 foi de 19,6%, um índice muito positivo, sobretudo quando se leva em conta a importante capitalização proporcionada pelos recursos de r$775 milhões captados na oferta pública inicial, encerrada com sucesso em outubro de 2007. a Sulamérica encerrou o exercício de 2008 sustentando uma trajetória de sólido crescimento e ampliação de seus resultados. a companhia registrou lucro líquido de r$415,9 milhões, com crescimento de 29,4% no ano, superando seu recorde histórico. excluídos os efeitos de eventos extraordinários, o lucro líquido foi de r$381,8 milhões, uma marca igualmente recorde, e que corresponde a um crescimento de 12,5% em bases recorrentes. o retorno do patrimônio líquido médio em 2008 foi de 19,6%, um índice muito positivo, sobretudo quando se leva em conta a importante capitalização proporcionada pelos recursos de r$775 milhões captados na oferta pública inicial, encerrada com sucesso em outubro de 2007. os prêmios de seguros totalizaram r$7,7 bilhões, com crescimento de 12,4% em 2008. nesse mesmo período, a indústria de seguros, considerando apenas os dados do mercado regulado pela SuSeP, registrou um total de prêmios de r$76,3 bilhões, com crescimento de 14,7%. nas mesmas bases, a Sulamérica cresceu 15,3%. no curso de 2008, a companhia apresentou sucessiva melhoria de resultados operacionais. apesar disso, no ano, a sinistralidade geral apresentou uma pequena elevação, ficando em 71,0%. o índice combinado, registrando comportamento em linha com a sinistralidade, encerrou o exercício em 98,4%, 0,6 p.p. acima do índice observado em 2007.

83

Sulamérica Relatório Anual 2008

reSultaDoS 2008 os investimentos totalizaram r$5,8 bilhões em 2008 e produziram um resultado de r$606,4 milhões, 1,0% maior do que o observado em 2007. a rentabilidade no exercício de 2008 foi equivalente a 93,6% do CDi, sendo que 79,0% dos investimentos correspondiam a títulos públicos e 19,0% a títulos privados. a companhia manteve uma política de investimentos voltada prioritariamente ao gerenciamento do perfil dos seus passivos. o acerto desta política levou a Fitch ratings a elevar, em 22 de outubro de 2008, os ratings da Sul américa S.a. em moeda estrangeira e local de “BB-” para “BB”, com perspectiva estável.

áreaS De neGóCioS
SeGuro SaúDe os prêmios de seguro saúde, que representam 53,1% do total de prêmios de seguros da Companhia, cresceram 9,1%, recorrente, e alcançaram r$4,1 bilhões. a carteira de seguro saúde grupal, que contribuiu com 34,8% do total de prêmios de seguros e 65,6% dos prêmios de seguro saúde, registrou prêmios de r$2,7 bilhões em 2008, com aumento de 15,4% em relação a 2007. no final do ano, o segmento de seguro saúde grupal contava com cerca de 1,1 milhão de membros segurados, com crescimento de 19,7%. o segmento de pequenas e médias empresas (PMe), que apresentou expansão de 20,9% na base de segurados, abrangia cerca de 145 mil membros no final do período. a carteira de planos odontológicos encerrou 2008 com cerca de 110 mil membros, apresentando crescimento de 29,6% no período. a companhia tem investido no crescimento orgânico dessa carteira, promovendo campanhas promocionais dirigidas aos corretores de seguros que operam um universo de 9,9 milhões de pessoas segundo dados da anS. no caso do seguro saúde individual, que representa 18,3% do total dos prêmios de seguros e 34,4% dos prêmios de seguro saúde, os prêmios alcançaram r$1,4 bilhão em 2008, com queda de 9,9% em relação a 2007. o número de beneficiários da carteira de seguro saúde individual apresentou redução de 13,9% em 2008, finalizando o período com 304 mil membros. os cancelamentos de apólices não foram compensados pela entrada de novos segurados, uma vez que desde 2004 a Companhia não comercializa novas apólices de seguro saúde individual.

84

Sulamérica Relatório Anual 2008

reSultaDoS 2008 a sinistralidade total do seguro saúde foi de 76,3% nos doze meses de 2008 e o índice de despesas de comercialização do seguro saúde foi de 5,4% em 2008. no seguro saúde grupal, a sinistralidade aumentou 0,8 p.p. em 2008 em relação a 2007 e encerrou o período em 72,6%. esse aumento é explicado, principalmente, pelo incremento do custo dos sinistros em decorrência da inflação médica, pelo aumento na freqüência de utilização e ainda por uma política de precificação, adotada no 2S08, que visou o aproveitamento de oportunidades de crescimento e aumento da penetração em segmentos de mercado com perspectivas positivas, especialmente no segmento PMe. no caso do seguro saúde individual, o aumento da sinistralidade em 2008 foi de 1,4 p.p., em termos recorrentes, para 83,3%. esse incremento, como no caso da carteira de seguro saúde grupal, é atribuído em parte ao incremento do custo dos sinistros em função da inflação médica, que constituirá posteriormente base para aumentos futuros, e pelo aumento da freqüência de utilização.

o índice de despesas de comercialização do seguro saúde foi de 5,4% em 2008, com aumento de 0,6 p.p. em bases recorrentes. o pequeno aumento observado é explicado, sobretudo, pela maior participação da carteira de apólices coletivas, uma vez que a contribuição da carteira individual para este índice é pouco relevante, e, em menor grau, pela redução do prazo de diferimento das despesas de comercialização da carteira de saúde individual e de PMe. Contribuiu também para o aumento do índice a adoção de programas para incentivo a vendas, principalmente no segmento de pequenas e médias empresas.

SeGuroS De autoMóVeiS
Mantendo comportamento observado ao longo de 2008, os prêmios de seguros de automóveis cresceram de forma relevante, registrando incremento de 18,2% em relação a 2007, totalizando r$2,3 bilhões. o aumento dos prêmios de seguros de automóveis é parcialmente explicado pelo crescimento da frota segurada, que atingiu 1.922 mil veículos no final de 2008, com acréscimo de 8,5% em relação a 2007, e pelo aumento do prêmio anual médio. 85 Sulamérica Relatório Anual 2008

reSultaDoS 2008 a sinistralidade de seguros de automóveis foi de 64,1% em 2008, com aumento de 4,1 p.p. em relação a 2007. Esse aumento é explicado, principalmente, pela elevação dos sinistros retidos em decorrência de fatores climáticos e concorrenciais. o índice de despesas de comercialização de seguros de automóveis se manteve praticamente estável, melhorando 0,4 p.p., e encerrando 2008 em 18,9%.

SeGuroS De outroS raMoS eleMentareS

os prêmios do segmento de outros ramos elementares, que representam 11,4% do total de prêmios de seguros da companhia, foram de R$782,0 milhões em 2008, mantendo-se praticamente estáveis, com redução de 0,6% em relação a 2007. essa redução deveu-se, principalmente, pela mudança na composição da carteira, com menor participação dos prêmios de DPVat e aumento nos demais segmentos, com a emissão de novos negócios nas carteiras de riscos aeronáuticos, petróleo e incêndio. a sinistralidade do segmento de outros ramos elementares atingiu 67,7% em 2008, com aumento de 5,9 p.p. o aumento observado é explicado pela elevação da sinistralidade dos ramos de incêndio, riscos diversos e crédito, que foi parcialmente compensado pela menor participação do DPVat. Contribuiu também para elevação do índice de sinistralidade a ocorrência de eventos climáticos severos, especialmente os que atingiram o estado de Santa Catarina no último trimestre de 2008. o índice de despesas de comercialização apresentou aumento de 1,0 p.p. em relação a 2007, para 19,1% em 2008. esse aumento é devido em parte à menor participação do DPVat.

86

Sulamérica Relatório Anual 2008

reSultaDoS 2008
SeGuroS De PeSSoaS

os prêmios de seguros de pessoas, que representam 6,2% do total de prêmios de seguros da companhia, apresentaram um aumento de 45,8% em 2008 em relação a 2007, alcançando o montante r$496,6 milhões. esse crescimento é explicado pelo aumento de 123,2% dos prêmios de VGBl e também pela contratação de novas apólices de seguros de vida em grupo e de acidentes pessoais no período e pelo aumento do número de segurados, que encerrou o ano com 2.382 mil indivíduos, com crescimento de 3,1% em relação a 2007. a sinistralidade de seguros de pessoas foi de 54,4% em 2008, apresentando queda de 15,4 p.p. em relação a 2007. essa queda é devida a ajustes nas provisões de sinistros judiciais. o índice de despesas de comercialização de seguros de pessoas apresentou um aumento de 3,0 p.p. para 21,1% em 2008, explicado principalmente pelas condições comerciais das novas apólices.

87

Sulamérica Relatório Anual 2008

reSultaDoS 2008
DeMaiS itenS Do reSultaDo outraS reCeitaS e DeSPeSaS oPeraCionaiS De SeGuroS

a redução das despesas em r$55,8 milhões (constituição de r$84,3 milhões no 2t07 e reversão de r$28,5 milhões no 4t07) observada no ano de 2008 em relação a 2007 é devida, principalmente, à variação do saldo da provisão para devedores duvidosos relativo aos “prêmios complementares de seguro saúde individual”. reSultaDo DaS oPeraÇõeS De PreViDênCia o resultado das operações de previdência registrou queda de r$17,5 milhões em 2008. essa queda é explicada por ajustes nas provisões em conseqüência dos cancelamentos de contratos ocorridos em 2007 e pelo aumento das despesas com sinistros na cobertura de vida vinculada aos planos de previdência.

88

Sulamérica Relatório Anual 2008

reSultaDoS 2008 reSultaDo CoM oPeraÇõeS De aSSiStênCia à SaúDe o resultado com operações de assistência à saúde (planos administrados de pós-pagamento) aumentou, em 2008, R$1,1 milhão, alcançando R$28,6 milhões. Esse crescimento é devido ao aumento de 14,0% da taxa média de administração per capita, sendo parcialmente compensado pela redução de 4,8% no número de membros da carteira, que encerrou o período com 272,6 mil beneficiários. reSultaDo Da atiViDaDe FinanCeira o resultado das operações de gestão de ativos cresceu r$1,8 milhão em 2008, encerrando o ano em r$ 23,4 milhões. o volume dos ativos administrados atingiu r$12,0 bilhões no final de 2008, enquanto no mesmo período, de acordo com informações da associação nacional dos Bancos de investimento (“anBiD”), o mercado apresentou retração de 0,8%.

89

Sulamérica Relatório Anual 2008

reSultaDoS 2008
DeSPeSaS aDMiniStratiVaS as despesas administrativas cresceram 7,8% no acumulado de 2008 e encerraram o período correspondendo a 12,8% dos prêmios retidos, com o índice de 2008 mantendo-se praticamente estável em relação a 2007. o aumento das despesas é devido, principalmente, às despesas com pessoal próprio, em função da mudança da jornada de trabalho dos empregados, ao dissídio de 5,5% aprovado em janeiro de 2008, ao maior volume de operações e projetos em execução, ao maior investimento em publicidade e propaganda, à reavaliação de provisões judicias e à variação positiva referente às despesas da oferta pública inicial (iPo) realizada pela Companhia em 2007.

DeSPeSaS CoM triButoS as despesas com tributos sofreram queda de 10,4% em 2008 e encerraram o período representando 2,4% dos prêmios retidos. essa queda de r$20,4 milhões é explicada principalmente pela reavaliação de provisões para contingências fiscais e decisões judiciais sobre PiS, CoFinS e outros tributos.

90

Sulamérica Relatório Anual 2008

reSultaDoS 2008 reSultaDo FinanCeiro o total de investimentos da Companhia aumentou 13,7% em 2008 em relação a 2007, alcançando o volume de r$5,8 bilhões. Desse total, cerca de 98,0% estão alocados em ativos de renda fixa e menos de 2,0% são representados por ativos de renda variável. a rentabilidade dos investimentos em 2008 representou o equivalente a 93,6% do CDi (79,0% do CDi no 4t08). o aumento de r$96,5 milhões no resultado financeiro de 2008 em relação a 2007 é explicado por: (i) aumento de liquidez proveniente da capitalização da Companhia (iPo) e conseqüente redução do nível de endividamento, (ii) fim da cobrança da CPMF, e (iii) pela variação positiva referente ao desconto concedido, em dezembro de 2007, sobre os prêmios complementares de saúde individual. ProViSõeS Para iMPoSto De renDa e ContriBuiÇÃo SoCial as despesas com imposto de renda e contribuição social apresentaram queda de r$26,1 milhões em 2008, queda essa explicada pelo maior aproveitamento de créditos fiscais pela companhia, devido ao aumento dos seus resultados operacionais. luCro líQuiDo e retorno SoBre o PatriMônio líQuiDo MÉDio (roae) o lucro líquido atingiu o recorde histórico de r$415,9 milhões no acumulado dos doze meses de 2008, o que representa um aumento de 12,5% em termos recorrentes. a rentabilidade do patrimônio em 2008 foi de 19,6%. a queda de 2,7 p.p. observada em relação ao ano de 2007 decorre do expressivo aumento de capital realizado com os recursos de r$775 milhões captados com a oferta pública de ações da companhia, concluída em outubro de 2007.

91

Sulamérica Relatório Anual 2008

reSultaDoS 2008 enDiViDaMento em fevereiro de 2007, a Sulamérica emitiu um montante de uS$200.000.000 em eurobonds (Senior notes), à taxa anual de 8,625%, com prazo de cinco anos. em 26 de novembro de 2007, com utilização de parte dos recursos captados na oferta pública inicial da companhia (iPo) e com base em previsão contratual, foi resgatado antecipadamente o montante de uS$71,7 milhões, correspondente a 35% do saldo atualizado. a emissão é objeto de operação de swap que visou substituir a exposição cambial pela variação do CDi. no final do exercício de 2008, o saldo atualizado da dívida era de r$9,9 milhões no circulante e r$254,8 milhões no não-circulante, e representava em conjunto 11,6% do patrimônio líquido.

92

Sulamérica Relatório Anual 2008

reSultaDoS 2008
DiStriBuiÇÃo Do Valor aDiCionaDo (DVa) o valor adicionado da Sulamérica atingiu r$1,6 bilhão em 2008. Despesas com pessoal somaram r$422,8 milhões; impostos, taxas e contribuições totalizaram r$542,2 milhões; remuneração de capitais de terceiros atingiram r$89,9 milhões; dividendos, juros sobre capital próprio e participações somaram r$130,1 milhões; e lucros retidos totalizaram r$415,9 milhões.

análiSe GerenCial DoS reSultaDoS a Sulamérica encerrou o exercício de 2008 sustentando uma trajetória de sólido crescimento e ampliação de seus resultados. a companhia registrou lucro líquido de r$415,9 milhões, com crescimento de 29,4% no ano, superando seu recorde histórico. excluídos os efeitos de eventos extraordinários, o lucro líquido foi de r$381,8 milhões, uma marca igualmente recorde, e que corresponde a um crescimento de 12,5% em bases recorrentes. o retorno do patrimônio líquido médio em 2008 foi de 19,6%, um índice muito positivo, sobretudo quando se leva em conta a importante capitalização proporcionada pelos recursos de r$775 milhões captados na oferta pública inicial, encerrada com sucesso em outubro de 2007. os prêmios de seguros totalizaram r$7,7 bilhões, com crescimento de 12,4% em 2008. nesse mesmo período, a indústria de seguros, considerando apenas os dados do mercado regulado pela SuSeP, registrou um total de prêmios de r$76,3 bilhões, com crescimento de 14,7%. nas mesmas bases, a Sulamérica cresceu 15,3%. no curso de 2008, a companhia apresentou sucessiva melhoria de resultados operacionais. apesar disso, no ano, a sinistralidade geral apresentou uma pequena elevação, ficando em 71,0%. o índice combinado, registrando comportamento em linha com a sinistralidade, encerrou o exercício em 98,4%, 0,6 p.p. acima do índice observado em 2007.

93

Sulamérica Relatório Anual 2008

reSultaDoS 2008 os investimentos totalizaram r$5,8 bilhões em 2008 e produziram um resultado de r$606,4 milhões, 1,0% maior do que o observado em 2007. a rentabilidade no exercício de 2008 foi equivalente a 93,6% do CDi, sendo que 79,0% dos investimentos correspondiam a títulos públicos e 19,0% a títulos privados. a companhia manteve uma política de investimentos voltada prioritariamente ao gerenciamento do perfil dos seus passivos. o acerto desta política levou a Fitch Ratings a elevar, em 22 de outubro de 2008, os ratings da Sul América S.A. em moeda estrangeira e local de “BB-” para “BB”, com perspectiva estável.

áreaS De neGóCioS
SeGuro SaúDe os prêmios de seguro saúde, que representam 53,1% do total de prêmios de seguros da Companhia, cresceram 9,1%, recorrente, e alcançaram r$4,1 bilhões. a carteira de seguro saúde grupal, que contribuiu com 34,8% do total de prêmios de seguros e 65,6% dos prêmios de seguro saúde, registrou prêmios de r$2,7 bilhões em 2008, com aumento de 15,4% em relação a 2007. no final do ano, o segmento de seguro saúde grupal contava com cerca de 1,1 milhão de membros segurados, com crescimento de 19,7%. o segmento de pequenas e médias empresas (PMe), que apresentou expansão de 20,9% na base de segurados, abrangia cerca de 145 mil membros no final do período. a carteira de planos odontológicos encerrou 2008 com cerca de 110 mil membros, apresentando crescimento de 29,6% no período. a companhia tem investido no crescimento orgânico dessa carteira, promovendo campanhas promocionais dirigidas aos corretores de seguros que operam um universo de 9,9 milhões de pessoas segundo dados da anS. no caso do seguro saúde individual, que representa 18,3% do total dos prêmios de seguros e 34,4% dos prêmios de seguro saúde, os prêmios alcançaram r$1,4 bilhão em 2008, com queda de 9,9% em relação a 2007. o número de beneficiários da carteira de seguro saúde individual apresentou redução de 13,9% em 2008, finalizando o período com 304 mil membros. os cancelamentos de apólices não foram compensados pela entrada de novos segurados, uma vez que desde 2004 a Companhia não comercializa novas apólices de seguro saúde individual. a sinistralidade total do seguro saúde foi de 76,3% nos doze meses de 2008 e o índice de despesas de comercialização do seguro saúde foi de 5,4% em 2008. no seguro saúde grupal, a sinistralidade aumentou 0,8 p.p. em 2008 em relação a 2007 e encerrou o período em 72,6%. esse aumento é explicado, principalmente, pelo incremento do custo dos sinistros em decorrência da inflação médica, pelo aumento na freqüência de utilização e ainda por uma política de precificação, adotada no 2S08, que visou o aproveitamento de oportunidades de crescimento e aumento da penetração em segmentos de mercado com perspectivas positivas, especialmente no segmento PMe. 94 Sulamérica Relatório Anual 2008

reSultaDoS 2008 no caso do seguro saúde individual, o aumento da sinistralidade em 2008 foi de 1,4 p.p., em termos recorrentes, para 83,3%. esse incremento, como no caso da carteira de seguro saúde grupal, é atribuído em parte ao incremento do custo dos sinistros em função da inflação médica, que constituirá posteriormente base para aumentos futuros, e pelo aumento da freqüência de utilização. o índice de despesas de comercialização do seguro saúde foi de 5,4% em 2008, com aumento de 0,6 p.p. em bases recorrentes. o pequeno aumento observado é explicado, sobretudo, pela maior participação da carteira de apólices coletivas, uma vez que a contribuição da carteira individual para este índice é pouco relevante, e, em menor grau, pela redução do prazo de diferimento das despesas de comercialização da carteira de saúde individual e de PMe. Contribuiu também para o aumento do índice a adoção de programas para incentivo a vendas, principalmente no segmento de pequenas e médias empresas. SeGuroS De autoMóVeiS Mantendo comportamento observado ao longo de 2008, os prêmios de seguros de automóveis cresceram de forma relevante, registrando incremento de 18,2% em relação a 2007, totalizando r$2,3 bilhões. o aumento dos prêmios de seguros de automóveis é parcialmente explicado pelo crescimento da frota segurada, que atingiu 1.922 mil veículos no final de 2008, com acréscimo de 8,5% em relação a 2007, e pelo aumento do prêmio anual médio. A sinistralidade de seguros de automóveis foi de 64,1% em 2008, com aumento de 4,1 p.p. em relação a 2007. Esse aumento é explicado, principalmente, pela elevação dos sinistros retidos em decorrência de fatores climáticos e concorrenciais. o índice de despesas de comercialização de seguros de automóveis se manteve praticamente estável, melhorando 0,4 p.p., e encerrando 2008 em 18,9%.

SeGuroS De outroS raMoS eleMentareS os prêmios do segmento de outros ramos elementares, que representam 11,4% do total de prêmios de seguros da companhia, foram de R$782,0 milhões em 2008, mantendo-se praticamente estáveis, com redução de 0,6% em relação a 2007. essa redução deveu-se, principalmente, pela mudança na composição da carteira, com menor participação dos prêmios de DPVat e aumento nos demais segmentos, com a emissão de novos negócios nas carteiras de riscos aeronáuticos, petróleo e incêndio. 95 Sulamérica Relatório Anual 2008

reSultaDoS 2008 a sinistralidade do segmento de outros ramos elementares atingiu 67,7% em 2008, com aumento de 5,9 p.p. o aumento observado é explicado pela elevação da sinistralidade dos ramos de incêndio, riscos diversos e crédito, que foi parcialmente compensado pela menor participação do DPVat. Contribuiu também para elevação do índice de sinistralidade a ocorrência de eventos climáticos severos, especialmente os que atingiram o estado de Santa Catarina no último trimestre de 2008. o índice de despesas de comercialização apresentou aumento de 1,0 p.p. em relação a 2007, para 19,1% em 2008. esse aumento é devido em parte à menor participação do DPVat. SeGuroS De PeSSoaS os prêmios de seguros de pessoas, que representam 6,2% do total de prêmios de seguros da companhia, apresentaram um aumento de 45,8% em 2008 em relação a 2007, alcançando o montante R$496,6 milhões. Esse crescimento é explicado pelo aumento de 123,2% dos prêmios de VGBl e também pela contratação de novas apólices de seguros de vida em grupo e de acidentes pessoais no período e pelo aumento do número de segurados, que encerrou o ano com 2.382 mil indivíduos, com crescimento de 3,1% em relação a 2007. a sinistralidade de seguros de pessoas foi de 54,4% em 2008, apresentando queda de 15,4 p.p. em relação a 2007. essa queda é devida a ajustes nas provisões de sinistros judiciais. o índice de despesas de comercialização de seguros de pessoas apresentou um aumento de 3,0 p.p. para 21,1% em 2008, explicado principalmente pelas condições comerciais das novas apólices.

Demais itens do resultado outras receitas e despesas operacionais de seguros a redução das despesas em r$55,8 milhões (constituição de R$84,3 milhões no 2T07 e reversão de r$28,5 milhões no 4t07) observada no ano de 2008 em relação a 2007 é devida, principalmente, à variação do saldo da provisão para devedores duvidosos relativo aos “prêmios complementares de seguro saúde individual”.

resultado das operações de Previdência o resultado das operações de previdência registrou queda de r$17,5 milhões em 2008. essa queda é explicada por ajustes nas provisões em conseqüência dos cancelamentos de contratos ocorridos em 2007 e pelo aumento das despesas com sinistros na cobertura de vida vinculada aos planos de previdência.

96

Sulamérica Relatório Anual 2008

reSultaDoS 2008

reSultaDo CoM oPeraÇõeS De aSSiStênCia à SaúDe o resultado com operações de assistência à saúde (planos administrados de pós-pagamento) aumentou, em 2008, R$1,1 milhão, alcançando R$28,6 milhões. Esse crescimento é devido ao aumento de 14,0% da taxa média de administração per capita, sendo parcialmente compensado pela redução de 4,8% no número de membros da carteira, que encerrou o período com 272,6 mil beneficiários.

reSultaDo Da atiViDaDe FinanCeira o resultado das operações de gestão de ativos cresceu R$1,8 milhão em 2008, encerrando o ano em R$ 23,4 milhões. o volume dos ativos administrados atingiu r$12,0 bilhões no final de 2008, enquanto no mesmo período, de acordo com informações da associação nacional dos Bancos de investimento (“anBiD”), o mercado apresentou retração de 0,8%.

DeSPeSaS aDMiniStratiVaS as despesas administrativas cresceram 7,8% no acumulado de 2008 e encerraram o período correspondendo a 12,8% dos prêmios retidos, com o índice de 2008 mantendo-se praticamente estável em relação a 2007. o aumento das despesas é devido, principalmente, às despesas com pessoal próprio, em função da mudança da jornada de trabalho dos empregados, ao dissídio de 5,5% aprovado em janeiro de 2008, ao maior volume de operações e projetos em execução, ao maior investimento em publicidade e propaganda, à reavaliação de provisões judicias e à variação positiva referente às despesas da oferta pública inicial (iPo) realizada pela Companhia em 2007.

DeSPeSaS CoM triButoS as despesas com tributos sofreram queda de 10,4% em 2008 e encerraram o período representando 2,4% dos prêmios retidos. essa queda de R$20,4 milhões é explicada principalmente pela reavaliação de provisões para contingências fiscais e decisões judiciais sobre PiS, CoFinS e outros tributos.

97

Sulamérica Relatório Anual 2008

reSultaDoS 2008 reSultaDo FinanCeiro o total de investimentos da Companhia aumentou 13,7% em 2008 em relação a 2007, alcançando o volume de r$5,8 bilhões. Desse total, cerca de 98,0% estão alocados em ativos de renda fixa e menos de 2,0% são representados por ativos de renda variável. A rentabilidade dos investimentos em 2008 representou o equivalente a 93,6% do CDi (79,0% do CDi no 4t08). o aumento de r$96,5 milhões no resultado financeiro de 2008 em relação a 2007 é explicado por: (i) aumento de liquidez proveniente da capitalização da Companhia (iPo) e conseqüente redução do nível de endividamento, (ii) fim da cobrança da CPMF, e (iii) pela variação positiva referente ao desconto concedido, em dezembro de 2007, sobre os prêmios complementares de saúde individual.

ProViSõeS Para iMPoSto De renDa e ContriBuiÇÃo SoCial as despesas com imposto de renda e contribuição social apresentaram queda de r$26,1 milhões em 2008, queda essa explicada pelo maior aproveitamento de créditos fiscais pela companhia, devido ao aumento dos seus resultados operacionais.

luCro

líQuiDo

e

retorno

SoBre

o

PatriMônio líQuiDo MÉDio (roae) o lucro líquido atingiu o recorde histórico de r$415,9 milhões no acumulado dos doze meses de 2008, o que representa um aumento de 12,5% em termos recorrentes. A rentabilidade do patrimônio em 2008 foi de 19,6%. a queda de 2,7 p.p. observada em relação ao ano de 2007 decorre do expressivo aumento de capital realizado com os recursos de R$775 milhões captados com a oferta pública de ações da companhia, concluída em outubro de 2007.

98

Sulamérica Relatório Anual 2008

reSultaDoS 2008 enDiViDaMento Em fevereiro de 2007, a SulAmérica emitiu um montante de uS$200.000.000 em eurobonds (Senior notes), à taxa anual de 8,625%, com prazo de cinco anos. em 26 de novembro de 2007, com utilização de parte dos recursos captados na oferta pública inicial da companhia (iPo) e com base em previsão contratual, foi resgatado antecipadamente o montante de uS$71,7 milhões, correspondente a 35% do saldo atualizado. a emissão é objeto de operação de swap que visou substituir a exposição cambial pela variação do CDi. no final do exercício de 2008, o saldo atualizado da dívida era de r$9,9 milhões no circulante e r$254,8 milhões no não-circulante, e representava em conjunto 11,6% do patrimônio líquido.

DiStriBuiÇÃo Do Valor aDiCionaDo (DVa) o valor adicionado da Sulamérica atingiu r$1,6 bilhão em 2008. Despesas com pessoal somaram r$422,8 milhões; impostos, taxas e contribuições totalizaram r$542,2 milhões; remuneração de capitais de terceiros atingiram r$89,9 milhões; dividendos, juros sobre capital próprio e participações somaram r$130,1 milhões; e lucros retidos totalizaram r$415,9 milhões.

99

Sulamérica Relatório Anual 2008

BalanÇoS PatriMoniaiS
DEMONSTRAÇÕES DO RESULTADO PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 E DE 2007 (Em milhares de reais, exceto onde mencionado) Controladora 2007 (45.291) (5.140) (7.166) 186.766 (193.932) 421.069 421.584 (515) (618) 362.854 34 (2) 362.886 362.886 (50.863) 312.023 281.295.931 1.109,23 Consolidado 2007 6.611.174 6.801.630 241.324 (37.584) (269.478) 1.339 (126.057) (37.081) 6.574.093 1.579 (4.464.703) (4.678.587) (92.274) (39.989) 158.289 173.105 14.753 (18.099) (15.284) (2.815) (692.675) (710.037) 13.696 (3.153) 6.819 (141.332) 128.701 (270.033) 133.472 133.472 (68.963) 8.470 (37.952) (37.844) (108) (3.279) 396 396 27.491 21.625 (869.480) (195.813) 400.504 1.013.971 (613.467) (431) 1.310 223 (1.964) 1.296 676.199 (186.802) (67.390) (32.531) 389.476 (67.984) 321.492 321.492 -

Notas OPERAÇÕES DE SEGUROS PRÊMIOS RETIDOS Prêmios de Seguros Prêmios Convênio DPVAT Prêmios Cedidos em Co-seguros Prêmios Cedidos em Resseguros Prêmios Retrocessão Prêmios Cedidos em Consórcios e Fundos VARIAÇÕES DAS PROVISÕES TÉCNICAS PRÊMIOS GANHOS RENDAS COM TAXA DE GESTÃO SINISTROS RETIDOS Sinistros Diretos Sinistros de Consórcios e Fundos Serviços de Assistência Recuperação de Sinistros Salvados e Ressarcimentos Variação da Provisão de Sinistros Ocorridos mas não Avisados DESPESAS COM BENEFÍCIOS Despesas com Benefícios Retidas Variação da Provisão de Eventos Ocorridos mas não Avisados DESPESAS DE COMERCIALIZAÇÃO Comissões Recuperação de Comissões Outras Despesas de Comercialização Variação das Despesas de Comercialização Diferidas OUTRAS RECEITAS E DESPESAS OPERACIONAIS Outras Receitas Operacionais Outras Despesas Operacionais OPERAÇÕES DE PREVIDÊNCIA RENDAS DE CONTRIBUIÇÕES RETIDAS Rendas de Contribuições VARIAÇÕES DAS PROVISÕES TÉCNICAS RENDAS COM TAXA DE GESTÃO DESPESAS COM BENEFÍCIOS E RESGATES Despesas com Benefícios Variação da Provisão de Eventos Ocorridos mas não Avisados DESPESAS DE COMERCIALIZAÇÃO OUTRAS RECEITAS E DESPESAS OPERACIONAIS Outras Receitas Operacionais Outras Despesas Operacionais RESULTADO COM OPERAÇÕES DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE RESULTADO DA ATIVIDADE FINANCEIRA DESPESAS ADMINISTRATIVAS DESPESAS COM TRIBUTOS RESULTADO FINANCEIRO Receitas Financeiras Despesas Financeiras RESULTADO PATRIMONIAL Receitas/despesas com Imóveis de Renda Ajustes de Investimentos em Controladas e Coligadas Outras Receitas/Despesas Patrimoniais Lucro na venda de permanente RESULTADO NÃO OPERACIONAL RESULTADO ANTES DE IMPOSTOS E PARTICIPAÇÕES Imposto de Renda Contribuição Social Participações sobre o Resultado RESULTADO APÓS IMPOSTOS E PARTICIPAÇÕES Participações de Acionistas não Controladores RESULTADO ANTES DA REVERSÃO DOS JUROS SOBRE O CAPITAL PRÓPRIO Juros sobre o Capital Próprio LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO QUANTIDADE DE AÇÕES LUCRO LÍQUIDO POR LOTE DE MIL AÇÕES - R$ – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – 20.2 – – – – – 20.4 20.5 – – – – – – – – – – – – – 20.3 – – 20.6 20.7 – – 9.1 – 20.8 – – 21 21 – – – – – – – –

2008 (5.757) (5.803) 27.635 221.758 (194.123) 453.480 458.862 (5.647) 265 469.555 2.173 747 472.475 472.475 (56.834) 415.641 280.913.431 1.479,61

2008 7.316.461 7.680.366 105.007 (62.200) (352.288) 458 (54.882) (331.385) 6.985.076 3.067 (4.939.622) (5.208.881) (37.616) (38.900) 163.736 218.759 (36.720) (18.509) (18.118) (391) (776.399) (840.782) 23.238 (1.995) 43.140 (86.986) 131.118 (218.104) 157.486 157.486 (126.923) 12.290 (22.041) (21.989) (52) (4.698) (1.453) (1.453) 28.644 23.371 (936.911) (175.438) 496.966 1.042.855 (545.889) 187.509 2.405 12.433 (7.661) 180.332 805.429 (161.323) (50.603) (47.370) 546.133 (130.192) 415.941 415.941 -

As notas explicativas anexas são parte integrante das demonstrações financeiras.

100

Sulamérica Relatório Anual 2008

BalanÇoS PatriMoniaiS
DEMONSTRAÇÕES DO RESULTADO PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 E DE 2007 (Em milhares de reais, exceto onde mencionado) Controladora 2007 (45.291) (5.140) (7.166) 186.766 (193.932) 421.069 421.584 (515) (618) 362.854 34 (2) 362.886 362.886 (50.863) 312.023 281.295.931 1.109,23 Consolidado 2007 6.611.174 6.801.630 241.324 (37.584) (269.478) 1.339 (126.057) (37.081) 6.574.093 1.579 (4.464.703) (4.678.587) (92.274) (39.989) 158.289 173.105 14.753 (18.099) (15.284) (2.815) (692.675) (710.037) 13.696 (3.153) 6.819 (141.332) 128.701 (270.033) 133.472 133.472 (68.963) 8.470 (37.952) (37.844) (108) (3.279) 396 396 27.491 21.625 (869.480) (195.813) 400.504 1.013.971 (613.467) (431) 1.310 223 (1.964) 1.296 676.199 (186.802) (67.390) (32.531) 389.476 (67.984) 321.492 321.492 -

Notas OPERAÇÕES DE SEGUROS PRÊMIOS RETIDOS Prêmios de Seguros Prêmios Convênio DPVAT Prêmios Cedidos em Co-seguros Prêmios Cedidos em Resseguros Prêmios Retrocessão Prêmios Cedidos em Consórcios e Fundos VARIAÇÕES DAS PROVISÕES TÉCNICAS PRÊMIOS GANHOS RENDAS COM TAXA DE GESTÃO SINISTROS RETIDOS Sinistros Diretos Sinistros de Consórcios e Fundos Serviços de Assistência Recuperação de Sinistros Salvados e Ressarcimentos Variação da Provisão de Sinistros Ocorridos mas não Avisados DESPESAS COM BENEFÍCIOS Despesas com Benefícios Retidas Variação da Provisão de Eventos Ocorridos mas não Avisados DESPESAS DE COMERCIALIZAÇÃO Comissões Recuperação de Comissões Outras Despesas de Comercialização Variação das Despesas de Comercialização Diferidas OUTRAS RECEITAS E DESPESAS OPERACIONAIS Outras Receitas Operacionais Outras Despesas Operacionais OPERAÇÕES DE PREVIDÊNCIA RENDAS DE CONTRIBUIÇÕES RETIDAS Rendas de Contribuições VARIAÇÕES DAS PROVISÕES TÉCNICAS RENDAS COM TAXA DE GESTÃO DESPESAS COM BENEFÍCIOS E RESGATES Despesas com Benefícios Variação da Provisão de Eventos Ocorridos mas não Avisados DESPESAS DE COMERCIALIZAÇÃO OUTRAS RECEITAS E DESPESAS OPERACIONAIS Outras Receitas Operacionais Outras Despesas Operacionais RESULTADO COM OPERAÇÕES DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE RESULTADO DA ATIVIDADE FINANCEIRA DESPESAS ADMINISTRATIVAS DESPESAS COM TRIBUTOS RESULTADO FINANCEIRO Receitas Financeiras Despesas Financeiras RESULTADO PATRIMONIAL Receitas/despesas com Imóveis de Renda Ajustes de Investimentos em Controladas e Coligadas Outras Receitas/Despesas Patrimoniais Lucro na venda de permanente RESULTADO NÃO OPERACIONAL RESULTADO ANTES DE IMPOSTOS E PARTICIPAÇÕES Imposto de Renda Contribuição Social Participações sobre o Resultado RESULTADO APÓS IMPOSTOS E PARTICIPAÇÕES Participações de Acionistas não Controladores RESULTADO ANTES DA REVERSÃO DOS JUROS SOBRE O CAPITAL PRÓPRIO Juros sobre o Capital Próprio LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO QUANTIDADE DE AÇÕES LUCRO LÍQUIDO POR LOTE DE MIL AÇÕES - R$ – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – 20.2 – – – – – 20.4 20.5 – – – – – – – – – – – – – 20.3 – – 20.6 20.7 – – 9.1 – 20.8 – – 21 21 – – – – – – – –

2008 (5.757) (5.803) 27.635 221.758 (194.123) 453.480 458.862 (5.647) 265 469.555 2.173 747 472.475 472.475 (56.834) 415.641 280.913.431 1.479,61

2008 7.316.461 7.680.366 105.007 (62.200) (352.288) 458 (54.882) (331.385) 6.985.076 3.067 (4.939.622) (5.208.881) (37.616) (38.900) 163.736 218.759 (36.720) (18.509) (18.118) (391) (776.399) (840.782) 23.238 (1.995) 43.140 (86.986) 131.118 (218.104) 157.486 157.486 (126.923) 12.290 (22.041) (21.989) (52) (4.698) (1.453) (1.453) 28.644 23.371 (936.911) (175.438) 496.966 1.042.855 (545.889) 187.509 2.405 12.433 (7.661) 180.332 805.429 (161.323) (50.603) (47.370) 546.133 (130.192) 415.941 415.941 -

101

Sulamérica Relatório Anual 2008

As notas explicativas anexas são parte integrante das demonstrações financeiras.

BalanÇoS PatriMoniaiS

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO PARA O EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Em milhares de reais, exceto onde mencionado) Controladora 265 265 265 (4.546) (4.546) (4.860) (1.484) (3.376) (9.141) (9.141) 478.127 91.043 458.862 (74.209) 53 2.378 468.986 468.986 5.214 3.578 1.636 3.294 3.284 10 44.837 44.759 78 415.641 415.641 Consolidado 8.655.900 8.054.095 157.486 15.357 180.332 28.644 23.371 166.269 30.346 (458.308) (331.385) (126.923) 8.197.592 (5.523.167) (5.288.153) (36.743) (207.434) (420) 9.583 (1.430.732) (152.401) (1.320.949) 43.140 (522) 1.243.693 (35.159) 1.208.534 392.460 685.390 8.529 (164.865) (140.870) (75.277) (12.314) 74.549 17.318 1.600.994 1.600.994 422.794 330.014 67.800 24.980 542.203 530.771 238 11.194 89.948 68.619 21.329 546.049 (84) 415.941 130.192

1 - RECEITAS 1.1) Receitas com Operações de Seguros 1.2) Receitas com Operações de Previdência Complementar 1.3) Rendas com Taxas de Gestão e Outras Taxas 1.4) Resultado de Alienação de Bens - Ativo Permanente 1.5) Resultado com Operações de Assistência a Saúde 1.6) Resultado da Atividade Financeira 1.7) Outras 1.8) Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa - Reversão 2 - VARIAÇÕES DAS PROVISÕES TÉCNICAS 2.1) Operações de Seguros 2.2) Operações de Previdência 3 - RECEITA LÍQUIDA OPERACIONAL (1+2) 4 - BENEFÍCIOS E SINISTROS 4.1) Sinistros 4.2) Variação da Provisão de Sinistros Ocorridos mas não Avisados 4.3) Despesas com Benefícios e Resgates 4.4) Variação da Provisão de Eventos Ocorridos, mas não Avisados 4.5) Outras 5 - INSUMOS ADQUIRIDOS DE TERCEIROS 5.1) Materiais, Energia e Outros 5.2) Serviços de Terceiros, Comissões Líquidas 5.3) Variação das Despesas de Comercialização Diferidas 5.4) Perda / Recuperação de Valores Ativos 6 - VALOR ADICIONADO BRUTO (3-4-5) 7 - DEPRECIAÇÃO, AMORTIZAÇÃO E EXAUSTÃO 8- VALOR ADICIONADO LÍQUIDO PRODUZIDO PELA ENTIDADE (6-7) 9 - VALOR ADICIONADO RECEBIDO/CEDIDO EM TRANSFERÊNCIA 9.1) Receitas Financeiras 9.2) Resultado de Equivalência Patrimonial (Nota 9.1) 9.3) Resultado com Operações de Resseguros Cedidos 9.4) Resultado com Operações de Cosseguros Cedidos 9.5) Variações Cambiais - Empréstimos e Compromissos Mobiliários 9.6) Variações Monetárias e Cambiais - Seguros e Previdência 9.7) Atualizações Monetárias - Depósitos Judiciais 9.8) Outras 10 - VALOR ADICIONADO TOTAL A DISTRIBUIR (8+9) 11 - DISTRIBUIÇÃO DO VALOR ADICIONADO 11.1) Pessoal 11.1.1 - Remuneração Direta 11.1.2 - Benefícios 11.1.3 - F.G.T.S. 11.2) Impostos, Taxas e Contribuições 11.2.1 - Federais 11.2.2 - Estaduais 11.2.3 - Municipais 11.3) Remuneração de Capitais de Terceiros 11.3.1 - Juros 11.3.2 - Aluguéis 11.4) Remuneração de Capitais Próprios 11.4.2 - Dividendos 11.4.3- Lucros Retidos do Exercício 11.4.4 - Participação dos Acionistas não Controladores nos Lucros Retidos

As notas explicativas anexas são parte integrante das demonstrações financeiras.

102

Sulamérica Relatório Anual 2008

DeMonStraÇõeS Do FluXo De CaiXa
DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 E DE 2007 (Em milhares de reais, exceto onde mencionado)

2008 ATIVIDADES OPERACIONAIS COBRANÇA Prêmios de Seguros Rendas de Contribuições Planos Administrados Outros SINISTROS E BENEFÍCIOS Seguros Resgates / Benefícios de Previdência Planos Administrados COMISSÕES RECEITAS E DESPESAS OPERACIONAIS DESPESAS ADMINISTRATIVAS Pessoal Gerais IMPOSTOS E CONTRIBUIÇÕES Imposto de Renda e Contribuição Social PIS e COFINS Outros DIVIDENDOS E JUROS SOBRE O CAPITAL PRÓPRIO ENCARGOS FINANCEIROS TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS MENSURADOS AO VALOR JUSTO POR MEIO DO RESULTADO Compra Venda Rendimento OUTROS RECEBIMENTOS (PAGAMENTOS) CAIXA LÍQUIDO GERADO (CONSUMIDO) NAS ATIVIDADES OPERACIONAIS ATIVIDADES DE INVESTIMENTO TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS - DEMAIS CATEGORIAS Compra Venda e maturidade DEPÓSITOS E RESGATES JUDICIAIS Depósitos Judiciais Resgates de Depósitos Judiciais COMPRA E VENDA DE PARTICIPAÇÕES SOCIETÁRIAS COMPRA E VENDA DE ATIVOS IMOBILIZADOS Equipamentos de Processamento de Dados/ Software Benfeitorias em Imóveis de Terceiros e Outros CAIXA LÍQUIDO CONSUMIDO NAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTOS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTO FINANCIAMENTOS - PAGAMENTOS Empréstimos Internos e Linhas de Crédito Empréstimos Externos DIVIDENDOS E JUROS SOBRE O CAPITAL PRÓPRIO CAPTAÇÃO DE RECURSOS PAES - PARCELAMENTO ESPECIAL LEI Nº 10.684 OUTROS PAGAMENTOS CAIXA LÍQUIDO GERADO (CONSUMIDO) NAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTO AUMENTO NAS DISPONIBILIDADES CAIXA E EQUIVALENTE DE CAIXA NO INÍCIO DO EXERCÍCIO CAIXA E EQUIVALENTE DE CAIXA NO FIM DO EXERCÍCIO AUMENTO NAS DISPONIBILIDADES 24 (6.248) (1.682) (4.566) (5.758) (2.216) (434) (3.108) 90.095 (18.877) 275.764 (578.612) 843.837 10.539 4.242 339.242 (81.453) (91.091) 9.638 (182) (198) 16 (36.178) (240) (232) (8) (118.053) (63.244) (60) (1.849) (65.153) 156.036 52 156.088 156.036

Controladora 2007 (19.195) (1.085) (18.110) (12.047) (4.716) (881) (6.450) 19.291 (31.403) (403.584) (862.024) 368.028 90.412 (41.955) (488.893) 914 (638) 1.552 (90) (90) (543.513) (5) (220) 215 (542.694) 276.045 95 275.950 (20.455) 775.000 (60) 1.030.530 (1.057) 1.109 52 (1.057)

2008 8.197.453 7.296.598 382.249 488.707 29.899 (5.313.906) (4.739.208) (137.190) (437.508) (861.787) (152.410) (770.730) (352.773) (417.957) (520.659) (203.805) (118.398) (198.456) 8.299 (74.562) 1.128.040 (9.681.935) 10.413.636 396.339 2.104 1.641.842 (912.606) (2.512.493) 1.599.887 (223.585) (247.930) 24.345 261.005 (25.556) (14.960) (10.596) (900.742) (214.319) (24.507) (7.194) (246.020) 495.080 16.914 511.994 495.080

Consolidado 2007 7.186.554 6.476.829 233.331 446.352 30.042 (4.751.801) (4.225.043) (120.212) (406.546) (740.338) (83.907) (696.086) (303.872) (392.214) (569.390) (235.797) (152.637) (180.956) 4.273 (122.661) (347.278) (83.810.114) 82.687.383 775.453 (9.152) (129.786) (138.864) (2.160.479) 2.021.615 (197.938) (210.359) 12.421 (891) (28.676) (21.850) (6.826) (366.369) (285.477) (547.620) 262.143 (25.993) 775.000 (24.473) (59) 438.998 (57.157) 74.071 16.914 (57.157)

As notas explicativas anexas são parte integrante das demonstrações financeiras.

103

Sulamérica Relatório Anual 2008

ConCiliaÇÃo entre luCro líQuiDo e CaiXa líQuiDo

104

Sulamérica Relatório Anual 2008

DeMonStraÇõeS DaS MutaÇõeS De PatriMônio liQuiDo
DEMONSTRAÇÕES DAS MUTAÇÕES NO PATRIMÔNIO LÍQUIDO PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 E DE 2007 (Em milhares de reais) Reservas de Capital Reserva Especial de Ágio na Capital Incoporaç Social ãor Reserva de Reserv Opções Alienação a de Outorgad de Ações Incentiv as os Reconhe em cidas Tesouraria Fiscais Reserva de Lucros Controladora Reserva de Ágio na Subscrição de Ações Reserv Total das Ações em as de Reservas Tesourari Reaval de Capital a iação Reserva Reserva para Reserva Reserva Supleme Expansão de Lucros Legal ntar de Negócios a Realizar Ajustes de Total das Avaliação Lucros Reservas Patrimonia Acumulado l s de Lucros

Descriçã o SALDOS EM 31 DE DEZEMB RO DE 2006 Ajustes com Títulos e Valores Mobiliário s Aquisição de Ações para Manutenç ão em Tesourari a Cancela mento das Ações em Tesourari a Reversão da Reserva Supleme ntar Aumento s de capital: Aumento de capital conforme AGE de 24 de setembro de 2007 Aumento de capital conforme RCA de 9 de outubro de 2007 (Nota 19.1.1)

Total

295.098

25.995

-

462.424

192

-

488.611

-

143

7.843

8.309

108.145

19.435

143.732

1.960

-

929.544

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

6.451

-

6.451

-

-

-

-

-

-

-

-658

-

-

-

-

-

-

-

-

-658

-

-

-

-

-

-

-

658

-

-

-

-658

-

-658

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-8.309

-

-

-8.309

-

8.309

-

470.733

-

-

-462.424

-

-

-462.424

-

-

-

-

-

-

-

-

-8.309

-

365.217

-

308.696

-

-

-

308.696

-

-

-

-

-

-

-

-

-

673.913

Aumento de capital conforme RCA de 6 de novembro de 2007 (Nota 19.1.1) Realizaçã o da Reserva de Reavaliaç ão e Lucros a Realizar

54.783

-

46.304

-

-

-

46.304

-

-

-

-

-

-

-

-

-

101.087

-

-

-

-

-

-

-

-

-7

-

-

-

-19.435

-19.435

-

19.442

-

105

Sulamérica Relatório Anual 2008

DeMonStraÇõeS DaS MutaÇõeS De PatriMônio liQuiDo
DEMONSTRAÇÕES DAS MUTAÇÕES NO PATRIMÔNIO LÍQUIDO PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 E DE 2007 (Em milhares de reais) Reservas de Capital Reserva Especial de Ágio na Capital Incoporaç Social ãor Reserva de Reserv Opções Alienação a de Outorgad as de Ações Incentiv os Reconhe em Tesouraria Fiscais cidas Reserva de Lucros Controladora Reserva de Ágio na Subscrição de Ações Reserv Total das Ações em as de Reservas Tesourari Reaval de Capital a iação Reserva Reserva para Reserva Reserva Supleme Expansão de Lucros Legal ntar de Negócios a Realizar Ajustes de Total das Avaliação Lucros Reservas Patrimonia Acumulado de Lucros l s

Descriçã o SALDOS EM 31 DE DEZEMB RO DE 2006 Ajustes com Títulos e Valores Mobiliário s Aquisição de Ações para Manutenç ão em Tesourari a Cancela mento das Ações em Tesourari a Reversão da Reserva Supleme ntar Aumento s de capital: Aumento de capital conforme AGE de 24 de setembro de 2007 Aumento de capital conforme RCA de 9 de outubro de 2007 (Nota 19.1.1)

Total

295.098

25.995

-

462.424

192

-

488.611

-

143

7.843

8.309

108.145

19.435

143.732

1.960

-

929.544

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

6.451

-

6.451

-

-

-

-

-

-

-

-658

-

-

-

-

-

-

-

-

-658

-

-

-

-

-

-

-

658

-

-

-

-658

-

-658

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-8.309

-

-

-8.309

-

8.309

-

470.733

-

-

-462.424

-

-

-462.424

-

-

-

-

-

-

-

-

-8.309

-

365.217

-

308.696

-

-

-

308.696

-

-

-

-

-

-

-

-

-

673.913

Aumento de capital conforme RCA de 6 de novembro de 2007 (Nota 19.1.1) Realizaçã o da Reserva de Reavaliaç ão e Lucros a Realizar

54.783

-

46.304

-

-

-

46.304

-

-

-

-

-

-

-

-

-

101.087

-

-

-

-

-

-

-

-

-7

-

-

-

-19.435

-19.435

-

19.442

-

106

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS
(1) ConteXto oPeraCional: a Sul aMÉriCa S.a. é uma sociedade anônima, constituída em 13 de março de 1978 com sede no estado do rio de Janeiro. Participa, por intermédio de suas controladas diretas e indiretas, nos segmentos de seguros de danos, vida, saúde e previdência complementar, prestação de serviços de assistência à saúde, bem como na administração de recursos de terceiros e administração de fundos de investimento. Em 03 de outubro de 2007, a Companhia obteve junto à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) o registro de companhia aberta e em 04 de outubro de 2007 a oferta pública de distribuição de 21.739.132 units (certificados de depósito de ações representando, cada uma, uma ação ordinária e duas ações preferenciais) foi registrada pela CVM. as units passaram a ser negociadas na Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros (BM&FBoVeSPa) em 05 de outubro de 2007, sob o código Sula11, e foram listadas no nível 2 de Governança Corporativa. em 06 de novembro de 2007, o Conselho de administração aprovou aumento de capital, no montante de R$54.783, mediante a emissão de 3.260.868 de units, com exclusão do direito de preferência dos acionistas da Companhia, referentes ao exercício de opção de subscrição ou aquisição de units outorgada pela Companhia ao Banco uBS Pactual S.a., com preço unitário de emissão das units, no valor de r$31,00 (trinta e um reais). o exercício dessa opção de lote suplementar elevou o montante da oferta em r$101.087, totalizando a distribuição de 25.000.000 units e o montante de R$775.000. (2) aPreSentaÇÃo DaS DeMonStraÇõeS FinanCeiraS: As demonstrações financeiras anexas foram elaboradas com base nas práticas contábeis adotadas no Brasil que contemplam as disposições contidas na lei das Sociedades por ações e normas expedidas pela CVM até 31 de dezembro de 2008, incluindo as alterações produzidas pela Deliberação CVM nº 565, de 17 de dezembro de 2008, que aprova o Pronunciamento técnico do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) nº 13 que trata da adoção inicial da lei nº 11.638/07 e da Medida Provisória (MP) nº 449/2008. Conforme previsto no CPC nº 13, na elaboração das demonstrações financeiras do exercício findo em 31 de dezembro de 2008, a Controladora e suas controladas diretas e indiretas elegeram e prepararam o seu balanço de abertura com a datade transição em 1º de janeiro de 2008, com intuito de refletir integralmente os ajustes das práticas contábeis produzidas pela mencionada lei e MP. o sumário das práticas contábeis modificadas e a demonstração dos efeitos no resultado e no Patrimônio líquido da adoção inicial está apresentado na nota (4.1). As referidas demonstrações financeiras compreendem os balanços patrimoniais, as demonstrações de resultado, das mutações no patrimônio líquido, as demonstrações dos fluxos de caixa, que na Controladora e no consolidado consideram as movimentações de compras e vendas de cada um dos títulos e valores mobiliários dos fundos de investimentos exclusivos, para os exercícios findos em 31 de dezembro de 2008 e de 2007 e a demonstração de valor adicionado para o exercício findo em 31 de dezembro de 2008 da Companhia e suas controladas diretas e indiretas. as Demonstrações Financeiras da Controladora e suas controladas diretas e indiretas foram aprovadas pelo Conselho de administração em 19 de fevereiro de 2009, com publicações nos jornais Valor econômico e Diário oficial do estado do rio de Janeiro, no dia 27 de fevereiro de 2009.

107

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS
VeJa aS eMPreSaS ConSoliDaDaS.

(i) em 31 de dezembro de 2008, a Companhia tem, indiretamente, 100,00% da Sul américa Companhia nacional de Seguros (96,95% em 2007), que tem 60,00% de participação no capital votante da Brasilveículos Companhia de Seguros (mesmo percentual em 2007);

108

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS
(ii) em 31 de julho de 2007, a controlada indireta Sul américa Companhia nacional de Seguros adquiriu as ações possuídas pela Gerling-Kozern Welt Service aktiengesellschaft, correspondentes a sua participação na Gerling Sul América S.A. Seguros industriais. em 08 de agosto de 2007, em assembleia Geral extraordinária, foi aprovada a alteração da denominação social da controlada indireta Gerling Sul América S.A. Seguros industriais para Sul américa Companhia de Seguros Gerais, cuja aprovação foi concedida pela Superintendência de Seguros Privados (SuSeP) em 20 de março de 2008. em 03 de julho de 2008, foi submetida à autorização prévia da SuSeP a transferência de suas operações de seguros, exceto a carteira referente ao Convênio DPVat, para a Sul américa Companhia nacional de Seguros, que ainda encontra-se em análise, por parte da SuSeP. (iii) em 09 de novembro de 2007, a controlada indireta Sul américa Serviços de Saúde S.a. obteve junto à agência nacional de Saúde Suplementar (anS) o registro de operadora na modalidade de Medicina de Grupo. em 18 de junho de 2008, foi concedida pela anS autorização para cisão seguida de incorporação da Sul América Serviços Médicos S.A., e para a cessão voluntária de sua carteira de saúde administrado. Em 30 de junho de 2008, os acionistas das controladas indiretas Sul américa Serviços de Saúde S.a., Sul américa Serviços Médicos S.A. e Sul América Seguro Saúde S.A. aprovaram a cisão e a incorporação, incluindo a cessão da carteira de planos administrados da Sul América Serviços Médicos S.A. para a Sul América Serviços de Saúde S.a. Do total do patrimônio líquido contábil de r$89.248, na database de 31 de maio de 2008, o valor de R$58.714 foi vertido para a Sul América Seguro Saúde S.A. e R$30.534 para a Sul América Serviços de Saúde S.a. as operações ocorridas durante o mês de junho também foram vertidas nas mesmas proporções informadas anteriormente, em função da necessidade da apuração fiscal; (iV) em 31 de dezembro de 2008, a Companhia tem, indiretamente, 100,00% da Sul américa Serviços de Saúde S.a., que tem 50,05% de participação direta no capital votante da Brasilsaúde Companhia de Seguros. em 31 de dezembro de 2007, a Sul américa Serviços Médicos S.a. tinha o mesmo percentual de participação direta no capital votante da Brasilsaúde Companhia de Seguros; (V) as demonstrações financeiras dessas companhias referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2008 e de 2007 foram auditadas pela BDo trevisan auditores independentes, cujos pareceres foram emitidos sem ressalvas, pelo responsável técnico Mateus de lima Soares - CrC rJ 1 rJ079681/o-0; (Vi) em 12 de setembro de 2008, o Conselho de administração da sua controlada indireta, Sul américa Companhia nacional de Seguros, autorizou a alienação da totalidade da participação acionária na Corcovado S.a., equivalente a 99,46% do capital social. Em decorrência da mencionada decisão, a totalidade do saldo do ativo permanente, no montante de R$7.118, representado basicamente por imóveis e terrenos, foi reclassificado para o ativo não circulante, na rubrica outros Valores e Bens; (Vii) na assembleia Geral extraordinária realizada em 9 de junho de 2008, os acionistas da controlada Brasilveículos Companhia de Seguros deliberaram, com base no Protocolo de incorporação e Justificação da administração, datado de 6 de junho de 2008, e no correspondente laudo de avaliação do acervo líquido Contábil elaborado por empresa especializada independente, a incorporação de 50,00% do Patrimônio líquido Contábil da controlada indireta alutrens Participações S.a. no montante de r$244.679. o acervo líquido em 31 de maio de 2008, objeto da incorporação mencionada acima, pode ser resumido abaixo:

109

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS
(2.1) PrinCiPaiS PrátiCaS aDotaDaS na ConSoliDaÇÃo: (a) eliminação dos saldos das contas entre a Controladora e as controladas diretas e indiretas incluídas na consolidação, bem como das contas mantidas entre as controladas; (b) eliminação dos investimentos da Controladora nas empresas controladas diretas e indiretas, incluídas na consolidação e dos investimentos entre as controladas; (c) Destaque nos balanços patrimoniais e nas demonstrações de resultado da parcela correspondente à participação de acionistas não controladores; (d) Consolidação dos fundos de investimento exclusivos; (e) a controlada indireta alutrens Participações S.a. até 31 de maio de 2008 era consolidada pelo método de consolidação proporcional, utilizando-se o percentual de participação sobre o capital social. a alutrens Participações detinha 10,00% do capital social da telemar Participações S.a. (vide nota nº 9.1). (2.2) ConCiliaÇÃo Do reSultaDo: oS reSultaDoS Da ControlaDora e Do ConSoliDaDo eStÃo ConCiliaDoS aBaiXo:

(2.3) ConCiliaÇÃo Do PatriMônio líQuiDo: o PatriMônio líQuiDo Da ControlaDora e ConSoliDaDo eStÃo ConCiliaDoS aBaiXo:

(a) efeito de ajustes de exercícios anteriores em função de mudança de prática contábil referente a contabilização da provisão complementar de prêmios efetuada pelas controladas indiretas Sul américa Companhia nacional de Seguros, Sul américa Seguros de Vida e Previdência S.a. e Sul américa Companhia de Seguros Gerais.

110

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS
3) PrinCiPaiS PrátiCaS ContáBeiS: as práticas contábeis mais relevantes adotadas pela Controladora e suas controladas diretas e indiretas são: (a) apuração do resultado: o resultado é apurado pelo regime contábil de competência, exceto para as contribuições previdenciárias, e considera: os prêmios de seguros são contabilizados a partir da data de emissão das apólices/faturas como Prêmios Diretos. os prêmios de seguros para os ramos que têm emissão antecipada ao período de cobertura de risco são reconhecidos no resultado a partir do início do período de vigência. os prêmios de seguros relativos a riscos vigentes, cujas apólices/faturas ainda não foram emitidas, são calculados atuarialmente; as importâncias recebidas a título de contribuições previdenciárias são contabilizadas como rendas de Contribuições retidas pelo regime de caixa. os direitos desses contribuintes são refletidos nas provisões técnicas mediante débitos a resultado; as comissões referentes aos produtos de seguros de danos são diferidas e amortizadas, exceto para os ramos de riscos decorridos, com base no prazo de vigência dos contratos de seguros, e são contabilizadas na rubrica Despesas de Comercialização Diferidas - Seguros e resseguros. as comissões relativas aos ramos de riscos decorridos não são diferidas. as comissões relativas a riscos vigentes, cujas apólices/faturas ainda não foram emitidas, são calculadas estatisticamente. as parcelas das comissões, que serão amortizadas após 12 meses, são contabilizadas na rubrica Despesas de Comercialização Diferidas - Seguros e resseguros, no ativo não circulante; as comissões referentes aos produtos de seguros saúde e de vida são diferidas e amortizadas pelo prazo médio da permanência dos segurados em carteira, considerando-se a vigência das apólices e o prazo de cobertura à qual a despesa de comercialização se refere, e a expectativa de cancelamento ou não renovação das apólices. as comissões que serão amortizadas até os próximos 12 meses são classificadas na rubrica Despesas de Comercialização Diferidas - Seguros e resseguros no ativo circulante, e as que serão amortizadas após os próximos 12 meses, são classificados na rubrica Despesas de Comercialização Diferidas - Seguros e resseguros no ativo não circulante; as comissões referentes aos planos de previdência privada são diferidas e amortizadas pelo prazo médio de permanência dos participantes nos planos. as comissões são contabilizadas na rubrica Despesas de Comercialização Diferidas - Previdência; os custos de angariação referentes aos produtos de seguros de vida e saúde são diferidos e amortizados pelo prazo médio da permanência dos segurados em carteira, considerando-se a expectativa de cancelamento ou não renovação das apólices. os custos de angariação, que serão amortizados após os próximos 12 meses, são classificados na rubrica Despesas de Comercialização Diferidas - Seguros e resseguros, no ativo não circulante; o cálculo dos juros sobre o capital próprio tem como base a variação da taxa de Juros de longo Prazo (tJlP) sobre o patrimônio líquido, limitado a 50% do lucro do exercício antes do imposto de renda ou 50% dos lucros acumulados e das reservas de lucros, podendo ser utilizado o maior entre os dois limites, conforme legislação vigente. os juros sobre o capital próprio creditados são registrados nas despesas financeiras e os juros recebidos nas receitas financeiras, para fins de divulgação das demonstrações financeiras, são apresentados a débito de lucros acumulados e a crédito de investimentos, respectivamente, tendo como contrapartida na última linha da demonstração do resultado antes do saldo da conta lucro líquido do exercício. (B) BalanÇo PatriMonial: os direitos realizáveis e as obrigações exigíveis após os próximos 12 meses são classificados no ativo e passivo não circulante, respectivamente; 111 Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS as transações em moeda estrangeira são contabilizadas pela taxa de conversão do dia da transação. ativos ou passivos denominados em moedas estrangeiras são convertidos utilizando-se a taxa de câmbio em 31 de dezembro de 2008 e de 2007. as variações cambiais são reconhecidas nas demonstrações de resultado; os ativos e passivos sujeitos à atualização monetária são atualizados com base nos índices definidos legalmente ou em contrato. (3.1) atiVoS FinanCeiroS CirCulanteS e nÃo CirCulanteS Demonstrados ao valor de custo ou realização, incluindo, quando aplicável, os respectivos rendimentos e as variações monetárias ou cambiais auferidos em 31 de dezembro de 2008 e de 2007. a partir de 1º de janeiro de 2008, exceto para as operações de seguros e previdência, conforme mencionado na nota (4.1.6), tais ativos são ajustados a valor presente, quando aplicável, e no caso de ativos financeiros circulantes apenas se o efeito for relevante: o saldo de equivalentes de Caixa, composto por ativos financeiros mobiliários que tenham como característica o compromisso de recompra ou o prazo de repactuação diário, em 31 de dezembro de 2008, passou a ser demonstrado na rubrica aplicações no Mercado aberto, visando atender ao disposto na Deliberação CVM nº 547 de 13 de agosto de 2008, que aprova o Pronunciamento técnico CPC nº 03, aplicáveis aos exercícios encerrados a partir de 31 de dezembro de 2008; As aplicações financeiras estão classificadas e avaliadas de acordo com a intenção de negociação nas seguintes três classificações: - títulos e valores mobiliários mensurados ao valor justo por meio do resultado: os títulos e valores mobiliários, adquiridos com o propósito de serem ativa e freqüentemente negociados, são contabilizados pelo valor de custo, acrescido dos rendimentos auferidos no exercício, ajustados ao valor justo e classificados no ativo circulante. os rendimentos, as valorizações e desvalorizações sobre esses títulos e valores mobiliários são reconhecidos no resultado. - títulos e valores mobiliários disponíveis para a venda: os títulos e valores mobiliários que não se enquadram nas categorias mensurados ao valor justo por meio do resultado nem como mantidos até o vencimento são contabilizados pelo valor de custo, acrescido dos rendimentos auferidos no exercício, que são reconhecidos no resultado, e ajustados aos correspondentes valores justos. as valorizações e desvalorizações não realizadas são reconhecidas, em conta específica, no patrimônio líquido, líquidas dos seus correspondentes efeitos tributários, e quando realizadas, são apropriadas no resultado, em contrapartida da conta específica do patrimônio líquido. - títulos e valores mobiliários mantidos até o vencimento: os títulos e valores mobiliários para os quais a Controladora e suas controladas diretas e indiretas possuem a intenção e a capacidade financeira para sua manutenção em carteira até o vencimento são contabilizados pelo valor de custo acrescido dos rendimentos auferidos no exercício, que são reconhecidos no resultado. - instrumentos financeiros derivativos - swaps e contratos futuros mantidos na carteira de investimentos ou nos fundos de investimento exclusivos, utilizados para administrar a exposição em relação às variações cambiais e à flutuação das taxas de juros, são contabilizados pelo valor justo, com as valorizações ou desvalorizações reconhecidas diretamente no resultado. (nota 5); os prêmios fracionados são contabilizados como Prêmios a receber, no ativo circulante, e baixados de acordo com os recebimentos das parcelas; os créditos tributários de imposto de renda e de contribuição social diferidos foram constituídos com base nas alíquotas vigentes em 31 de dezembro de 2008 e de 2007, quando aplicável.

112

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS
(3.2) PerManente: DeMonStraDo ao CuSto, CorriGiDo MonetariaMente atÉ 31 De DeZeMBro De 1995 e, QuanDo aPliCáVel, reDuZiDo De ProViSÃo Para DeSValoriZaÇÃo QuanDo Seu Valor ContáBil reSiDual eXCeDer ao Valor reCuPeráVel, CoMBinaDo CoM oS SeGuinteS aSPeCtoS: As participações acionárias permanentes em controladas diretas e indiretas são avaliadas pelo método de equivalência patrimonial; as demonstrações financeiras das controladas indiretas estrangeiras são convertidas às práticas contábeis adotadas no Brasil com a finalidade de manter a consistência com as demais companhias. Estas demonstrações são convertidas em reais, utilizando-se a taxa de câmbio em vigor em 31 de dezembro de 2008 e de 2007, conforme publicado pelo Banco Central do Brasil (BaCen). os ganhos e as perdas apurados na conversão dessas demonstrações financeiras, provenientes dos efeitos da desvalorização (ou valorização) das moedas dos países sede de cada controlada indireta estrangeira em relação ao real, são reconhecidos no resultado na rubrica resultado Patrimonial, considerando que tais controladas indiretas funcionam, na essência, como extensão das atividades de companhias controladas indiretas; a depreciação do imobilizado é calculada pelo método linear, e leva em consideração o tempo de vida útil estimada dos bens e as taxas utilizadas estão demonstradas na nota (9.2); a depreciação dos imóveis destinados à renda, classificados no investimento, é calculada pelo método linear, e leva em consideração o tempo de vida útil estimada dos bens em até 25 anos; a amortização do diferido e do intangível é calculada pelo método linear, com base nas taxas mencionadas nas notas (9.3) e (9.4); a provisão para desvalorização ao valor recuperável de ativos (impairment) é determinada quando o valor contábil residual exceder o valor de recuperação, que será o maior valor entre o valor estimado na venda e o seu valor em uso, determinado pelo valor presente dos fluxos de caixa futuros estimados em decorrência do uso do ativo ou unidade geradora de caixa, sendo a avaliação da necessidade de verificação do valor recuperável de ativos feita no mínimo anualmente. nota (4.1.5). (3.3) PaSSiVoS FinanCeiroS CirCulanteS e nÃo CirCulanteS: Demonstrados pelos valores conhecidos ou exigíveis, acrescidos, quando aplicável, dos respectivos encargos e variações monetárias ou cambiais incorridos em 31 de dezembro de 2008 e de 2007. a partir de 1º de janeiro de 2008, exceto para as operações de seguros e previdência, conforme mencionado na nota (4.1.6), tais passivos são ajustados a valor presente, quando aplicável, e no caso de passivos financeiros circulantes apenas se o efeito for relevante: (3.3.1) oPeraÇõeS De SeGuroS e PreViDênCia: os depósitos de terceiros referem-se, principalmente, aos prêmios recebidos cujas apólices ainda não foram emitidas e às parcelas ainda não baixadas de prêmios a receber; a provisão de prêmios não ganhos (PPnG) é constituída pelo método pro rata die, tendo como base o prêmio comercial retido dividido pelo número de dias de cobertura total, multiplicado pelo número de dias da cobertura do risco a decorrer, ou seja, da database das demonstrações financeiras até o término da vigência dos riscos dos contratos de seguros. a PPnG é constituída para os contratos de seguros de danos, de saúde, e de vida em grupo;

113

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS a provisão de prêmios não ganhos para os riscos vigentes mas não emitidos (PPnG-rVne) é constituída para apurar a parcela de prêmios ainda não ganhos relativos às apólices ainda não emitidas cujos riscos já estão vigentes. É calculada a partir da multiplicação da PPnG pelo fator esperado de atraso. o fator esperado de atraso é calculado com base na média ponderada de atrasos de emissão observados nos 12 (doze) meses do exercício anterior aos exercícios findos em 31 de dezembro de 2007 e de 2008, nos trabalhos de avaliação atuarial anual, para os contratos de seguro de danos e de vida em grupo. Para alguns ramos cujas vigências de riscos individuais não ultrapassam para o mês seguinte, aplica-se e calcula-se o fator de atraso em função do prêmio emitido retido e não da PPnG, aplicando-se a metodologia acima descrita para o cálculo do fator esperado de atraso; a provisão de riscos não expirados (Prne) é constituída pelo método pro rata die, tendo como base o prêmio e a contribuição líquidos, divididos pelo número de dias de cobertura total, multiplicado pelo número de dias da cobertura do risco a decorrer, ou seja, da database das demonstrações financeiras até o término da vigência dos riscos dos contratos de seguros de vida individual e previdência complementar; a provisão de riscos não expirados para riscos vigentes mas não recebidos (Prne-rVnr) é constituída para apurar a parcela de prêmios e de contribuições ainda não ganhos relativos às apólices ainda não emitidas cujos riscos já estão vigentes. É calculada a partir da multiplicação do prêmio ganho e da contribuição retida pelo fator esperado de atraso. o fator esperado de atraso é calculado com base na média ponderada de atrasos de emissão observados nos 12 (doze) meses do exercício anterior, aos exercícios findos em 31 de dezembro de 2007 e 2008, nos trabalhos de avaliação atuarial anual, para os contratos de seguros de vida individual e de previdência complementar; a provisão complementar de prêmios (PCP) foi instituída pelo CnSP através da resolução nº 162/06, alterada pela resolução nº 181/07, para os contratos de previdência complementar e de seguros, exceto para os ramos de saúde individual e grupal, e está contabilizada na rubrica outras provisões no passivo circulante. Para os contratos de seguro de danos, exceto para o ramo de automóveis, e de vida em grupo, esta provisão é igual ao máximo entre 0 (zero) e a diferença entre a média dos valores de provisão de prêmios não ganhos apurados diariamente no mês de sua constituição e a provisão de prêmios não ganhos constituída no final do respectivo mês. Para os contratos de seguros de vida individual e de previdência complementar, esta provisão é igual ao máximo entre 0 (zero) e a diferença entre a média dos valores de provisão de riscos não expirados apurados diariamente no mês de sua constituição e a provisão de riscos não expirados constituída no final do respectivo mês; a provisão de sinistros a liquidar (PSl) é constituída para a cobertura dos valores a pagar por sinistros já avisados até a database das demonstrações financeiras, de acordo com a responsabilidade retida da sociedade seguradora, compreendendo: (i) para os ramos de danos e de vida em grupo, a PSl é constituída pela estimativa do valor a indenizar, calculada com base nos avisos de sinistros recebidos, e é ajustada, periodicamente, com base nas análises efetuadas pelas áreas técnicas. Para estes contratos, a provisão de sinistros a liquidar é ainda ajustada com base em cálculos estatístico-atuariais, os quais partem da estimativa final de sinistros já ocorridos e ainda não pagos, conhecida como iBnP, calculada com base em métodos estatísticos conhecidos como triângulos de run-off mensais, que observam o desenvolvimento histórico do comportamento da provisão de sinistros a liquidar e/ou dos pagamentos de sinistros para se obter uma projeção futura por período de ocorrência de sinistros. Dependendo do ramo de seguros, o desenvolvimento histórico observado varia de 60 (sessenta) a 140 (cento e quarenta) meses. a estimativa final de sinistros já ocorridos e ainda não pagos é líquida da estimativa de salvados a receber, desenvolvidos também pelos métodos dos triângulos de run-off. tomando-se a estimativa final de sinistros já ocorridos e ainda não pagos e subtraindo-se a estimativa final de sinistros ocorridos mas não avisados, obtém-se o valor estatístico de ajuste, que se refere ao desenvolvimento futuro dos sinistros já ocorridos, e que é proporcionalmente registrado parte como ajuste da PSl e parte como ajuste da provisão de sinistros ocorridos mas não avisados (iBnr) e 114 Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS
(ii) para os contratos de seguros de saúde a provisão de sinistros a liquidar é constituída pela estimativa do valor a indenizar, calculada com base nos avisos de sinistros recebidos, e ajustada periodicamente com base nas análises efetuadas pelas áreas técnicas; os prêmios fracionados são contabilizados como Prêmios a receber, no ativo circulante, e baixados de acordo com os recebimentos das parcelas; as provisões de sinistros a liquidar e benefícios a regularizar em disputa judicial são reavaliadas periodicamente e atualizadas mensalmente pelo índice nacional de Preços ao Consumidor (inPC) e por juros de 0,5% ao mês até dezembro de 2002 e de 1% ao mês de janeiro de 2003 em diante. as provisões são contabilizadas com base na opinião do Departamento Jurídico interno, dos consultores legais independentes e da administração sobre o provável resultado dos processos judiciais e com base em percentuais específicos obtidos a partir da análise do histórico de pagamentos efetuados nos casos encerrados, calculados levando-se em consideração a natureza dos processos judiciais, a respectiva probabilidade de perda do processo, o desembolso financeiro esperado e o grupamento de ramo de seguro envolvido, quando aplicável. até novembro de 2007, esta análise contemplava o período de abril de 2004 a setembro de 2006, totalizando 30 meses. a partir de dezembro de 2007, a mencionada análise foi atualizada em três períodos: (i) em dezembro de 2007, ampliando sua base de histórico de pagamentos efetuados nos casos encerrados para 42 meses, compreendendo o período de abril de 2004 a setembro de 2007, (ii) em setembro de 2008, ampliando sua base para 48 meses de observação, contemplando o período de abril de 2004 a março de 2008, e (iii) em dezembro de 2008, ampliando a base para 53 meses de observação, incluindo o período de abril de 2004 a agosto de 2008. os mencionados percentuais foram calculados a partir da análise da relação dos valores despendidos com os processos encerrados, por êxito, acordo judicial ou condenação judicial e as suas correspondentes estimativas históricas de exposição ao risco. as provisões estão contabilizadas, na rubrica Sinistros a liquidar, no passivo circulante e no passivo não circulante, e na rubrica Benefícios a regularizar, no passivo circulante. os honorários de sucumbência referentes às causas de natureza cível relacionadas às indenizações contratuais de sinistros estão contabilizados nas rubricas Sinistros a liquidar no passivo circulante e não circulante e na rubrica Benefícios a regularizar, no passivo circulante. os correspondentes depósitos judiciais estão contabilizados na rubrica Depósitos Judiciais e Fiscais no ativo não circulante, e são atualizados monetariamente pela taxa referencial (tr), conforme legislação vigente; a provisão de benefícios a regularizar (PBar), relativa aos contratos de previdência complementar e de seguros de vida individual, corresponde ao total dos benefícios de pecúlios e rendas vencidos e não pagos aos participantes e beneficiários calculados com base nos avisos recebidos em decorrência de eventos já ocorridos, incluindo atualização monetária. Para os contratos de seguros de vida individual com regime de repartição simples, a PBar é ajustada com base em cálculos estatístico-atuariais. tais cálculos partem da estimativa final de sinistros já ocorridos e ainda não pagos, conhecida como iBnP e calculada com base em métodos estatísticos conhecidos como triângulos de run-off mensais, que observam o desenvolvimento histórico dos pagamentos de sinistros para se obter uma projeção futura por período de ocorrência de sinistros. o desenvolvimento histórico observado é de 140 (cento e quarenta) meses. tomando-se a estimativa final de sinistros já ocorridos e ainda não pagos e subtraindo-se a estimativa final de sinistros ocorridos mas não avisados, obtém-se o valor estatístico de ajuste, que se refere ao desenvolvimento futuro dos sinistros já ocorridos, e que é proporcionalmente registrado parte como ajuste da PBar e parte como ajuste de iBnr; a iBnr é constituída para a cobertura dos sinistros ocorridos e ainda não avisados até a database das demonstrações financeiras, de acordo com a responsabilidade retida da sociedade seguradora. Para os contratos de seguros de danos e de vida, exceto para os contratos de seguros de vida individual por regime de capitalização, a provisão de iBnr é constituída com base na estimativa final de sinistros já ocorridos e ainda não avisados, que é calculada com base em métodos estatísticos, conhecidos como triângulos de run-off, 115 Sulamérica Relatório Anual 2008

reSultaDoS 2008 que observam o desenvolvimento mensal e/ou trimestral histórico dos avisos de sinistros para se obter uma projeção futura por período de ocorrência. tal desenvolvimento é feito tanto por quantidade de sinistros quanto por volume de sinistros, dependendo das características dos ramos dos contratos e buscando-se sempre uma metodologia que melhor se adapte à experiência. Dependendo do ramo de seguros, o desenvolvimento histórico observado varia de 60 (sessenta) a 140 (cento e quarenta) meses. Para todos estes contratos, além da estimativa final de sinistros já ocorridos e ainda não avisados, é adicionalmente registrado na provisão de iBnr o valor de ajuste referente ao desenvolvimento futuro de sinistros já ocorridos. tal ajuste é calculado tomando-se a estimativa final de sinistros já ocorridos e ainda não pagos e subtraindo-se a estimativa final de sinistros ocorridos mas não avisados e segregando-se proporcionalmente o resultado entre ajuste da PSl/ PBar e ajuste de iBnr. Para os contratos de seguros de saúde, a provisão de sinistros ocorridos mas não avisados é constituída com base na estimativa final de sinistros já ocorridos e ainda não pagos subtraindose a provisão de sinistros a liquidar. a estimativa final de sinistros já ocorridos e ainda não pagos para os contratos de saúde é calculada com base em método estatístico, conhecido como triângulo de run-off, que observa o desenvolvimento mensal histórico do comportamento dos pagamentos de sinistros para se obter uma projeção futura. o desenvolvimento histórico observado é de 14 (catorze) a 60 (sessenta) meses. Para os contratos de seguros de vida individual por regime de capitalização e para os contratos de benefícios de risco de previdência complementar, como não se tem experiência interna histórica representativa, a provisão de sinistros ocorridos mas não avisados é calculada a partir da aplicação de percentuais estabelecidos pela Circular SuSeP nº 288, de 1º de abril de 2005 no somatório das contribuições ou prêmios e no somatório dos benefícios pagos ou sinistros pagos nos últimos 12 (doze) meses. Com relação ao ramo DPVat, a provisão de sinistros ocorridos mas não avisados é constituída conforme determina a resolução CnSP nº 153/06; a provisão matemática de benefícios a conceder (PMBaC) é relativa aos contratos de previdência complementar e de seguros de vida individual no regime de capitalização e abrange os compromissos assumidos com os participantes/segurados enquanto não ocorrido o evento gerador do benefício. a PMBaC é calculada com base nas movimentações financeiras de cada participante. A alocação contábil no passivo circulante e não circulante tem como base o fluxo de caixa projetado de benefícios a pagar para os próximos exercícios, que considera premissas atuariais, tais como tábua de mortalidade, taxas de cancelamento e idade de entrada em aposentadoria; a provisão matemática de benefícios concedidos (PMBC) é relativa aos contratos de previdência complementar, de saúde e de seguros de vida individual no regime de capitalização e corresponde ao valor dos benefícios cujo evento gerador tenha ocorrido e tenha sido avisado. a PMBC, relativa aos contratos de previdência complementar e de seguros de vida individual no regime de capitalização, é calculada com base na expectativa de benefícios futuros, descontada para a database das demonstrações financeiras, dos participantes que já estão em fase de recebimento do benefício, estimada a partir das garantias contratadas de tábua de mortalidade e de juros. a PMBC para os ramos de saúde, é constituída para garantia dos benefícios de remissão de prêmios, concedidos aos beneficiários dependentes pelo prazo estabelecido em cada contrato, de até 5 anos, em função do falecimento do segurado titular. A provisão é calculada com base na estimativa de sinistros futuros dos beneficiários descontada para a database das demonstrações financeiras; a provisão de excedentes financeiros (PeF), relativa aos contratos de previdência complementar que possuem garantia mínima de rentabilidade, é calculada com base nos rendimentos que excedem aos juros e/ou à atualização monetária garantidos nos planos, conforme estabelecido em cada contrato; a provisão de oscilação de riscos (Por) tem como objetivo reduzir o risco de eventuais oscilações no volume dos sinistros dos contratos de previdência complementar. A provisão de oscilação de riscos é calculada de forma estocástica, com base nas oscilações de sinistralidade históricas, projetando-se 30.000 (trinta mil) possíveis cenários de sinistralidade e observando-se a possível necessidade de provisão adicional para cada um dos cenários. a Por corresponde à soma de tais provisões adicionais necessárias para os 29.700 (vinte e nove mil e setecentos) melhores cenários, garantindo assim provisão suficiente para reduzir a probabilidade de ruína da carteira a 1% (um por cento); 116 Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS a provisão para despesas administrativas (PDa) é constituída para cobrir despesas decorrentes de pagamento de benefícios futuros em função de eventos ocorridos e a ocorrer para os contratos de previdência complementar. a PDa é contabilizada na rubrica outras Provisões, no passivo circulante e não circulante. a PDa é calculada com base nas despesas administrativas estimadas para os pagamentos de futuros benefícios descontadas para a database das demonstrações financeiras. Para isso, projeta-se o fluxo de pagamentos esperados, incluindo premissas de persistência média dos participantes na carteira, utilização da tábua de mortalidade at83-Male e de entrada em fase de concessão de benefícios; a provisão de oscilação financeira (PoF) é constituída para um dos contratos de previdência complementar. a PoF é contabilizada na rubrica outras Provisões, no passivo não circulante, e é calculada com o objetivo de dar cobertura a eventuais descolamentos futuros entre o índice de inflação estabelecido no contrato, e a variação anual dos benefícios de aposentadoria pagos pelo instituto nacional de Seguridade Social (inSS), conforme condições específicas de contrato coletivo mantido pela controlada indireta Sul américa Seguros de Vida e Previdência S.a. a metodologia considera taxa de juros de acordo com a garantia mínima definida e cenários estocásticos de índices de inflação, a partir dos quais 100 possíveis cenários econômicos são projetados e são observados os montantes adicionais de reserva necessários para cobrir os descolamentos entre os índices. a PoF é equivalente ao somatório de tais reservas adicionais para os 90 melhores casos, garantindo assim uma reserva suficiente com 90% de certeza; a provisão de insuficiência de prêmios (PiP) é calculada para os contratos de seguros de danos, de vida e de saúde. a provisão visa cobrir possíveis insuficiências dos prêmios dos contratos em vigor ao arcar com os compromissos futuros assumidos nestes contratos. A metodologia para os contratos de saúde segue a fórmula estabelecida na resolução CSnP nº 36 de 8 de dezembro de 2000 e não indica a necessidade de constituição da PiP. Para os contratos de seguros de vida em regime de capitalização, a PiP se faz necessária pois o prêmio da maioria dos contratos está remido. Para estes contratos, a PiP é equivalente às obrigações futuras esperadas com benefícios e demais despesas futuras descontadas para a database das demonstrações financeiras. Para alguns contratos de seguro de vida individual com a figura de estipulante, a PiP também é necessária e é equivalente ao valor descontado para a database das demonstrações financeiras do fluxo esperado projetado dos sinistros e despesas futuras deduzidos dos correspondentes prêmios futuros destes contratos. Para os demais contratos de seguros de vida e para os contratos de seguros de danos, como a projeção de prêmios ganhos esperados descontada para a database das demonstrações financeiras é maior que os compromissos futuros esperados com estes contratos, descontados para a mesma database, indicando assim não necessidade da constituição da PiP; a provisão de insuficiência de contribuições (PiC) relativa aos contratos de previdência complementar visa cobrir possíveis deficiências das provisões matemáticas de benefícios a conceder, de benefícios concedidos e da provisão de riscos não expirados para cobertura dos benefícios e despesas futuros já assumidos. a provisão é calculada com base em expectativas comportamentais futuras de mortalidade, a partir da tábua de mortalidade AT83-Male e persistência média esperada dos participantes na carteira e de entrada em aposentadoria, descontada para a database das demonstrações financeiras usando a taxa garantida nos contratos. (3.3.2) eMPrÉStiMoS e FinanCiaMentoS: Empréstimos e financiamentos estão demonstrados pelos valores de contratação, acrescidos dos encargos pactuados, que incluem juros e variação cambial incorridos, até as datas dos balanços. em conformidade com a Deliberação CVM nº 566/08, os empréstimos e financiamentos em moeda estrangeira objetos do hedge de fluxo de caixa, estão contabilizados pelo seu valor justo. Vide nota (15).

117

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS
(3.3.3) iMPoSto De renDa e ContriBuiÇÃo SoCial Corrente e DiFeriDo: a provisão para imposto de renda e a provisão para contribuição social corrente foram constituídas pelas alíquotas vigentes em 31 de dezembro de 2008 e de 2007. a provisão para imposto de renda e a provisão para contribuição social diferidos são reconhecidos, em sua totalidade, pelas alíquotas vigentes sobre as diferença temporárias. (3.4) ProViSõeS Para ContinGênCiaS: as provisões para as contingências de natureza cível, objeto de contestação judicial são reavaliadas periodicamente e atualizadas mensalmente pelo inPC e por juros de 0,5% ao mês até dezembro de 2002 e de 1% ao mês de janeiro de 2003 em diante. as provisões para as contingências de natureza trabalhista são atualizadas com base na tabela única de atualização e conversão de débitos trabalhistas. tanto as provisões para as contestações de natureza cível, não relacionadas às indenizações contratuais de sinistros, quanto para as de natureza trabalhistas são contabilizadas com base nas opiniões do Departamento Jurídico interno, dos consultores legais independentes e da administração sobre o provável resultado dos processos judiciais e com base em percentuais específicos obtidos a partir da análise do histórico de pagamentos efetuados nos casos encerrados, calculados levando-se em consideração a natureza dos processos judiciais, a respectiva probabilidade de perda do processo, o desembolso financeiro esperado e o grupamento de ramo de seguro envolvido, quando aplicável. até novembro de 2007, esta análise contemplava o período de abril de 2004 a setembro de 2006, totalizando 30 meses. a partir de dezembro de 2007, a mencionada análise foi atualizada em três períodos: (i) em dezembro de 2007, ampliando sua base de histórico de pagamentos efetuados nos casos encerrados para 42 meses, compreendendo o período de abril de 2004 a setembro de 2007; (ii) em setembro de 2008, ampliando sua base para 48 meses de observação, contemplando o período de abril de 2004 a março de 2008, e (iii) em dezembro de 2008, ampliando a base para 53 meses de observação, incluindo o período de abril de 2004 a agosto de 2008. os mencionados percentuais foram calculados a partir da análise da relação dos valores despendidos com os processos encerrados, por êxito, acordo judicial ou condenação judicial e as suas correspondentes estimativas históricas de exposição ao risco. As provisões para contingências estão contabilizadas nas rubricas outros Passivos Contingentes, no passivo circulante e não circulante, e consideram os valores atuais das mencionadas contingências. os honorários de sucumbência referentes às causas de natureza cível, não relacionadas às indenizações contratuais de sinistros, e trabalhistas estão contabilizados na rubrica outras Contas a Pagar no passivo circulante e não circulante. os correspondentes depósitos judiciais estão contabilizados na rubrica Depósitos Judiciais e Fiscais no ativo não circulante, e são atualizados monetariamente pela tr, conforme legislação vigente; as provisões para as contingências relacionadas a tributos, contribuições e outras obrigações de natureza fiscal, objeto de contestação judicial, são reavaliadas periodicamente e atualizadas mensalmente pela tr e pela SeliC, conforme legislação vigente, e são contabilizadas com base nas opiniões do Departamento Jurídico interno, dos consultores legais independentes e da Administração sobre o provável resultado dos processos judiciais. a Controladora e suas controladas diretas e indiretas adotam o procedimento de provisionar a totalidade das contingências tributárias, cuja probabilidade de perda foi considerada provável e para as demais causas tributárias, a provisão contabilizada foi definida a partir de análise individualizada da possibilidade de futuro desembolso de cada processo judicial. em conformidade com a norma e Procedimento de Contabilidade (nPC) nº 22, emitida pelo iBraCon, e com a Deliberação nº 489/2005, emitida pela CVM, os valores referentes aos questionamentos relativos à ilegalidade ou inconstitucionalidade de tributos, contribuições e outras obrigações de natureza fiscal, anteriormente classificados na rubrica Provisões Fiscais, estão contabilizados na rubrica Contas a Pagar - obrigações a Pagar, no passivo não circulante. os correspondentes depósitos judiciais estão contabilizados na rubrica Depósitos Judiciais e Fiscais, no ativo não circulante, e são 118 Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS atualizados monetariamente pela tr e pela SeliC, conforme legislação vigente. a reclassificação dos depósitos judiciais, classificados no ativo, para o passivo, como redutor das contas outros Passivos Contingentes e obrigações a Pagar, prevista na Deliberação CVM nº 489/2005, no entanto, não foi efetuada em função de não estar prevista pela SuSeP e pela anS. (3.5) BeneFíCioS a eMPreGaDoS e PóS eMPreGo: os benefícios mantidos pela Controladora e suas controladas diretas e indiretas compreendem o Plano de Contribuição Definida, por intermédio do Plano Gerador de Benefícios livres (PGBl), o Benefício de renda Vitalícia e o Programa de indenização para executivos. os compromissos dos referidos benefícios são provisionados pelo regime de competência e em conformidade com a Deliberação CVM nº 371/2000, com base em cálculos efetuados por atuários internos de acordo com o Método da unidade de Crédito Projetada e outras premissas atuariais descritas na nota (22.3). (3.6) PaGaMento CoM BaSe eM aÇõeS: o Plano Geral de opção de Compra de ações de emissão da Companhia tem por objetivo estimular a expansão, o êxito e os objetivos sociais da Companhia e alinhar o interesse de seus acionistas e administradores, podendo também se estender aos empregados e prestadores de serviços da Companhia e de suas controladas. o reconhecimento contábil da remuneração dos participantes do plano anteriormente mencionado, pelo valor justo médio das opções de ações, é calculado por atuários internos, com base no modelo de avaliação Black-Scholes, na data de cada outorga de opção. nota (23.5). (3.7) DiViDenDoS: os dividendos da Companhia, de acordo com o estatuto social, são contabilizados no encerramento do exercício social sendo o valor relativo aos dividendos obrigatórios equivalentes a 25% do lucro líquido do exercício, ajustados em consonância com a legislação em vigor. (3.8) uSo De eStiMatiVaS: a preparação das demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, requer que a administração da Controladora e suas controladas diretas e indiretas se baseiem em estimativas e julgamentos para o registro de certas transações que afetam os ativos e passivos, as receitas e despesas, bem como a divulgação de informações sobre dados das suas demonstrações financeiras. os resultados finais dessas transações e informações, quando de sua efetiva realização em períodos subseqüentes, podem diferir dessas estimativas. as principais estimativas relacionadas às demonstrações financeiras referem-se ao registro dos efeitos decorrentes da provisão para perdas sobre créditos e outros ativos, das provisões técnicas, do diferimento e amortização das despesas de comercialização e da provisão para contingências.

(4) tranSiÇÃo DaS PrátiCaS ContáBeiS Pela aDoÇÃo iniCial Da lei n° 11.638/2007 e MP n° 449/2008: em 17 de dezembro de 2008, a Deliberação CVM nº 565/2008 aprovou o Pronunciamento técnico do CPC nº 13 sobre a adoção inicial da lei nº 11.638/2007 e a MP nº 449/2008, e a seguir, apresentamos o sumário das práticas contábeis modificadas acompanhadas da demonstração dos efeitos no patrimônio líquido no resultado.

119

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS
(4.1) SuMário DaS PrátiCaS ContáBeiS MoDiFiCaDaS: (4.1.1) inStruMentoS FinanCeiroS: os instrumentos financeiros são classificados em quatro categorias: (i) títulos e valores mobiliários mensurados ao valor justo por meio do resultado, (ii) disponíveis para a venda, (iii) mantidos até o vencimento e (iv) empréstimos e recebíveis, conforme estabelecido na Deliberação CVM nº 566 de 17 de dezembro de 2008. Com relação às aplicações financeiras que passaram a ser classificadas em três categorias, determinadas controladas diretas e indiretas que operam no segmento de seguros, previdência e financeira já adotavam estas classificações, em função de estarem subordinadas à SuSeP, anS e BaCen. no tocante aos instrumentos financeiros derivativos, a Controladora e suas controladas diretas e indiretas procederam aos cálculos do valor justo dos swaps e do objeto de hedge representado pelo Senior notes, conforme demonstrado nas notas (4.1.13) e (5). (4.1.2) arrenDaMento MerCantil FinanCeiro: a Deliberação CVM nº 565/2008 incorporou ao ativo imobilizado os direitos que tenham por objeto bens destinados à manutenção das atividades da entidade, ou exercidos com essa finalidade, inclusive os decorrentes de operações que transfiram à entidade os benefícios, os riscos e o controle desses bens. Dessa forma, passou a abranger inclusive os bens que não são de propriedade da entidade, mas cujos controles, riscos e benefícios são por ela exercidos. Determinadas controladas diretas e indiretas possuiam contratos com características de arrendamento mercantil financeiro. no segundo semestre do exercício findo em 31 de dezembro de 2008, estes contratos de arrendamento mercantil foram renegociados e transformados em contratos de compra e venda de bens e liquidados no próprio exercício, exceto em relação ao contrato com a HP Financial Services arrendamento Mercantil S.a., que será liquidado em janeiro de 2009. até 31 de dezembro de 2007, tais contratos eram registrados como arrendamento mercantil operacional, ou seja, à medida que os pagamentos eram efetuados, seu registro era efetuado diretamente no resultado. os ajustes decorrentes da alteração desta prática contábil estão demonstrados nas notas (4.1.13), (4.1.14), (9.2) e (9.3). (4.1.3) atiVo DiFeriDo: a Deliberação CVM nº 565/2008 restringiu o lançamento de gastos neste grupo de contas. Desta forma, os ajustes iniciais de adoção da lei e Medida Provisória devem ser assim registrados: os gastos ativados que não possam ser reclassificados para outro grupo de ativos, devem ser baixados no balanço de abertura, na data de transição, mediante o registro do valor contra lucros ou prejuízos acumulados, líquido dos efeitos fiscais, ou mantidos nesse grupo até sua completa amortização, sujeito à análise sobre recuperação conforme o Pronunciamento técnico CPC 01 - redução ao Valor recuperável de ativos.

120

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS até 31 de dezembro de 2007, os valores classificados no ativo Diferido eram oriundos de Despesas com organização e implantação, Benfeitoria em imóveis de terceiros e Desenvolvimento de Softwares (Projetos). a Controladora e suas controladas diretas e indiretas avaliaram os respectivos ativos Diferidos e, quando aplicável, os reclassificaram para o imobilizado e intangível, e os itens que não puderam ser transferidos para os mencionados grupos de contas permaneceram no ativo Diferido até sua total amortização. Para os itens que não atenderam os critérios de permanência no ativo Diferido e que não puderam ser reclassificados para outros grupos de ativos, foi efetuada a devida baixa em contrapartida do resultado do exercício e Patrimônio líquido, conforme notas (4.1.13), (4.1.14), (9.2) e (9.3). (4.1.4) atiVo intanGíVel: a Deliberação CVM nº 565/2008 introduziu um novo grupo de contas e está relacionado a direitos que tenham por objeto bens incorpóreos destinados à manutenção da entidade ou exercidos com essa finalidade incorporando novos critérios de reconhecimento e manutenção de um ativo intangível. a Controladora e suas controladas diretas e indiretas já possuíam este grupo de contas apresentado em suas demonstrações financeiras, em função de exigência dos órgãos reguladores das companhias de seguros e previdência. Conforme mencionado na nota (4.1.3), os gastos com Desenvolvimento de Softwares (Projetos) foram reclassificados do ativo Diferido para o intangível. Com relação ao ágio gerado internamente, determinadas controladas diretas e indiretas procederam a sua reversão que entretanto, para fins de consolidação, já era eliminado, não ensejando efeitos nas demonstrações financeiras consolidadas. os demais itens componentes do ativo intangível, tais como Despesas de Softwares (Projetos), quando não atendidos os critérios de sua manutenção no ativo, foram baixados. (4.1.5) Valor De reCuPeraÇÃo De atiVoS: a Deliberação CVM nº 565/2008 instituiu que as empresas devem aplicar o Pronunciamento técnico CPC 01: Redução ao valor recuperável de Ativos, com a finalidade de (i) verificar se houve perda por redução ao valor de recuperação (impairment), e (ii) medir a eventual perda por redução ao valor de recuperação existente, com o objetivo de complementar ou reverter perdas por redução ao valor de recuperação que possam ter sido constituídas anteriormente. a Controladora e suas controladas diretas e indiretas mensuraram seus ativos e os ajustes estão demonstrados na nota (4.1.14). (4.1.6) aJuSte a Valor PreSente: em conformidade com a Deliberação CVM n° 565/2008, os elementos integrantes do ativo e do passivo decorrentes de operações de longo prazo, ou de curto prazo, quando houver efeitos relevantes, devem ser ajustados a valor presente. a Controladora e suas controladas diretas e indiretas mensuraram o valor presente dos ativos e passivos financeiros circulantes e não circulantes, utilizando a taxa SeliC como taxa de desconto, exceto para as operações de seguros e previdência das empresas reguladas pela SuSeP, tendo em vista a determinação da Circular SuSeP 379, de 19 de dezembro de 2008. 121 Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS não foram identificados efeitos nos ativos e passivos financeiros não circulantes e os efeitos apurados não são relevantes no circulante. (4.1.7) eQuiValênCia PatriMonial: a Deliberação CVM nº 565/2008 alterou o conceito de coligada e o alcance da aplicação do método da equivalência patrimonial dos investimentos em coligadas classificados no ativo permanente. os investimentos em sociedades em que a administração tenha influência significativa, ou nas quais participe com 20% ou mais do capital votante, ou que façam parte de um mesmo grupo ou estejam sob controle comum, serão avaliados pelo método de equivalência patrimonial. a Controladora e suas controladas diretas e indiretas, por terem influência significativa na administração dos seus investimentos, já estão em linha com prática contábil acima mencionada. (4.1.8) reSerVa De reaValiaÇÃo: a Deliberação CVM nº 565/2008 eliminou a possibilidade de reavaliação espontânea de bens. assim, os saldos existentes nas reservas de reavaliação constituídas antes da vigência da Deliberação, inclusive as reavaliações reflexas de controladas diretas e indiretas, devem (i) ser mantidos até sua efetiva realização ou, (ii) ser estornados até o término do exercício social de 2008. até 31 de dezembro de 2007, a Controladora e determinadas controladas indiretas registravam saldos nesta reserva, oriundos de reavaliações de imóveis próprios, bem como reflexa de suas controladas e/ou coligadas. em linha com a mencionada Deliberação, a Controladora e determinadas controladas indiretas, decidiram pelo estorno da reserva de reavaliação, conforme demonstrado na nota (4.1.13). (4.1.9) SuBVenÇõeS Para inVeStiMentoS - inCentiVoS FiSCaiS: a Deliberação CVM nº 565/2008 revogou a possibilidade de registro das subvenções para investimentos diretamente em conta de reserva de Capital, no Patrimônio líquido. Dessa forma, os correspondentes valores passarão a ser lançados em conta de resultado do exercício. a Controladora e suas controladas diretas e indiretas possuem incentivos fiscais decorrentes da opção exercida na Declaração de imposto de renda para redução de tributos, para os quais, foi constituída provisão para perda equivalente a 90% do total do saldo. o saldo da reserva de incentivos Fiscais até 31 de dezembro de 2007 foi mantido na rubrica reservas de capital e os incentivos fiscais originados durante o exercício de 2008, foram reclassificados para o resultado, conforme demonstrado na nota (4.1.14). (4.1.10) reMuneraÇÃo CoM BaSe eM aÇõeS (StoCK oPtionS): Conforme Deliberação CVM nº 565/2008, as participações de empregados e administradores, mesmo na forma de instrumentos financeiros, que não se caracterizem como despesa, devem ser classificadas como resultado de participações, após a linha do imposto de renda. Assim, remunerações a empregados e administradores que não forem definidas em função, direta e proporcionalmente, do lucro da entidade, são classificadas como custo ou despesa operacional. em relação às práticas contábeis adotadas anteriormente, a Deliberação CVM nº 565/2008, trouxe como novidade a previsão de que devem ser reconhecidas como despesas ou participações às remunerações baseadas em ações liquidadas com instrumentos patrimoniais (por exemplo, ações ou opções de compra de ações) ou em dinheiro. em 31 de março de 2008, a Companhia implantou seu plano de remuneração baseado em compra de ações. os critérios adotados, cálculos e valores subscritos, estão demonstrados na nota (23.5).

122

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS
(4.1.11) PriMeira aValiaÇÃo PerióDiCa Da ViDa útil-eConôMiCa DoS BenS Do iMoBiliZaDo e intanGíVel: a Deliberação CVM nº 565/2008 determina que as empresas devem efetuar análise periódica sobre a recuperação dos valores registrados no imobilizado e no intangível, com a finalidade de serem revisados e ajustados os critérios utilizados para determinação da vida útil-econômica estimada e para o cálculo da depreciação e amortização. a Controladora e suas controladas diretas e indiretas mantiveram a vida útil-econômica dos bens e conseqüentemente, não foram efetuados ajustes. (4.1.12) eFeitoS triButárioS Da aPliCaÇÃo iniCial Da MP n° 449/2008: os eventuais efeitos tributários da aplicação, pela primeira vez, da Deliberação CVM nº 565/2008, combinada com a MP nº 449/2008, devem ser registrados conforme as normas existentes, mais precisamente a que trata da Contabilização do imposto de renda e da Contribuição Social. em atendimento ao artigo 16 da MP 449/2008, as alterações introduzidas pela lei nº 11.638, de 2007, e pelos artigos 36 e 37 da referida MP que modifiquem o critério de reconhecimento de receitas, custos e despesas computadas na apuração do lucro líquido do exercício definido no artigo 191 da lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976, não terão efeitos para fins de apuração do lucro real da pessoa jurídica sujeita ao regime tributário transitório (rtt), devendo ser considerados, para fins tributários, os métodos e critérios contábeis vigentes em 31 de dezembro de 2007. (4.1.13) DeMonStraÇÃo DoS eFeitoS no PatriMônio líQuiDo eM 1º De Janeiro De 2008 CoM a aDoÇÃo iniCial Da lei nº 11.638/2007:

123

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS
(4.1.13.1) aJuSteS na ControlaDora Conferia

(4.1.13.2) aJuSteS naS ControlaDaS DiretaS e inDiretaS (4.1.14) DeMonStraÇÃo DoS eFeitoS no reSultaDo Do eXerCíCio FinDo eM 31 De DeZeMBro De 2008 CoM a aDoÇÃo iniCial Da lei nº 11.638/2007

124

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS
5) inStruMentoS FinanCeiroS: (5.1) GerenCiaMento De riSCoS: os principais riscos decorrentes dos negócios da Controladora e suas controladas diretas e indiretas são os riscos de juros, de crédito, de liquidez e de taxa de câmbio. a administração desses riscos envolve diferentes departamentos da Companhia e de suas controladas diretas e indiretas, e contempla uma série de políticas e estratégias de alocação de recursos consideradas adequadas pela sua administração. essas políticas e estratégias, além de serem reavaliadas freqüentemente pelos Comitês internos, contemplam também a adequação das aplicações financeiras aos passivos no processo denominado alM (asset and liability Managment). riSCo De taXa De JuroS: o risco de taxa de juros advém da possibilidade da Controladora e suas controladas diretas e indiretas estarem sujeitas a alterações nas taxas de juros que possam trazer impactos ao valor presente do portfolio de investimentos. a Controladora e suas controladas diretas e indiretas buscam reduzir os impactos das alterações nas taxas de juros através da elaboração de mandatos de investimento estabelecidos individualmente para cada uma das companhias. nesses mandatos, são considerados aspectos tais como: perfil de negócio de cada entidade legal, estudos atuariais e aspectos de liquidez. adicionalmente, são estabelecidos de forma consolidada limites máximos de Var (Value at risk), e é realizada a análise de cenários alternativos conhecidos como “stress testing”. Conforme explicitado na nota (5.1.1) e (5.1.2), os instrumentos financeiros derivativos podem ser utilizados como forma de reduzir os impactos oriundos da alteração nas taxas de juros. risco de crédito: o risco de crédito advém da possibilidade da Controladora e suas controladas diretas e indiretas não receberem os valores decorrentes dos prêmios vendidos e dos créditos detidos juntos as instituições financeiras decorrentes das aplicações financeiras. Com relação ao risco de recebimentos dos prêmios a receber, a política de crédito considera as peculiaridades das operações de seguros e é orientada de forma a manter a flexibilidade exigida pelas condições de mercado e pelas necessidades dos clientes. As controladas diretas e indiretas mantêm um plano de alçadas para as operações de aceitação dos riscos e emissão das respectivas apólices de seguros, que contemplam também a análise do histórico de crédito do cliente e a exposição ao risco de cada operação. a metodologia de apuração da Provisão para riscos de Crédito está descrita na nota (7.1).no tocante à exposição ao risco de crédito relativo às aplicações financeiras, os limites são estabelecidos através de um Comitê de Crédito. resumidamente, os critérios para exposição de crédito adotados pela Controladora e suas controladas diretas e indiretas, são os seguintes: a) títulos Públicos Federais: até 100%; b) títulos Públicos estaduais e Municipais: 0%; c) empresas não-financeiras (títulos corporativos): é adotada uma metodologia baseada na análise de aspectos quantitativos e qualitativos. Como decorrência dessa análise, é elaborado um “Score” (“rating” interno). Baseado no “Score” obtido, é estabelecido um limite de crédito. esse limite de crédito será utilizado para limitar a exposição máxima a títulos de emissão de uma determinada empresa não financeira; d) instituições financeiras: é adotada uma metodologia baseada na análise de aspectos quantitativos e qualitativos. Como decorrência dessa análise, é elaborada um “Score” (“rating” interno). Baseado no “Score” obtido, é estabelecido um limite de crédito e de prazos máximos de risco para compra de papéis emitidos por instituições financeiras. os limites de exposição a risco são monitorados regularmente pela área de análise Quantitativa e de risco sendo avaliados de forma consolidada. 125 Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS riSCo De liQuiDeZ: a gestão do risco de liquidez tem como principal objetivo monitorar os prazos de liquidação dos direitos e obrigações da Controladora e das suas controladas diretas e indiretas, assim como a liquidez dos seus instrumentos financeiros. a Controladora e as controladas diretas e indiretas elaboram análises de fluxo de caixa projetado e revisam, periodicamente, as obrigações assumidas e os instrumentos financeiros utilizados, sobretudo os relacionados aos ativos garantidores das provisões técnicas. Veja nota (13) - Garantia das Provisões técnicas. riSCo De taXa De CÂMBio: a Controladora e suas controladas diretas e indiretas são expostas ao risco de taxa de câmbio, principalmente relacionado às suas operações de seguros industriais e comerciais, em função do grande número de contratos de seguros e resseguros lastreados em moedas estrangeiras, dos investimentos (principalmente em Companhias do exterior) e dos empréstimos e financiamentos. a Controladora e suas controladas diretas e indiretas monitoram e analisam seus saldos a receber e a pagar em moedas estrangeiras por meio de contratos de derivativos, principalmente contratos futuros e de swaps com o objetivo de equilibrar a exposição do câmbio e reduzir o efeito líquido do impacto das oscilações da taxa de câmbio no resultado.

126

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS em 31 de dezembro de 2008, a exposição ao risco de taxa de câmbio compõem-se como se segue: especificamente com relação aos empréstimos e financiamentos, a Controladora com o intuito de administrar a exposição à variação cambial oriunda do montante de uS$130.000.000 de principal referente ao Senior notes emitido em fevereiro de 2007 cujo vencimento se dará em fevereiro de 2012, mantém operação de swap junto a união de Bancos Brasileiros S.a., conforme demonstrado na nota (15). o contrato, registrado na Câmara de Custódia e liquidação de títulos (CetiP), previa repactuações mensais até o vencimento do Senior notes. em abril de 2008, por ocasião da repactuação prevista contratualmente, a Controladora exerceu a faculdade de repactuar a totalidade do montante de uS$130.000.000 do contrato de swap de acordo com as condições especificadas na nota (15). a administração da exposição cambial referente aos juros de 8,625% por ano, pagos semestralmente, relativos ao principal do Senior notes emitidos em fevereiro de 2007 é efetuada, usualmente, por meio de ativos indexados a variação cambial ou contratos futuros negociados na BM&FBoVeSPa. Quando contratos futuros são utilizados, essas posições são efetuadas por meio de um fundo de investimento financeiro exclusivo que prevê em seu regulamento, explicitamente, a possibilidade de investimentos em ativos atrelados à variação cambial e, além disso, que o valor nominal das operações nos mercados de derivativos deverá ser igual ou menor que a soma dos valores dos demais títulos, valores mobiliários, ativos financeiros e modalidades operacionais componentes de sua carteira, mantidos no mercado à vista, ficando, portanto, vedada a exposição desta carteira em valor superior ao patrimônio líquido do fundo. em 31 de dezembro de 2008, não há exposição em contratos futuros indexados em dólar. a metodologia utilizada para o gerenciamento de risco das aplicações financeiras e instrumentos financeiros derivativos compreende a análise dos riscos de crédito (já exposta acima) e de mercado. esse monitoramento é constante e em consonância com os limites pré-estabelecidos e dentro das políticas internas de alocação de recursos definidas pelo Comitê de investimento. no tocante ao risco de Mercado é utilizada a metodologia Value at risk (Var) paramétrico com nível de confiança de 95%. (5.1.1) DeriVatiVoS: Conforme políticas de investimento e de alocação de recursos pré-definidas e aprovadas pela administração, são permitidas para a Controladora e suas diretas e indiretas a contratação de operações com derivativos. Todas as operações relacionadas a esses instrumentos são negociadas e registradas por meio da BM&FBoVeSPa ou mercado de balcão organizado. Para as controladas indiretas de atividade de seguros e previdência, a manutenção de instrumentos financeiros derivativos, seja através de contratos futuros ou swaps podendo ser mantidos nos fundos de investimento exclusivos, tem por finalidade única a proteção das variações cambiais e à flutuação das taxas de juros. no caso dos fundos exclusivos dos planos PGBl e Vida Gerador de Benefícios livres (VGBl), além dos contratos futuros atrelados a taxa de juros, a sua controlada indireta Sul américa Seguros de Vida e Previdência S.a. também utiliza contratos futuros atrelados ao índice Bovespa, em consonância com a política de investimento desses fundos. os ganhos e perdas decorrentes desses contratos futuros não proporcionam qualquer impacto no resultado ou patrimônio líquido da mencionada controlada, em virtude de serem refletidos em igual montante nas provisões técnicas de previdência. apesar de não ensejarem variações no resultado da controlada, apresentamos a totalidade dos instrumentos financeiros derivativos destes fundos, em conformidade com as disposições contidas na Deliberação CVM nº 566, demonstrados na nota (5.1.3). a utilização de instrumentos financeiros derivativos das controladas diretas e indiretas da atividade de seguros e previdência está em linha com a resolução BaCen nº 3.308/05, resolução BaCen nº 3.358/06 e resolução CnSP nº 98 e 106 que dispõem sobre os critérios para a realização de investimentos para estas controladas.

127

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS as demais companhias que não estão sujeitas a estas determinações podem deter posições de investimentos que utilizem derivativos podendo gerar exposição superior a uma vez o valor investido. em 31 de dezembro de 2008, não haviam posições de investimento que pudessem gerar esse tipo de exposição. CritÉrioS De DeterMinaÇÃo Do Valor JuSto: o critério para determinar o valor justo dos instrumentos financeiros derivativos é a metodologia de fluxo de caixa descontado utilizando-se as taxas divulgadas pela BM&FBoVeSPa. no caso específico de Swaps, o valor justo é determinado utilizando técnicas de modelagem de fluxo de caixa descontado que usam curvas de rentabilidade. as informações para construir as curvas de rentabilidade são obtidas principalmente através das cotações disponíveis na BM&FBoVeSPa. as cotações utilizadas para determinação do swap utilizado para proteção do Senior notes foram a taxa do coupon cambial e a taxa pré do período da data de fechamento das demonstrações financeiras até a data de vencimento da operação, além da cotação do dólar (PtaX 800) em 31 de dezembro de 2008 e de 2007 de venda, disponibilizada pelo Sistema de informações Banco Central (SiSBaCen). (5.1.2) QuaDro reSuMo DaS eXPoSiÇõeS eM inStruMentoS FinanCeiroS DeriVatiVoS: os instrumentos financeiros derivativos - swaps e contratos futuros mantidos nos fundos de investimento exclusivos e carteiras por determinadas controladas indiretas, utilizados para administrar a exposição em relação às variações cambiais e à flutuação das taxas de juros, são contabilizados pelo valor justo conforme descrito nos critérios de determinação do valor justo com as valorizações ou desvalorizações reconhecidas diretamente no resultado. Com relação ao swap, que tem por objetivo a proteção do principal do Senior notes, mencionado na nota (15) e de acordo com a Deliberação CVM nº 566, que aprovou o pronunciamento técnico CPC nº 14, a Controladora registra este instrumento derivativo avaliado pelo valor justo de acordo com a metodologia de contabilização de operações de hedge de fluxo de caixa, com as valorizações ou desvalorizações reconhecidas diretamente no Patrimônio líquido. os instrumentos financeiros derivativos da Controladora e suas controladas diretas e indiretas estão demonstrados a seguir, são negociados na BM&FBoVeSPa e estão classificados na categoria ativos financeiros mensurados ao valor justo por meio do resultado:

128

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS
ContratoS FuturoS: em 31 de dezembro de 2008 e de 2007, no consolidado, os compromissos de compra e de venda estão demonstrados nos quadros abaixo e contraparte e o local de registro da totalidade dos Contratos futuros é a BM&FBoVeSPa. a Controladora não possuía contratos futuros em 31 de dezembro de 2008. Visualize abaixo o compromisso de compra.

129

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS
Visualize abaixo o compromisso de venda

ContratoS De SWaPS: em 31 de dezembro, a Controladora e suas controladas indiretas possuem os seguintes contratos de swaps, cujo local de registro era a CetiP. MarGenS DaDaS eM Garantia em 31 de dezembro de 2008, as margens dadas em garantia das operações de contratos de compra de contratos futuros em Di são compostas da seguinte maneira. não há exigência de margem de garantia para o contrato de swap referente ao principal do Senior notes.

130

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS análiSe De SenSiBiliDaDe à eXPoSiÇÃo eM DeriVatiVoS: a Controladora e suas controladas diretas e indiretas possuem as seguintes operações com derivativos: (i) contratos futuros de taxa de juros (CDi) de um dia e (ii) contrato de swap com ponta ativa em dólar com intuito de proteção à exposição cambial gerada pelo principal do Senior notes. adicionalmente, os critérios utilizados para a estimativa dos cenários Provável, Possível e remoto, baseiam-se nas taxas/preços observados na data de fechamento destas demonstrações financeiras, junto à BM&FBoVeSPa, para os respectivos vencimentos. os cenários possíveis e remotos são obtidos aplicando– se 25% e 50% da variação sobre essas taxas/preços incidindo sobre a variável que representa maior influência num cenário adverso para a Controlada e suas controladas indiretas. ContratoS FuturoS De taXaS De JuroS: a Controladora e suas controladas diretas e indiretas consideraram que o risco de se estar comprado em taxa, em um contrato futuro é a redução da taxa de juros para os respectivos vencimentos. Dessa forma, os cenários possível e remoto são derivados do cenário provável que utiliza as taxas praticadas em 31 de dezembro de 2008 pela BM&FBoVeSPa para os respectivos vencimentos: em 31 de dezembro de 2008, as posições detidas por certas controladas indiretas em contratos futuros de taxas de juros eram utilizadas com o intuito de transformar a rentabilidade pré-fixada de títulos e valores mobiliários de parte de sua carteira de investimento em pós-fixada. nesta data, estas controladas, apresentavam a seguinte posição: Dessa forma, o valor líquido dos ajustes nos respectivos cenários (ajustes de margem nos contratos futuros e variação no preço de mercado no caso dos títulos e valores mobiliários) em 31 de dezembro de 2008 eram:
(*) o valor dos ajustes no cenário provável em 31 de dezembro de 2008 é zero, pois este reflete o valor de mercado. a análise de sensibilidade do total do Valor Justo dos ajustes em relação ao cenário provável não se aplica devido ao fato dela comparar o cenário provável com ele próprio.

Swaps: Com intuito de proteção à exposição cambial do principal gerada pelo Senior notes emitidos em Fevereiro de 2007, a Controladora mantém operação de swap com ponta ativa em dólar e passiva em CDi deduzida de 3,97%aa com vencimento em fevereiro de 2012, conforme especificado na nota (15). tendo em vista que os valores tanto do principal do Senior notes como o da ponta ativa do swap se anulam, pois representam uS$130.000.000, a Controladora considera que o risco de estar passiva em CDi por ocasião do swap seria a elevação da taxa CDi, e esta seria compensada pelo aumento da receita oriunda das aplicações financeiras atreladas ao CDi.

a análise de sensibilidade do valor justo leva em consideração as seguintes variáveis:

131

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS taxa do Coupon Cambial de 31 de dezembro de 2008 até a data de vencimento da operação; taxa pré de 31 de dezembro de 2008 até a data de vencimento da operação; - Cotação atual do uSD; Cotação esperada do uSD na data de vencimento da operação que se deriva das taxas de coupon cambial e taxa pré. os valores justos são calculados projetando os fluxos futuros das operações (ativo e passivo) e trazendo estes fluxos a valor presente utilizando-se as taxas praticadas na BM&FBoVeSPa. Foram elaborados os seguintes cenários tendo como base as taxas praticadas em 31 de dezembro de 2008: Considerando que os riscos de crédito são equivalentes para as pontas do swap e para o principal do Senior notes, obtemos para os cenários especificados acima, os seguintes valores justos: A tabela acima, comprova a efetividade do hedge para os diferentes cenários. Desta forma, a análise de sensibilidade da variação do valor justo quando comparado ao cenário provável está demonstrado a seguir:
(*) a análise de sensibilidade do total do Valor Justo dos ajustes em relação ao cenário provável não se aplica devido ao fato dela comparar o cenário provável com ele próprio.

essas análises de sensibilidade têm por objetivo ilustrar mudanças em variáveis de mercado nos instrumentos financeiros da Controladora e suas controladas indiretas. as análises de sensibilidade acima demonstradas foram estabelecidas com o uso de premissas e pressupostos em relação a eventos futuros. Apesar da revisão regular das estimativas e premissas utilizadas, a liquidação das transações envolvendo essas estimativas poderá resultar em valores diferentes dos estimados devidos à subjetividade inerente ao processo utilizado na preparação dessas análises. em 31 de dezembro de 2008, as diferenças entre os valores custo amortizado e justos montam ganho de r$28.360, reconhecido na rubrica ajustes de avaliação Patrimonial no Patrimônio líquido, líquido do efeito de impostos conforme demonstrado abaixo: (5.1.3) QuaDro reSuMo DoS DeriVatiVoS relatiVoS aoS FunDoS De inVeStiMentoS De PGBl E VGBL: os contratos futuros relativos aos fundos de investimento de PGBl e VGBl, conforme mencionado na nota (5.1.1), estão demonstrados abaixo e a contraparte e o local de registro da totalidade dos contratos futuros é a BM&FBoVeSPa: MarGenS DaDaS eM Garantia: em 31 de dezembro de 2008, as margens dadas em garantia das operações de contratos de compra de contratos futuros em Di e contratos de venda de índice, estão demonstradas a seguir:

132

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS análiSe De SenSiBiliDaDe à eXPoSiÇÃo eM DeriVatiVoS: os fundos PGBl e VGBl possuem as seguintes operações com derivativos: (i) contratos futuros de taxa de juros (CDi) de um dia e (ii) contratos futuros de índices. adicionalmente, os critérios utilizados para a estimativa dos cenários Provável, Possível e remoto, baseiam-se nas taxas/preços observados na data de fechamento destas demonstrações financeiras junto à BM&FBoVeSPa para os respectivos vencimentos. os cenários possíveis e remotos são obtidos aplicando-se 25% e 50% da variação sobre essas taxas/preços incidindo sobre a variável que representa maior influência num cenário adverso para a controlada indireta Sul américa Seguros de Vida e Previdência S.a.. Contratos Futuros: a Sul américa Seguros de Vida e Previdência S.a. considerou que o risco de se estar comprado em taxa, em um contrato futuro é a redução da taxa de juros. Dessa forma, os cenários Possível e remoto são derivados do cenário Provável que utiliza as taxas praticadas em 31 de dezembro de 2008 pela BM&FBoVeSPa para os respectivos vencimentos: em 31 de dezembro de 2008, as posições detidas nos fundos PGBl e VGBl em contratos futuros de taxas de juros eram utilizadas com o intuito de transformar a rentabilidade pré-fixada de títulos e valores mobiliários de parte de sua carteira de investimento em pós-fixada. nesta data, estes fundos PGBl e VGBl, apresentavam a seguinte posição: Dessa forma, o valor líquido dos ajustes nos respectivos cenários (ajustes de margem nos contratos futuros e variação no preço de mercado no caso dos títulos e valores mobiliários) em 31 de dezembro de 2008 eram: (*) a análise de sensibilidade do total do Valor Justo dos ajustes em relação ao cenário provável não se aplica devido ao fato dela comparar o cenário provável com ele próprio. a análise de sensibilidade da variação do total do Valor Justo dos ajustes quando comparado ao Cenário Provável encontra-se refletida na tabela a seguir: além dos contratos de futuros de taxa de juros (CDi), os fundos PGBl e VGBl também possuem contratos futuros de índice Bovespa. Conforme demonstrado no quadro abaixo, a referida controlada indireta considerou que o risco de se estar vendido em índice, em um contrato futuro é a elevação do índice Bovespa para os respectivos vencimentos. o valor do índice Bovespa, em pontos, para os cenários Provável, Possível e Remoto está demonstrado a seguir: Vale ressaltar conforme demonstrado abaixo, que em 31 de dezembro de 2008, os fundos PGBl e VGBl não possuíam exposição em índice, visto que a posição comprada em ações mantidas nestes fundos é superior aos contratos vendidos em R$425: essas análises de sensibilidade têm por objetivo ilustrar a sensibilidade a mudanças em variáveis de mercado nos instrumentos financeiros da Sul américa Seguros de Vida e Previdência S.a., e foram estabelecidas com o uso de premissas e pressupostos em relação a eventos futuros. Apesar da revisão regular das estimativas e premissas utilizadas, a liquidação das transações envolvendo essas estimativas poderá resultar em valores diferentes dos estimados devidos à subjetividade inerente ao processo utilizado na preparação dessas análises.

133

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS
(5.2) CritÉrioS aDotaDoS na DeterMinaÇÃo DoS ValoreS De MerCaDo: os ativos mantidos em carteira ou nos fundos de investimento exclusivos são avaliados a valor de mercado, utilizando-se preços e índices divulgados pela associação nacional das instituições do Mercado aberto (anDiMa), pela BM&FBoVeSPa, exceto para os títulos classificados como mantidos até o vencimento, que são atualizados pelos indexadores e taxas pactuadas por ocasião de suas aquisições. os critérios adotados para estimar o valor de mercado dos títulos e valores mobiliários foram: títulos de renda fixa - públicos: Calculados com base nas tabelas de preços unitários de mercado secundário da anDiMa; títulos de renda fixa - públicos (garantidores da Provisão de Sinistros ocorridos mas não avisados do ramo DPVat): Calculados com base no valor médio de mercado divulgado para as operações da resolução nº 550 do BaCen; Certificados de Depósito Bancário (CDB): são calculados de acordo com suas características de resgate: (i) CDBs com cláusula de resgate antecipado a taxa determinada: calculados com base na taxa contratada na operação; (ii) CDBs sem cláusula de resgate antecipado e com cláusula de resgate antecipado a taxa de mercado: são calculados com base na curva proveniente dos futuros de Di da BM&FBoVeSPa, e para o spread de crédito, pelo conjunto formado pelas operações de CDBs das carteiras administradas/fundos no qual o Banco Custodiante presta serviço de precificação de ativos; Debêntures: Calculados com base nas tabelas de preços unitários (para títulos públicos) de mercado secundário da anDiMa ou, no caso de sua inexistência, por critérios definidos pelo Banco Custodiante de acordo com os critérios de precificação definidos em seu manual de marcação a mercado; Fundos de investimento exclusivos e não exclusivos: Calculados de acordo com os critérios de marcação a mercado, estabelecidos pelo administrador de cada Fundo, sintetizados no valor da cota divulgada, exceto para os títulos e valores mobiliários mantidos até o vencimento, que são calculados pelos indexadores pactuados, acrescidos dos juros incorridos; títulos de renda variável e ações de Companhia de capital aberto cotadas em Bolsa de Valores ou Mercado de Balcão: Calculados com base na cotação média do último dia útil em que foram negociados no mês; empréstimos em moeda estrangeira: representado pelo Senior notes, cujo principal, equivalente a uS$130.000.000, é objeto de hedge e, de acordo com a metodologia de contabilização de operações de hedge de fluxo de caixa, está contabilizado pelo valor justo. o seu valor justo é calculado utilizando-se a metodologia de fluxo de caixa descontado pelas taxas divulgadas pela BM&FBoVeSPa; instrumentos financeiros Derivativos: Calculados a valor justo por meio da metodologia de fluxo de caixa descontado utilizando-se as taxas divulgadas pela BM&FBoVeSPa. os critérios adotados pela Controladora e suas controladas diretas e indiretas para estimar o valor de mercado dos demais saldos das contas a receber e a pagar contabilizados no circulante aproximam-se dos seus correspondentes valores de realização e exigibilidade, respectivamente, devido ao vencimento em curto prazo desses instrumentos.

134

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS
(6) aPliCaÇõeS

Compõem-se como se segue:

APLICAÇÕES
2008 127.704 127.704 – 86.832 86.832 214.536 214.536 Controladora 2007 387.094 386.513

Títulos de renda fixa - privados Fundos de investimento exclusivos Quotas de fundos de investimento não exclusivos Títulos de renda fixa - públicos Notas do Tesouro Nacional Total Circulante

Títulos de renda fixa - privados Quotas de fundos de investimento não exclusivos Certificados de Depósito Bancário Debêntures Swaps Operações Compromissadas - Overnight Notas Promissórias Senior Notes Outros Títulos de renda fixa - públicos Letras Financeiras do Tesouro Notas do Tesouro Nacional Letras do Tesouro Nacional Títulos da Dívida Agrária Bônus do Tesouro Nacional Outros Títulos de renda variável Ações Quotas de fundos de investimento em ações Outros Outras aplicações Subtotal Provisão para desvalorização Total Circulante Não circulante

581 – – 387.094 387.094 Consolidado 2008 2007 1.094.207 1.010.187 36.860 880.523 150.356 – – 2.126 24.372 -30 4.190.160 1.567.836 2.466.408 134.477 11.704 9.001 734 109.158 89.504 18.327 1.327 2.356 5.395.881 -10.374 5.385.507 3.507.331 1.878.176 185.279 404.419 57.473 6.183 356.806 – – 27 3.964.067 1.799.355 1.752.681 385.213 16.779 9.455 584 67.924 66.554 – 1.370 2.276 5.044.454 -1.063 5.043.391 3.424.131 1.619.260

a classificação e o vencimento dos títulos e valores mobiliários em 31 de dezembro de 2008 e de 2007, feita de acordo com os critérios de contabilização e avaliação descritos na nota (3.1), é a seguinte:

135

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS
APLICAÇÕES
2008 127.704 127.704 – 86.832 86.832 214.536 214.536 Controladora 2007 387.094 386.513

Títulos de renda fixa - privados Fundos de investimento exclusivos Quotas de fundos de investimento não exclusivos Títulos de renda fixa - públicos Notas do Tesouro Nacional Total Circulante

Títulos de renda fixa - privados Quotas de fundos de investimento não exclusivos Certificados de Depósito Bancário Debêntures Swaps Operações Compromissadas - Overnight Notas Promissórias Senior Notes Outros Títulos de renda fixa - públicos Letras Financeiras do Tesouro Notas do Tesouro Nacional Letras do Tesouro Nacional Títulos da Dívida Agrária Bônus do Tesouro Nacional Outros Títulos de renda variável Ações Quotas de fundos de investimento em ações Outros Outras aplicações Subtotal Provisão para desvalorização Total Circulante Não circulante

581 – – 387.094 387.094 Consolidado 2008 2007 1.094.207 1.010.187 36.860 880.523 150.356 – – 2.126 24.372 -30 4.190.160 1.567.836 2.466.408 134.477 11.704 9.001 734 109.158 89.504 18.327 1.327 2.356 5.395.881 -10.374 5.385.507 3.507.331 1.878.176 185.279 404.419 57.473 6.183 356.806 – – 27 3.964.067 1.799.355 1.752.681 385.213 16.779 9.455 584 67.924 66.554 – 1.370 2.276 5.044.454 -1.063 5.043.391 3.424.131 1.619.260

136

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS
(7) PrêMioS a reCeBer

PRÊMIOS A RECEBER
Ramos Automóveis Saúde grupal Aeronáuticos Saúde individual (a) Vida em grupo Transportes Responsabilidade civil - carga Riscos nomeados e operacionais Marítimos Compreensivo empresarial Responsabilidade civil - geral Acidentes pessoais Riscos diversos Compreensivo residencial Outros Total Circulante Não circulante 2008 692.501 112.487 57.456 56.769 34.653 18.605 17.873 17.626 15.146 12.615 7.906 6.936 11.051 2.669 27.279 1.091.572 1.091.441 131 2007 582.004 87.705 402 125.562 42.201 13.026 19.305 27.532 10.970 12.680 6.852 7.728 4.505 2.744 18.087 961.303 944.955 16.348

Compõem-se como se segue: os prêmios a receber contemplam os prêmios de emissão direta e cosseguro aceito, bem como as operações de retrocessão.

(a) em 30 de maio de 2007, em decorrência da decisão da ação Civil Pública do Ministério Público estadual do estado de São Paulo, foi autorizada a cobrança dos índices de reajustes dos planos individuais contratados antes de 1º de janeiro de 1999, conforme mencionado na nota (20.1). em 31 de dezembro de 2007, o saldo de prêmios a receber no montante de R$65.394, foi cobrado conforme mencionado na nota (20.1), estando r$49.046 contabilizado na rubrica Prêmios a receber no ativo circulante e r$16.348 na rubrica Prêmios a receber no ativo não circulante. em 31 de dezembro de 2008 e de 2007, os prêmios a receber, por vencimento, estão distribuídos da seguinte forma: clique para ver. (7.1) ProViSÃo Para riSCoS De CrÉDito:

a provisão para riscos de crédito é constituída com base nos prêmios líquidos de comissão, imposto sobre operações Financeiras (ioF) e resseguro, venciPRÊMIOS A RECEBER dos e a vencer, de risco decorrido, cuja apólice possui ao menos uma parcela vencida há mais de 60 dias. Ramos 2008 2007 Quando aplicável, principalmente para as cobranças Vencidos 254.586 233.695 judiciais, o cálculo da provisão para risco de crédito A vencer entre 1 e 30 dias 341.505 298.828 leva em consideração a expectativa de recebimenA vencer entre 31 e 60 dias 162.584 131.366 to por grupos de apólices e prêmios. os prêmios a A vencer entre 61 e 180 dias 281.608 209.537 receber de riscos a decorrer são normalmente canA vencer entre 181 e 365 dias 51.158 71.529 celados após 32 e 60 dias de inadimplência, depenA vencer acima de 365 dias 131 16.348 dendo do ramo de seguro. em 31 de dezembro de Total 1.091.572 961.303 2007, a controlada indireta Sul américa Companhia de Seguro Saúde constituiu provisão para fazer face à inadimplência esperada, e outras despesas relacionadas à cobrança dos prêmios retroativos mencionado na nota (20.1), no montante de r$26.157, sendo registrados r$19.618 na rubrica Provisão para riscos de Crédito no ativo circulante, e r$6.539, no ativo não circulante. em 31 de março de 2008, a referida provisão foi totalmente revertida, conforme nota (20.1). em 31 de dezembro de 2008, a provisão para riscos de crédito no ativo circulante é de r$66.386 (r$95.078 em 2007) e de r$6.539 no ativo não circulante no consolidado em 31 de dezembro de 2007.

137

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS
8) CrÉDitoS triButárioS:

as bases do imposto de renda e da contribuição social diferidos são compostas da seguinte forma: clique para ver.

as parcelas dos créditos tributários no ativo circulante e não circulante estão registradas na rubrica Créditos tributários e Previdenciários, que contemplam também, outros impostos a recuperar. o saldo em 31 de dezembro de 2008 é de r$16.986 (r$10.136 em 2007) na Controladora e r$183.351 (r$207.091 em 2007) no consolidado, no ativo circulante, e de r$18.632 (r$24.896 em 2007) na Controladora e de r$761.616 (r$736.189 em 2007) no consolidado, no ativo não circulante. em 31 de dezembro de 2008, o montante realizável dos créditos tributários, considerando o valor nominal dos resultados futuros apurados nos orçamentos elaborados para os próximos 10 anos, é de R$10.715 na Controladora e r$684.783 no consolidado, pelas regras da CVM o montante realizável de créditos tributários foi estimado com base nos resultados futuros descontados a valor presente pela taxa SeliC futura estimada. (a) a provisão para riscos de créditos tributários de imposto de renda e de contribuição social foi estabelecida com base nas expectativas da administração sobre a realização dos resultados fiscais tributáveis futuros e sobre certas diferenças temporárias. na linha provisão para riscos de crédito, estão registradas, além da provisão mencionada anteriormente, outras provisões de contas a receber; (b) os valores representam créditos tributários diferidos, oriundos de prejuízos fiscais, bases negativas de contribuição social e diferenças temporárias, líquidos de provisão para riscos de crédito. as estimativas da administração da Controladora e de suas controladas diretas e indiretas quanto à realização dos seus créditos tributários estão baseadas em orçamentos elaborados e aprovados para os próximos 10 anos, que contemplam, entre outras, as seguintes ações implementadas pelas suas principais controladas indiretas operacionais, a saber:

Sul américa Seguro Saúde S.a. e Sul américa Companhia de Seguro Saúde – lançamento de novos produtos, como o Sulamérica Saúde Fit, Sulamérica odontológico, reformulação do produto Sulamérica Saúde PMe, dirigido a pequenas e médias empresas e reforço do Programa Sulamérica Saúde ativa - que faz da Sulamérica uma referência em medicina preventiva, bem como no aprimoramento das políticas de subscrição e modelo de regulação de sinistros, proporcionando maior controle dos custos operacionais, tanto nos processos internos como, também, no relacionamento com fornecedores e prestadores de serviços, e conseqüentemente melhoria da sinistralidade. Sul américa Companhia nacional de Seguros - adoção de uma política de maior seletividade na aceitação do risco em algumas praças, aprimorando suas ações de prevenção e combate a fraude. Está investindo em 138 Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS ações para aumento das vendas, por meio do reforço da parceria com os corretores de seguros, de programas específicos de aumento da remuneração dos corretores e de ações de fidelização dos segurados, com destaque, entre outros, para o lançamento do C.a.S.a. (Centro automotivo de Super atendimento) nas cidades de Belo Horizonte, Salvador, Porto alegre, ribeirão Preto, Fortaleza, uberlândia, Campinas, São Paulo - Capital, Caxias do Sul, Vitória, Manaus e Blumenau oferecendo ao cliente maior comodidade, segurança e agilidade na ocasião do sinistro. lançamento de novos produtos como o Sulamérica Caminhão, Sulamérica auto Mulher e Sulamérica auto taxi. em 27 de maio de 2008, a controlada indireta Sul américa Companhia nacional de Seguros firmou parceria comercial, para os próximos 5 anos, com a BV Financeira S.a. Crédito, Financiamento e investimento, BV leasing arrendamento Mercantil S.a. e VCS - Votorantim Corretora de Seguros Ltda. para promoção do seguro SulAmérica Auto em toda a sua rede, em caráter de exclusividade, que prevê, ainda, o pagamento de até r$40.000, condicionada a cláusula de performance de comercialização futura. Sul américa Seguros de Vida e Previdência S.a.– lançamento de uma série de produtos inovadores, como o Sulamérica Você Capital Global, voltado a empresas a partir de 15 vidas, o Sulamérica Você BaP, seguro de acidentes pessoais individual, o Sulamérica Você PMG para pequenos e médios grupos, um produto ajustado às necessidades de equipes com 4 a 50 vidas seguradas e o educaprevi, plano de previdência destinado para a garantia do futuro de crianças e jovens. adicionalmente, vem sendo realizado desde o exercício de 2007, um processo de reajuste de prêmios das apólices de vida e descontinuação daquelas não rentáveis, contribuindo para redução na sinistralidade. Sul américa investimentos Distribuidora de títulos e Valores Mobiliários – estratégias implementadas na área de gestão de ativos, com destaque para o lançamento do fundo multiestratégia Sulamerica absoluto e ampliação da área de atendimento a clientes do segmento private. em 31 de dezembro de 2008, a expectativa de realização, por ano, dos mencionados créditos é apresentada como se segue: clique para ver. as realizações dos créditos tributários relacionados às provisões para contingências, perdas e obrigações fiscais foram alocadas, em nossas projeções, nos anos subsequentes a compensação dos prejuízos fiscais e bases negativas de contribuição social, em função da dificuldade em se prever, no momento atual, o desfecho e a data de encerramento desses litígios. (c) refere-se a créditos tributários de Programa de integração Social (PiS) e Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social(CoFinS) calculados sobre o saldo das provisões de sinistros a liquidar e de sinistros ocorridos mas não avisados. em 31 de dezembro de 2008, os saldos acumulados de prejuízos fiscais e de bases negativas de contribuição social a compensar são formados como demonstrado a seguir: clique para ver.

139

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS
(d) refere-se ao ágio registrado pela controlada indireta Sul américa investimentos Distribuidora de títulos e Valores Mobiliários S.a. na incorporação da Sul américa investimentos S.a, sobre os saldos de investimento, fundamentado na expectativa de resultados futuros. em 30 de novembro de 2000, a controlada indireta Sul américa investimentos Distribuidora de títulos e Valores Mobiliários S.a., incorporou a investidora supramencionada e contabilizou esse ágio em seus registros contábeis. nos termos das instruções CVM nos 319/99 e 349/2001, a referida controlada indireta, constituiu provisão sobre a diferença entre o valor do ágio incorporado e o benefício fiscal futuro esperado decorrente de sua amortização, o qual é apresentado para fins de divulgação na rubrica Créditos tributários Previdenciários no ativo não circulante. a amortização desses ágios, a partir de sua constituição, a razão de 10% ao ano, está sendo contemplada nos orçamentos elaborados pela administração da Sul américa investimentos Distribuidora de títulos e Valores Mobiliários S.a.; (e) Conforme mencionado nas notas nº (17.3) e (21), as controladas indiretas das áreas de seguro e financeira ficaram sujeitas a partir de maio de 2008 à alíquota de 15% para o cálculo da contribuição social sobre o lucro líquido.

a administração destas controladas elaborou estudo com objetivo de identificar impacto nos respectivos resultados, advindo da majoração em 6% da alíquota da contribuição social. nesse sentido, concluiu-se que o efeito líquido do aumento da despesa da contribuição deduzido do reconhecimento do complemento de crédito tributário não é relevante para fins de divulgação.

140

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS
(9) PerManente: (9.1) PartiCiPaÇõeS eM ControlaDaS e ColiGaDaS: CoMPõeM-Se CoMo Se SeGue:

ao longo do exercício de 2008, os investimentos que constavam no consolidado foram alienados, conforme a seguir: (i) em 25 de abril de 2008, a controlada indireta alutrens Participações S.a. alienou a totalidade das 343.290.112 ações ordinárias nominativas de emissão da telemar Participações S.a., representativas de 10% do capital votante e total da telemar Participações S.a. e (ii) em 04 de setembro de 2008, a controlada indireta Sul américa Companhia nacional de Seguros alienou a totalidade das 1.099.998 ações ordinárias nominativas de emissão da Seguradora Brasileira de Crédito a exportação, representativas de 12,09% do capital. Ver nota (20.8).

141

Sulamérica Relatório Anual 2008

reSultaDoS 2008
(9.2) iMoBiliZaDo: Compõe-se como se segue:

(a) o saldo contempla os seguintes ágios: (i) r$5.138 relativo ao investimento da Controladora na controlada indireta Sul américa Companhia nacional de Seguros e (ii) r$15.436 relativo à aquisição, efetuada pela controlada Saepar Serviços e Participações S.a., mediante o processo de oferta pública de aquisição de ações (oPa), de 32.372.409 ações da controlada indireta Sulamérica Companhia nacional de Seguros, em 29 de abril de 2008. o fundamento econômico destes ágios é a expectativa de rentabilidade futura.

142

Sulamérica Relatório Anual 2008

reSultaDoS 2008
(9.4) DiFeriDo:

(a) refere-se ao ágio na aquisição pela controlada indireta Sul américa Distribuidora de títulos e Valores Mobiliários S.a. da participação de 100% na Sul américa investimentos S.a., conforme mencionado na nota (8). em dezembro de 2008, a controlada indireta nos termos das instruções CVM nos 319/99 e 349/2001, constituiu provisão sobre a diferença entre o valor do ágio incorporado e o benefício fiscal futuro esperado decorrente de sua amortização, e reclassificou para fins de divulgação na rubrica Créditos tributários e Previdenciários.

10) DePóSitoS De terCeiroS: Compõem-se como se segue:

143

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS
(11) outroS DÉBitoS oPeraCionaiS De SeGuroS e reSSeGuroS:

Compõem-se como se segue:

144

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS
(12) ProViSõeS tÉCniCaS e DeSPeSaS De CoMerCialiZaÇÃo DiFeriDaS De SeGuroS e reSSeGuroS:
PROVISÕES TÉCNICAS E DESPESAS DE COMERCIALIZAÇÃO DIFERIDAS DE SEGUROS E RESSEGUROS
Consolidado Provisões matemáticas de benefícios a conceder e concedidos e provisões de riscos não expirados, excedente financeiro e benefícios a regularizar – 10.313 2.289 – 239.755 – – – 25.075 – – – – – – – – – – 277.432 78.665 198.767

Provisão de prêmios não ganhos, provisão de insuficiência de prêmios e outras provisões Automóveis 1.215.653 Saúde grupal 13.822 Saúde individual 62.912 Vida em grupo 47.923 Vida gerador de benefícios livres 1.074 Responsabilidade civil - geral 13.944 Compreensivo empresarial 15.075 Vida individual 15.805 DPVAT convênio 1.421 Marítimos 12.280 Riscos diversos 6.862 Transportes 3.801 Responsabilidade civil - carga 2.204 Incêndio tradicional 675 Compreensivo residencial 6.288 Compreensivo condomínio 3.051 Outros 51.704 Total 1.474.494 Circulante 1.428.038 Não Circulante 46.456

Provisão de sinistros e eventos Despesas de Sinistros a ocorridos mas comercialização liquidar não avisados não diferidas 439.777 49.585 217.620 122.248 271.468 76.017 88.416 147.553 86.708 150.926 52.183 19.403 – 4.983 34.459 1.645 2.922 27.349 2.130 4.919 4.970 – 27.773 2.812 – 15.016 2.059 1.977 14.447 654 1.425 14.975 3.617 63 16.511 2.912 6 11.275 276 1.032 2.602 157 2.453 2.721 154 1.416 66.590 15.988 16.031 1.035.085 558.163 436.975 708.406 558.163 295.603 326.679 – 141.372 2007

Provisão de prêmios não ganhos, provisão de insuficiência de prêmios e outras provisões Ramos Automóveis Saúde grupal Saúde individual Vida em grupo

Provisões matemáticas de benefícios a conceder e concedidos e provisões de riscos não expirados, excedente financeiro e benefícios a regularizar

Sinistros a liquidar 406.000 112.118 93.133 175.303

Provisão de sinistros e eventos Despesas de ocorridos mas comercialização não avisados não diferidas 48.084 235.342 143.329 67.709 192.239 65.436 97.896 8.676

1.044.970 – 9.622 66.296 31.969 –

9.508 2.107

145

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS em 31 de dezembro de 2008 e de 2007, a rubrica Sinistros a liquidar contempla sinistros em disputa judicial relacionados, principalmente, a negativa de coberturas fundamentada na ausência de enquadramento nas condições contratuais, relativas, principalmente, aos ramos de Automóveis e Vida. (12.1) MoViMentaÇÃo DaS aÇõeS De SiniStroS eM DiSPuta JuDiCial: Compõem-se como se segue:

Saldo em 2007 468.008 Adições 131.098 Baixas (155.233) Saldo em 2008 443.873

146

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS
(12.2) MoViMentaÇõeS DaS ProViSõeS tÉCniCaS e DeSPeSaS De CoMerCialiZaÇÃo DiFeriDaS - PreViDênCia:

MOVIMENTAÇÕES DAS PROVISÕES TÉCNICAS E DESPESAS DE COMERCIALIZAÇÃO DIFERIDAS - PREVIDÊNCIA
Consolidado

Provisões de eventos ocorridos Provisões mas não técnicas avisados Saldos em 31 de dezembro de 2007 Constituições Portabilidade de entrada Resgates Portabilidade de saída Pagamento de benefícios Atualização monetária Comissões Amortizações Saldos em 31 de dezembro de 2008 Circulante Não circulante 1.368.893 148.892 111.128 -56.968 -32.935 -38.351 150.896 – – 1.651.555 377.888 1.273.667 868 52 – – – – – – – 920 920 –

Despesas de comercialização diferidas 4.171 – – – – – – 4.442 -4.696 3.917 2.526 1.391
2007

Provisões de eventos ocorridos Provisões mas não técnicas avisados Saldos em 31 de dezembro de 2006 Constituições Portabilidade de entrada Resgates Portabilidade de saída Pagamento de benefícios Atualização monetária Comissões Amortizações Saldos em 31 de dezembro de 2007 Circulante Não circulante 1.185.282 107.047 44.528 -53.151 -32.062 -37.844 155.093 – – 1.368.893 324.170 1.044.723 760 108 – – – – – – – 868 868 –

Despesas de comercialização diferidas 3.432 – – – – – – 4.009 -3.270 4.171 2.801 1.370

147

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS
(13) Garantia DaS ProViSõeS tÉCniCaS:

As provisões técnicas possuem a seguinte cobertura:

( a ) em 2008, a linha Quotas de fundos de investimento exclusivos contempla o montante de r$457.267 no consolidado relativo às operações Compromissadas, que para fins de divulgação das Demonstrações Financeiras estão apresentadas na rubrica aplicações no Mercado aberto, conforme a nota (3.1).

148

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS
(14) ParteS relaCionaDaS: As principais transações com partes relacionadas estão resumidas a seguir:

as contas a receber/a pagar e as receitas/despesas referem–se, principalmente, a: (a) Provisão estimada pela administração da Controladora para fazer face às possíveis perdas, decorrentes do acordo firmado na associação da Sulamérica Seguros com o Banco do Brasil, em junho de 1997, envolvendo os valores dos bens utilizados na integralização do capital da Brasilveículos Companhia de Seguros. (b) recuperação de despesas decorrentes da utilização compartilhada dos sistemas operacionais e de estrutura administrativa de apoio. o rateio é efetuado entre as companhias, e é liquidado mensalmente. (c) receitas da controlada indireta Sul américa investimentos Distribuidora de títulos e Valores Mobiliários S.a. relativas à gestão de ativos financeiros, correspondentes à taxa de administração de 0,17% sobre o patrimônio líquido da carteira, e a taxa de performance de 20% sobre o que exceder o parâmetro de referência, liquidadas mensalmente e semestralmente, respectivamente. (d) representa os honorários, encargos e benefícios, principalmente, seguro saúde e vida, previdência privada e pagamento baseado em ações; (e) Serviços prestados de consultoria e acompanhamento dos processos judiciais de natureza cível, trabalhista e tributário. estes contratos são renovados anualmente e liquidados mensalmente ou quando do encerramento do processo. São também partes relacionadas da Companhia, seus controladores Sulasapar Participações S.a. e inG insurance international BV, e aquelas constantes da nota (2). 149 Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS
(15) eMPrÉStiMoS e FinanCiaMentoS:

em fevereiro de 2007, a Controladora emitiu Senior notes, com o aval da sua controlada direta Saepar Serviços e Participações S.a., no montante de uS$200.000.000, à taxa anual de 8,625%, conforme os termos e as condições constantes da respectiva escritura de oferta. os títulos têm prazo de cinco anos a contar da data da sua emissão e são garantidos pela controlada Saepar Serviços e Participações S.a. os recursos líquidos captados, no valor de R$406.000, foram destinados principalmente a: (i) liquidação dos empréstimos e linhas de crédito; e (ii) pagamento de tributos e outras despesas relacionadas à emissão. (1) em 26 de novembro de 2007, conforme previsão em cláusula contratual, foi liquidado por antecipação o valor de uS$71.727.395,83 (r$128.758), correspondente a 35% do valor total do saldo em aberto do Senior notes. assim como a reversão no mesmo percentual do contrato de derivativo – swap constituído para a proteção do referido Senior notes. (2) em 30 de maio de 2007, a Controladora realizou operações de swap, nas quais o indexador do respectivo contrato foi substituído pelo indexador mencionado no quadro anterior. (3) em 03 de março de 2008, conforme previsão de cláusula contratual, foi realizada a primeira repactuação da operação de swap, alterando os encargos de 44,75% para 50,95% do CDi ao ano. o valor de ajuste intermediário resultou em um contas a pagar no montante de r$45.067, não liquidados no momento da repactuação, que é atualizado por 100% do CDi até a data do vencimento da operação ou por ocasião de sua liquidação antecipada. (4) em 02 de abril de 2008, conforme previsão de cláusula contratual, foi realizada uma nova repactuação da operação de swap, alterando os encargos de 50,95% do CDi ao ano para a taxa CDi deduzida de 3,967% ao ano. o valor de ajuste intermediário resultou em um ganho no montante de r$5.753, que foi amortizado do valor de ajuste intermediário decorrente da repactuação mencionada no item (3). esta repactuação vigorará até 14 de fevereiro de 2012 por ocasião do vencimento do Senior notes. (5) Conforme mencionado nas notas (3.3.2) e (5), o Senior notes, objeto de hedge, e o swap, instrumento financeiro destinado a hedge de fluxo de caixa, foram ajustados ao valor justo resultando no ganho de r$28.360 (r$18.758, líquido dos efeitos tributários), registrado na rubrica ajustes de avaliação Patrimonial, no Patrimônio líquido. 150 Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS
16) CoMProMiSSoS e ônuS a liQuiDar: (16.1) iMóVeiS CoM GraVaMe: Determinadas controladas indiretas que operam com seguros registram como imobilizado certas propriedades que foram dadas em garantia, por decisão judicial, devido a ações cíveis relativas a sinistros. o valor contábil dessas propriedades, líquido de depreciação, era de r$2.698 em 31 de dezembro de 2008 (r$2.908 em 2007). (16.2) reCurSoS BloQueaDoS: em 31 de dezembro de 2008, a Controladora e determinadas controladas diretas e indiretas possuem recursos bloqueados nas contas correntes bancárias referentes a demandas judiciais no montante de r$43 na Controladora e de r$111.456 (r$101.067 em 2007) no consolidado, registrados na rubrica outros Créditos. (16.3) Garantia DaS ProViSõeS tÉCniCaS: Determinadas controladas indiretas possuem bens vinculados à SuSeP e à anS, oferecidos em garantia para coberturas das provisões técnicas, que estão relacionados na nota (13). (16.4) Futura SeDe Da SulaMÉriCa SeGuroS: em 17 de dezembro de 2007, a controlada indireta Sul américa Companhia nacional de Seguros celebrou contrato de locação de imóvel de sua nova sede no rio de Janeiro, que se encontra em fase de construção e com previsão de conclusão em 17 de abril de 2009. Pelo prazo de locação de 10 anos, contados a partir de 18 de abril de 2009, podendo ser prorrogado por mais 60 meses, a controlada indireta se compromete a pagar 10 parcelas anuais de r$13.712, reajustadas anualmente, ou na menor periodicidade permitida em lei, pela variação percentual acumulada do iGP-M, calculado pela Fundação Getúlio Vargas, a partir de 17 de abril de 2010. o referido contrato de locação possui cláusulas que restringem a controlada indireta e a locatária rescindir unilateralmente o contrato. A rescisão unilateral voluntária por parte da controlada indireta acarretará no pagamento de indenização a locatária, nas condições estipuladas no contrato. (16.5) aCorDo CoMerCial: em 27 de maio de 2008, a controlada indireta Sul américa Companhia nacional de Seguros firmou parceria comercial, para os próximos 5 anos, com a BV Financeira S.a. Crédito, Financiamento e investimento, BV leasing arrendamento Mercantil S.a. e VCS - Votorantim Corretora de Seguros ltda. para promoção do seguro Sulamérica auto em toda a sua rede, em caráter de exclusividade, que prevê, ainda, o pagamento de até r$40.000, condicionada a cláusula de performance de comercialização futura.

151

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS
(17) DePóSitoS JuDiCiaiS e FiSCaiS, outroS PaSSiVoS ContinGenteS e oBriGaÇõeS FiSCaiS: Compõem-se como se segue: clique para ver.

152

Sulamérica Relatório Anual 2008

reSultaDoS 2008
(17.1) aÇõeS JuDiCiaiS De natureZaS CíVel, traBalHiSta e FiSCal e DPVat: a Controladora e suas controladas diretas e indiretas possuem as seguintes quantidades de ações judiciais, segregadas segundo a sua natureza, probabilidade de perda, valores estimados e provisionados:

17.2) MoViMentaÇÃo DaS ProViSõeS Para ContinGênCiaS releVantS:

(17.3) aÇõeS FiSCaiS: CoFinS - a partir de 1999, a CoFinS passou a ser devida pelas Companhias de seguro, de previdência complementar e pelas instituições financeiras, à alíquota de 3%. Desde então, as controladas indiretas Sul américa Companhia nacional de Seguros, Sul américa Seguros de Vida e Previdência S.a., Sul américa Companhia de Seguros Gerais, Sul américa Santa Cruz Participações S.a., que operava como seguradora até fevereiro de 2003, Sul américa Seguro Saúde S.a. e a Brasilveículos Companhia de Seguros passaram a questionar judicialmente a constitucionalidade da lei ordinária que instituiu o recolhimento dessa contribuição. em dezembro de 2006, foi publicada a decisão parcialmente favorável proferida pelo Supremo tribunal Federal (StF), exceto para a Sul américa Seguro Saúde S.a. e para a Brasilveículos Companhia de Seguros que ainda aguardam o julgamento do StF, tendo sido acolhido recurso extraordinário das impetrantes para afastar a ampliação da base de cálculo sobre “outras receitas”, decidindo, todavia, pela constitucionalidade da cobrança da contribuição. as referidas controladas indiretas (exceto a Brasilveículos Companhia de Seguros) vêm, desde então, recolhendo a CoFinS sobre a receita de sua atividade de seguro e de previdência privada, e, com base nessa decisão, que transitou em julgado no dia 12 de fevereiro de 2007, reverteram a provisão constituída. em 27 de julho de 2007, os valores depositados judicialmente relativos à parcela da CoFinS sobre as receitas da atividade de seguro e de previdência privada das referidas controladas indiretas (exceto Sul américa Seguro Saúde S.a e Brasilveículos Companhia de Seguros), no montante total de r$276.225 foram convertidos em renda da união e as correspondentes provisões foram baixadas. as autoras aguardam a autorização judicial 153 Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS para efetuar o levantamento das parcelas depositadas, calculadas sobre “outras receitas”. a controlada indireta Sul américa Seguro Saúde S.a., vem recolhendo a CoFinS sobre as “receitas de sua atividade”, provisionando a parcela incidente sobre “outras receitas” e os advogados que patrocinam a causa reputam como provável a perda da demanda sobre a receita da atividade de seguro e remota sobre “outras receitas”. a Brasilveículos Companhia de Seguros obteve, em outubro de 2005, decisão do tribunal regional Federal (trF) - 2ª região, determinando o recolhimento integral do tributo com base na receita bruta e, desta forma, passou a depositar e provisionar integralmente o valor da contribuição. os seus advogados reputam como possível a perda da demanda sobre a receita bruta e remota sobre “outras receitas”. Com a promulgação da lei nº 10.684, de 30 de maio de 2003, as controladas indiretas das áreas de seguro e de previdência privada passaram a questionar a constitucionalidade da majoração da alíquota da CoFinS para 4%, provisionando e depositando judicialmente o diferencial de 1% incidente sobre a receita bruta. Com a decisão do StF em afastar a ampliação da base de cálculo sobre “outras receitas”, as referidas controladas deixaram de depositar e provisionar a CoFinS sobre “outras receitas” revertendo r$12.982. a Sul américa Companhia de Seguro Saúde continua depositando e provisionando a CoFinS sobre a receita bruta e, somente a Sul américa Seguro Saúde S.a. permanece provisionando a parcela incidente sobre “outras receitas”. os advogados que patrocinam as causas reputam como provável a perda da demanda sobre a majoração da alíquota de 1% incidente sobre a receita de sua atividade de seguro e previdência privada. as demandas judiciais relativas à CoFinS vêm sendo provisionadas de acordo com a expectativa de perda da Administração. PiS - as controladas indiretas das áreas de seguro e de previdência privada vêm questionando e depositaram judicialmente a contribuição do PiS, instituída pelas emendas Constitucionais nºs 1/1994, 10/1996 e 17/1997, com a incidência de 0,75% sobre a receita bruta. os advogados que patrocinam as causas reputam como possível a perda das demandas. adicionalmente, a partir de fevereiro de 1999, com a promulgação das leis nºs 9.701 e 9.718/1998, a base de cálculo do PiS foi ampliada em função do conceito de receita bruta estendida, e sua alíquota reduzida de 0,75% para 0,65%. as controladas indiretas das áreas de seguro e de previdência privada vinham provisionando e questionando judicialmente a constitucionalidade da expansão da carga tributária do PiS, obtendo liminar sem depósito judicial, exceto para a controlada indireta Sul américa Seguro Saúde S.a., que vinha depositando os valores judicialmente, e recolhendo o PiS na forma da lei Complementar nº 7/1970. em 1º de março de 2007, foi publicada a decisão parcialmente favorável proferida pelo tribunal regional Federal da 2ª região, determinando que as controladas Sul américa Companhia nacional de Seguros, Sul américa Santa Cruz Participações S.a., que operava como seguradora até fevereiro de 2003, Sul américa Seguros de Vida e Previdência S.a. e Sul américa Companhia de Seguros Gerais passassem a recolher o PiS com base nas receitas de venda de mercadorias e/ou serviços, afastando a ampliação da base de cálculo sobre “outras receitas”. em decorrência da mencionada decisão, em março de 2007, essas controladas recolheram o montante de r$52.231 relativos ao PiS com base na receita da atividade de seguro e previdência, referente ao período compreendido entre 1999 e 2006. Desde janeiro de 2007, essas controladas passaram a recolher o PiS com base na receita da atividade de seguros e previdência, continuando a provisionar integralmente os valores questionados sobre “outras receitas”. em 27 de junho de 2007, transitou em julgado a decisão proferida em 1º de março e, dessa forma, as controladas reverteram o passivo constituído sobre “outras receitas”, no montante de r$22.978. a Sul américa Seguro Saúde S.a. passou a recolher, a partir de janeiro de 2007, o PiS sobre a receita de sua atividade, depositando e provisionando a contribuição sobre “outras receitas”. a Sul américa Companhia de Seguro Saúde obteve sentença de 1ª instância parcialmente favorável afastando a ampliação da base de cálculo sobre “outras receitas”, decidindo todavia pela tributação das receitas de sua atividade; em razão dessa decisão a empresa recolheu em 30 de setembro de 2008 o montante de r$59.350 relativos ao PiS com base na receita da atividade de seguro. os advogados que patrocinam a causa reputam como provável a perda da demanda relativa ao PiS devido com 154 Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS base na receita das atividades de seguro e previdência e remota para ampliação da base de cálculo sobre “outras receitas”. Com relação a controlada indireta Brasilveículos Companhia de Seguros, em outubro de 2005, o trF julgou improcedente o pedido formulado pela controlada para autorizar a suspensão da exigibilidade da cobrança do PiS com base na lei 9.718/98. em 3 de julho de 2006, a referida controlada apelou desta decisão, sendo negado provimento ao recurso e atualmente aguarda julgamento dos embargos de declaração. a controlada vem recolhendo o PiS com base na receita bruta. os advogados que patrocinam a causa reputam como possível a perda da demanda. as demandas judiciais relativas ao PiS vêm sendo provisionadas de acordo com a expectativa de perda da Administração. inSS - as controladas indiretas das áreas de seguros e de previdência privada vêm questionando e depositando judicialmente a contribuição previdenciária sobre as remunerações pagas aos prestadores de serviços médicos e corretores de seguro, instituída pela lei Complementar nº 84/1996 e alterada pela lei nº 9.876/1999, à alíquota de 20% e adicional de 2,5%, por entender que os serviços médicos e de corretagem de seguros não são prestados às seguradoras, mas ao segurado, estando, desta forma, fora do campo de incidência da contribuição prevista no inciso iii, artigo 22, da lei nº 8.212/1991. em abril de 2008, o Superior tribunal de Justiça julgou e decidiu em favor da incidência da contribuição previdenciária sobre as remunerações pagas aos corretores, instituídas pela lei Complementar nº 84/1996 para as controladas Sul américa Companhia nacional de Seguros e Sul américa Companhia de Seguros Gerais, as quais ainda aguardam a publicação do acórdão e apreciação da matéria pelo Supremo Tribunal Federal, encontrando-se os valores relativos a esta causa provisionados em sua totalidade. o passivo contingente relativo a corretores foi complementado em 2008 no montante de r$38.991 no consolidado. os advogados que patrocinam as causas reputam como remota a perda das demandas relativas à contribuição previdenciária incidente sobre as remunerações pagas aos prestadores médicos e possível para os corretores de seguro. a extinta controlada indireta Sul américa Serviços Médicos S.a. foi autuada (notificação fiscal de lançamento de débito) em 2005 pelo instituto nacional de Seguro Social (inSS) no montante de r$49.680, em função da alegada falta de recolhimento da contribuição previdenciária sobre os valores pagos aos prestadores de serviços médicos referentes ao período de maio de 1996 a dezembro de 1998. a Sul américa Serviços Médicos S.a. contestou a referida autuação e apresentou a sua defesa. em agosto de 2008, a 14ª turma da Delegacia da receita Federal de Julgamento, julgou improcedente a autuação, em virtude do entendimento do StF que considerou inconstitucional o prazo de 10 anos para decadência do direito de constituição de crédito tributário. esta decisão foi submetida a recurso de ofício ao Segundo Conselho de Contribuintes do Ministério da Fazenda, tendo em vista que o valor total do crédito tributário exonerado excede a r$1.000, o qual aguarda julgamento. os advogados que patrocinam a causa reputam como remota a perda da demanda. Dessa forma, a Administração da controlada indireta não constituiu provisão para contingências relacionadas ao referido questionamento. em função da cisão total seguida de incorporação da controlada indireta Sul américa Serviços Médicos S.A., o referido débito foi sucedido pela controlada indireta Sul América Seguro Saúde S.A.. em maio de 2006, a Sul américa Serviços Médicos S.a. (extinta por cisão total) obteve decisão favorável, transitada em julgado, proferida pelo Superior tribunal de Justiça na ação, para proceder à compensação dos créditos oriundos dos recolhimentos efetuados a título de contribuição previdenciária, exigida pelo inciso i, artigo 22, da lei nº 8.212/1991, sobre remunerações pagas ou creditadas a empresários e autônomos, no montante de R$14.692. Em outubro do mesmo ano, a mesma controlada obteve outra decisão favorável para também proceder à compensação dos créditos oriundos dos recolhimentos efetuados a título da contribuição previdenciária, exigida pelo inciso i, artigo 3º, da lei nº 7.787/1989, sobre a remuneração de autônomos e administradores, na forma prevista na lei Complementar nº 84/1996, no montante de r$33.574. em decorrência das decisões favoráveis mencionadas, o total dos créditos a compensar, atualizado, no montante de r$48.266, foi registrado na rubrica Créditos tributários e Previdenciários. o saldo dos referidos créditos, líquidos das compensações em 31 de dezembro de 2008, é de r$33.351 (r$42.469 em 31 de dezembro de 2007), sendo que o montante de r$18.000 (r$5.027 em 31 de dezembro de 2007) está registrado no ativo 155 Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS circulante e r$15.351 (r$37.442 em 31 de dezembro de 2007) está registrado no ativo não circulante. em 30 de junho de 2008, conforme mencionado anteriormente, a Sul américa Serviços Médicos S.a. foi objeto de uma cisão total seguida de incorporação, sendo o referido crédito transferido nessa operação para a Sul América Seguro Saúde S.A. as demandas judiciais relativas a inSS vêm sendo provisionadas de acordo com a expectativa de perda da Administração. irPJ - a partir de 1º de janeiro de 1997, a despesa de contribuição social tornou-se indedutível na base de cálculo do imposto de renda. em decorrência da alteração mencionada, a Controladora e suas controladas indiretas obtiveram liminar com depósito judicial, assegurando a dedutibilidade da contribuição na apuração do imposto de renda. os advogados que patrocinam a causa reputam como provável a perda da demanda e os advogados da controlada indireta Brasilveículos Companhia de Seguros reputam como possível a perda da demanda. as demandas judiciais relativas a irPJ vêm sendo provisionadas de acordo com a expectativa de perda da Administração. CSll - De janeiro de 1997 a dezembro de 1998, as companhias seguradoras ficaram sujeitas a recolher a contribuição social à alíquota de 18% sobre o lucro tributável, alíquota aplicável às instituições financeiras, ofendendo o princípio da isonomia. as suas controladas indiretas da atividade de seguros obtiveram liminar para recolher a contribuição social à alíquota de 8%, depositando judicialmente a diferença de alíquota para os 18% cobrados, estando o passivo contingente provisionado na sua totalidade. os advogados que patrocinam a causa reputam como provável a expectativa de perda da demanda. adicionalmente, com a edição da Medida Provisória nº 413/08 convertida na lei nº 11.727/08, as controladas indiretas da área financeira, de seguros e de previdência privada ficaram sujeitas a majoração de 6% da alíquota da Contribuição Social a partir de maio de 2008, passando a alíquota dessas controladas de 9% para 15%. nesse sentido, as controladas indiretas de seguros e previdência complementar e a controlada indireta Sul américa investimentos Distribuidora de títulos e Valores Mobiliários S.a. passaram a questionar a constitucionalidade dessa majoração tendo impetrado Mandado de Segurança, provisionando e depositando judicialmente os valores questionados. os advogados que patrocinam a causa reputam como possível a perda na demanda.

156

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS
18) oBriGaÇõeS a PaGar:

(*) reFinanCiaMento FiSCal - PaeS

a lei nº 10.684, de 31 de maio de 2003, instituiu o Parcelamento especial (PaeS), cujo objetivo era a regularização de créditos da união decorrentes de débitos de pessoas jurídicas, relativos a tributos e contribuições administrados pela receita Federal do Brasil (rFB), Procuradoria Geral da Fazenda nacional e o instituto nacional da Seguridade Social (inSS).

em 31 de julho de 2003, a Controladora e suas controladas indiretas Sul américa Companhia nacional de Seguros, Sul américa Seguro Saúde S.a., Sul américa Companhia de Seguro Saúde, Sul américa investimentos e Participações S.a., Sul américa Santa Cruz Participações S.a., Sul américa Serviços Médicos S.a., Sul américa Companhia de Seguros Gerais e executivos S.a. - administração e Promoção de Seguros, aderiram ao parcelamento, com o objetivo de parcelar valores devidos relativos a CoFinS, imposto de renda, contribuição social sobre o lucro líquido, FinSoCial, Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) e inSS, os quais encontravam-se em discussão nas esferas administrativa e/ou judicial.

Em função da cisão total seguida de incorporação da controlada indireta Sul América Serviços Médicos S.A., o saldo do Parcelamento especial mantido por essa sociedade relativo a débitos de inSS foi sucedido pela controlada indireta Sul América Seguro Saúde S.A.

o montante das obrigações incluídas no PaeS foi de r$253.353 (líquido da redução de multa de 50%).

157

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS o parcelamento prevê o pagamento dos mencionados tributos e contribuições em até 180 parcelas iguais e mensais, conforme montante e prazos previstos na legislação vigente, com vencimento final até 30 de junho de 2018, conforme o número de meses da opção, atualizadas com base na variação da taxa de Juros de longo Prazo (tJlP). em 31 de dezembro de 2008, as obrigações estão contabilizadas na rubrica Provisão para impostos e Contribuições, no passivo circulante, no montante de r$87 (r$83 em 2007) na controladora e r$35.244 (r$33.752 em 2007) no consolidado e na rubrica obrigações a Pagar, no passivo não circulante, no montante de r$744 (r$795 em 2007) na controladora e r$137.491 (r$165.282 em 2007) no consolidado. até 31 de dezembro de 2008, o montante de r$413 foi quitado pela controladora e r$166.996 pelas suas controladas, correspondente a 65 parcelas pela Companhia e 66 das suas controladas indiretas.

158

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS
(19) PatriMônio líQuiDo: (19.1) CaPital SoCial - ControlaDora: o capital social em 31 de dezembro de 2008 constitui-se de 155.371.196 (sendo 127.500 em tesouraria) ações ordinárias nominativas e 125.924.735 (sendo 255.000 em tesouraria) ações preferenciais nominativas, sem valor nominal, totalmente integralizadas. De acordo com o estatuto, são assegurados aos acionistas dividendos obrigatórios equivalentes a 25% do lucro líquido do exercício, ajustados em consonância com a legislação em vigor. (19.1.1) oFerta PúBliCa De DiStriBuiÇÃo De unitS: em 03 de outubro de 2007, a Controladora obteve junto à CVM o registro de companhia aberta e em 04 de outubro a oferta pública de distribuição de 21.739.132 units (certificados de depósito de ações representando, cada uma, uma ação ordinária e duas ações preferenciais) foi registrada pela CVM. as units passaram a ser negociadas na BM&FBoVeSPa em 05 de outubro de 2007, sob o código Sula11, e foram listadas no nível 2 de Governança Corporativa. a oferta foi aprovada pelo Conselho de administração da Companhia em reunião realizada em 03 de agosto de 2007, e o preço de emissão das ações ordinárias e das ações preferenciais e conseqüentemente o preço de r$31,00 (trinta e um reais) por unit, foi aprovado em reunião do Conselho de administração da Companhia realizada em 03 de outubro de 2007. a liquidação da oferta ocorreu em 09 de outubro de 2007, tendo sido captados recursos no valor de r$673.913, dos quais r$365.217 foram alocados ao capital social e r$308.696 à reserva de capital - ágio na subscrição de ações. os recursos líquidos, após o pagamento das comissões aos coordenadores da oferta e demais despesas incorridas, foram de r$640.717, e utilizados, principalmente, para amortização e/ou liquidação de linhas de crédito, e incremento do saldo de aplicações financeiras. em 06 de novembro de 2007, o Conselho de administração aprovou aumento de capital, no montante de R$54.783, mediante a emissão de 3.260.868 ações ordinárias e 6.521.736 ações preferenciais, todas escriturais e sem valor nominal, representadas por 3.260.868 certificados de depósito de ações (units), com exclusão do direito de preferência dos acionistas da Companhia, referentes ao exercício de opção de subscrição ou aquisição de units outorgada pela Companhia ao Banco uBS Pactual S.a., nos termos do artigo 24, caput, da instrução CVM nº 400/03, com preço unitário de emissão das units, no valor de r$31,00 (trinta e um reais), de acordo com o disposto no artigo 170, §1º, inciso iii, da lei nº 6.404/76, e no artigo 44 da instrução CVM nº 400/03, nas mesmas condições e preço unitário das units inicialmente ofertadas. o exercício dessa opção de lote suplementar elevou o montante da oferta em r$101.087, dos quais r$54.783 foram alocados ao capital social e r$46.304 à reserva de capital na subscrição de ações. (19.2) reCoMPra De aÇõeS: em 07 de outubro de 2008, o Conselho de administração da Companhia divulgou fato relevante informando que aprovou o programa de recompra de até 1.052.636 certificados de depósitos de ações - units, representativas de 1.052.636 ações ordinárias e 2.105.272 ações preferenciais correspondendo a 3% das units em circulação no mercado e a aproximadamente 1,1% do total de ações de emissão da Companhia em 29 de setembro de 2008. a aquisição das units são para manutenção em tesouraria e posterior utilização no Plano Geral de opção de Compra de ações de emissão da Companhia. Desde o início do programa de aquisição de ações de sua emissão, a Companhia adquiriu 127.500 units (127.500 ações ordinárias e 255.000 ações preferenciais) a um custo médio sem corretagem de r$17,31 (dezessete reais e trinta e um centavos), sendo que o custo mínimo foi de r$14,21 (quatorze reais e vinte e um centavos) e o custo máximo foi de r$19,07 (dezenove reais e sete centavos) totalizando r$2.210 em 31 de dezembro de 2008, registrados na rubrica 159 Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS ações em tesouraria. o valor de mercado das espécies e classes das ações em tesouraria, calculado com base na última cotação em bolsa anterior à data de encerramento do exercício social era de r$2.040. (19.3) CaPital SoCial autoriZaDo - ControlaDora: o capital social da Companhia poderá ser elevado até o limite de 150.000.000 de novas ações ordinárias e/ou preferenciais, mediante deliberação do Conselho de administração, que fixará a espécie e classe das ações a serem emitidas, o preço de emissão e as condições de colocação. (19.4) reSerVa De luCroS a realiZar: em conformidade com a lei nº 6.404/76, alterada pela lei nº 10.303/01, a reserva de lucros a realizar é constituída pelo montante dos dividendos obrigatórios, apurados de acordo com o artigo 202 da referida lei, que excedem o lucro líquido realizado do exercício. (19.5) aJuSteS De aValiaÇÃo PatriMonial: a rubrica ajustes de avaliação Patrimonial considera, conforme legislação vigente, os efeitos decorrentes dos critérios de registro e avaliação dos títulos e valores mobiliários classificados na categoria disponíveis para a venda. em 31 de dezembro de 2008, os efeitos montam a crédito de r$447 (r$7.155 em 2007) de títulos próprios e a débito de r$29 (r$169 a crédito em 2007) de títulos de suas controladas indiretas, líquidos dos correspondentes efeitos tributários. adicionalmente, conforme mencionado na nota (5.1.2), contempla também a valorização, líquida do efeito de impostos, decorrente da contabilização a valor justo do instrumento financeiro derivativo - swap que tem por objetivo a proteção do principal do Senior notes, de acordo com a metodologia de contabilização de operações de hedge de fluxo de caixa, no montante de R$18.718. (19.6) CaPital MíniMo e aDiCional: o CnSP emitiu em dezembro de 2007 as resoluções nº 178, e nº 158, alterada pela Circular SuSeP nº 355, as quais dispõem sobre a nova regra de capital mínimo requerido para autorização e funcionamento das seguradoras, que passou a vigorar em 1º de janeiro de 2008. em 31 de dezembro de 2008, as controladas indiretas relacionadas à atividade de seguros, exceto quanto às seguradoras do ramo de saúde, que não estão sujeitas à regulação da SuSeP, estão atendendo as disposições da SuSeP com relação ao capital mínimo e adicional.

160

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS
(19.7) DiStriBuiÇÃo De reSultaDo: a distribuição do resultado demonstrada no quadro acima foi refletida nas demonstrações financeiras, no pressuposto da sua aprovação pela Assembleia Geral dos Acionistas.

161

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS
(20) DetalHaMento DaS ContaS Do reSultaDo: (20.1) PrinCiPaiS raMoS De atuaÇÃo: em 31 de dezembro, as controladas indiretas da atividade de seguros têm os prêmios ganhos, a sinistralidade e o comissionamento para os principais ramos, conforme demonstrado a seguir:
PRINCIPAIS RAMOS DE ATUAÇÃO 2008 Saúde grupal Automóveis Saúde individual (*) Vida em grupo 2007

Prêmios Ganhos Sinistralidade Comissionamento Prêmios Ganhos Sinistralidade Comissionamento 2.684.129 72,60% 7,80% 2.323.135 71,90% 7,50% 2.177.324 64,10% 18,90% 2.002.914 60,10% 19,40% 1.413.025 83,30% 1,00% 1.562.487 74,60% 0,50% 232.838 63,10% 17,80% 193.408 77,70% 16,80%

(*) em 20 de dezembro de 2004, a controlada indireta Sul américa Companhia de Seguro Saúde firmou o termo de Compromisso n° 002/2004 com a anS, com a interveniência da Secretaria de Direito econômico do Ministério da Justiça, em que foram estabelecidos, entre outros, a metodologia e o compromisso para o cálculo e reajuste dos prêmios da carteira representada pelos contratos de Seguro Saúde individual emitidos até 1º de janeiro de 1999 e não adaptados à lei nº 9.656/98, com o objetivo de restabelecer os seus respectivos equilíbrios econômico e financeiro. em linha com o referido termo, a anS autorizou, em 16 de junho de 2005, o reajuste dos prêmios dos referidos contratos em 26,10%, a partir de 1º de julho de 2005. esse reajuste, no entanto, foi contestado judicialmente por terceiros. em uma dessas ações judiciais, a decisão liminar concedida pelo trF da 5ª região, que impôs à Sul américa Companhia de Seguro Saúde a observância de índice de reajuste diverso daquele autorizado pela anS, foi cassada pelo Presidente do Superior tribunal de Justiça, em 05 de outubro de 2005. tal decisão foi, em seguida, submetida à Corte especial daquele tribunal, que em 19 de dezembro de 2005 corroborou, por votação de 13 votos a 1, a decisão do Presidente do tribunal. em 30 de maio de 2007, foi transitada em julgado da decisão da ação Civil Pública do Ministério Público estadual do estado de São Paulo (MPe-SP), que corroborou a competência da anS para estabelecer os índices de reajustes dos Planos individuais contratados antes de 1° de janeiro de 1999, autorizando, portanto, a aplicação integral dos índices de reajuste resultantes do cálculo estabelecido no referido termo de compromisso. a controlada indireta Sul américa Companhia de Seguro Saúde firmou acordo (homologado na referida ação Civil Pública) com o MPe-SP estabelecendo a forma de execução da sentença. em conseqüência, a diferença de prêmios a serem cobrados para os segurados do estado de São Paulo, ainda ativos na data de cobrança, no montante de r$126.453, foi reconhecida contabilmente em 30 de junho de 2007, e complementada em r$11.987 ao longo do segundo semestre de 2007 na rubrica de Prêmios de Seguros, em contrapartida da rubrica Prêmios a receber, no ativo circulante e não circulante. Para fazer face a inadimplência esperada dos prêmios parcelados e as despesas a serem incorridas na cobrança do prêmio retroativo, foi constituída em 30 de junho de 2007 uma provisão na ordem de 40% do montante de prêmios emitidos, no valor de r$50.581 e complementada em R$4.795 ao longo do segundo semestre de 2007. Esta provisão foi registrada em contrapartida da rubrica outras Despesas operacionais.

162

Sulamérica Relatório Anual 2008

reSultaDoS 2008 no último trimestre de 2007, uma parcela dos segurados decidiu quitar antecipadamente o valor devido com desconto de 50% concedido pela referida controlada, sendo recebido o montante de r$32.677, líquido do desconto financeiro de r$32.677, que foi reconhecido contabilmente na rubrica Despesas Financeiras. a parcela remanescente, em 31 de dezembro de 2007, de r$65.394, contempla o cancelamento oriundo de segurados que optaram por não manter o plano junto à controlada, no montante de r$7.692. em conseqüência, na mesma proporção dos prêmios cobrados e cancelados, a provisão para riscos de crédito foi revertida no montante de R$24.424. no primeiro trimestre de 2008, adicionalmente, foi oferecido aos segurados três modalidades de pagamento: desconto de 40% para pagamento à vista, 30% para pagamento em duas parcelas e 10% para pagamento em seis parcelas. Parte dos segurados aderiu aos planos de pagamento parcelado, sendo recebido o montante de r$23.201, líquido do desconto financeiro de r$17.060, que foi reconhecido contabilmente na rubrica Despesas Financeiras. a parcela remanescente de r$19.716, líquida do cancelamento oriundo de segurados que optaram por não manter o plano junto a mencionada controlada no montante de r$5.417, passou a ser cobrada juntamente com os valores das faturas mensais, em 12 parcelas iguais e consecutivas, a partir do mês de abril de 2008. em conseqüência, o saldo remanescente da provisão para riscos de crédito constituída em decorrência da cobrança retroativa, foi revertida em sua totalidade, no montante de R$26.157. Essa decisão poderá influenciar as outras duas decisões liminares das cortes estaduais do Rio de Janeiro e da Bahia para que sejam também reformadas no mesmo sentido, resultando no reconhecimento do poder regulatório da anS e na confirmação da legitimidade do referido reajuste de 26,10%. (20.2) DeSPeSaS De CoMerCialiZaÇÃo - SeGuroS:

DESPESAS DE COMERCIALIZAÇÃO - SEGUROS Consolidado Comissões: 2008 2007 Sobre prêmios diretos e co-seguros aceitos Sobre prêmios diretos e co-seguros aceitos cancelados e restituídos Sobre prêmios cedidos Variação de despesas de comercialização diferidas Outras despesas comercialização Total -949.264 -800.213 108.482 90.148 23.238 13.721 43.140 6.819 -1.995 -3.150 -776.399 -692.675

163

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS
(20.3) DeSPeSaS aDMiniStratiVaS:

DESPESAS DE COMERCIALIZAÇÃO - SEGUROS Consolidado Comissões: 2008 2007 Sobre prêmios diretos e co-seguros aceitos Sobre prêmios diretos e co-seguros aceitos cancelados e restituídos Sobre prêmios cedidos Variação de despesas de comercialização diferidas Outras despesas comercialização Total -949.264 -800.213 108.482 90.148 23.238 13.721 43.140 6.819 -1.995 -3.150 -776.399 -692.675

(a) em 2008, no item Pessoal Próprio estão incluídas as remunerações, os benefícios e os encargos de administradores, no montante de r$4.326 (r$1.742 em 2007) na Controladora, e de r$65.120 (r$49.370 em 2007) no Consolidado. (b) em 31 de dezembro, os benefícios aos funcionários estão representados por: (c) em 2007, a linha Serviços de terceiros contempla o montante de r$40.653 na Controladora e r$41.228 no consolidado referente as comissões e aos honorários advocatícios e de auditoria decorrentes da oferta pública de distribuição de units conforme descrito na nota (19.1.1). (20.4) outraS reCeitaS oPeraCionaiS - SeGuroS

OUTRAS RECEITAS OPERACIONAIS - SEGUROS Consolidado 2008 113.145 10.067 7.906 131.118 2007 102.995 10.812 14.894 128.701

Custo de apólice Receitas com Administração do Seguro do Sistema Financeiro Habitacional - (SFH) Outras receitas com operações de seguros Total

164

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS
(20.5) outraS DeSPeSaS oPeraCionaiS - SeGuroS (a) a variação ocorrida na linha (Constituição)/reversão da provisão para riscos de crédito refere-se à provisão registrada para fazer face à inadimplência esperada, e outras despesas pela cobrança dos prêmios retroativos do ramo saúde individual no montante de R$50.581 em 2007 e a reversão de R$26.157 em 2008 em decorrência do recebimento e cancelamento dos prêmios retroativos mencionados na nota (20.1). (20.6) reCeitaS FinanCeiraS

OUTRAS DESPESAS OPERACIONAIS - SEGUROS Consolidado 2008 -73.047 -59.818 -57.869 -37.505 30.346 -16.492 -3.719 -218.104 2007 -55.204 -74.145 -43.709 -20.789 -52.537 -13.640 -10.009 -270.033

Despesas com operações de seguros Constituição de provisão para contingências cíveis e outras operações de seguros Despesas com pró-labore Serviços técnicos de seguros (Constituição)/Reversão da provisão para riscos de crédito (a) Taxas de administração de seguros Despesas com cobrança de seguros Total

(a) em 2008, as linhas rendimentos dos fundos de investimento e Variações monetárias e cambiais sobre compromissos mobiliários, empréstimos e financiamentos e swaps, contemplam os efeitos da rentabilidade da aplicação dos recursos captados na emissão do Senior notes e o swap, adquiridos conforme a nota (15). (b) em 2007, a linha rendimentos dos Fundos de investimento contempla o ganho de r$80.549, apurado por determinadas controladas indiretas na alienação de títulos de renda fixa - públicos, que estavam anteriormente classificados como títulos e valores mantidos até o vencimento e compunham a carteira de determinados fundos de investimento exclusivos. esses títulos foram alienados e novos títulos e valores mobiliários foram adquiridos e classificados como títulos e valores mobiliários mantidos até o vencimento e mensurados ao valor justo por meio do resultado. (c) em 2008, a variação na linha de títulos de renda fixa - públicos refere-se, principalmente, ao aumento de aplicações financeiras em notas do tesouro nacional, conforme a nota (6). (d) em 2007, a linha títulos de renda Variável contempla o ganho de r$31.096, decorrente da alienação de ações, contabilizadas em fundos de investimento exclusivos, no montante de r$85.867.

165

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS
(20.7) DeSPeSaS FinanCeiraS

DESPESAS FINANCEIRAS Controladora 2007

2008 Juros e variações cambiais sobre empréstimos, financiamentos, swaps e contratos de mútuo (a) Desvalorização de quotas de fundo de investimento (b) Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira - (CPMF) Atualização monetária e juros das obrigações fiscais Outras Total

-189.851 – -257 -56 -3.959 -194.123

-148.861 -33.844 -4.074 -37 -7.116 -193.932

2008 Juros e variações cambiais sobre empréstimos, financiamentos, swaps e contratos de mútuo (a) Atualização monetária das provisões técnicas - operações de previdência Atualização monetária e juros da provisão de sinistros a liquidar em disputa judicial, provisão para contingências e obrigações fiscais Operações de seguros Desvalorização de quotas de fundo de investimento (b) Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) Juros de mora Outras Total

Consolidado 2007

-190.623 -150.896

-186.496 -155.092

-97.718 -72.578 -11.567 -1.487 -8.376 -12.644 -545.889

-86.474 -76.305 -33.946 -46.555 -12.918 -15.681 -613.467

(a) em 2008, a linha Juros e variações monetárias e cambiais sobre empréstimos, financiamentos, swaps e contratos de mútuo da Controladora, contempla os efeitos das operações com swaps demonstrada na nota (15). (b) em 2007, a linha Desvalorização de Quotas de Fundo de investimento contempla o montante de r$15.734 referente à desvalorização cambial do fundo da Controladora em maio.

166

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS
(20.8) luCro na VenDa De PerManente - reSultaDo PatriMonial

LUCRO NA VENDA DE PERMANENTE - RESULTADO PATRIMONIAL Controladora 2007 – – Consolidado 2007 – – –

Lucro na alienação de bens (a) Total

2008 265 265

Lucro na alienação de bens (a) Outras Total

2008 178.343 1.989 180.332

(a) em 2008, no consolidado, na linha lucro na alienação de bens foram registrados: (i) o montante de r$177.862 referente ao lucro na venda efetuada pela controlada indireta alutrens Participações S.a., em 25 de abril de 2008, da totalidade de seu investimento na telemar Participações S.a., composto por 343.290.112 ações ordinárias nominativas, que representavam 10% do capital votante e total. o efeito desta operação, no lucro líquido consolidado, deduzido dos impostos e das participações de acionistas não controladores, monta, aproximadamente, r$34.000 e (ii) o montante de r$481 referente ao lucro na venda de 1.099.998 ações ordinárias nominativas relativas a totalidade da participação de sua controlada indireta Sul américa Companhia nacional de Seguros na Seguradora Brasileira de Crédito a exportação, em 04 de setembro de 2008, equivalente a 12,09% do capital, para Compagne Française D’assurance pour le Commerce exterieur - CoFaCe S.a., por r$2.780. estes valores foram reclassificados do grupo de contas resultado não operacional para resultado Patrimonial conforme disposições estabelecidos na MP 449/08.

167

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS
21) reConCiliaÇÃo De iMPoSto De renDa e ContriBuiÇÃo SoCial:

o imposto de renda e a contribuição social, calculados com base nas alíquotas oficiais, estão reconciliados para os valores reconhecidos nas demonstrações de resultado, como se segue: Tabela 1:

168

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS
Tabela 2:

(a) em função da recente alteração fiscal ocorrida no início de 2008, por meio da lei nº 11.727 de 23 de junho de 2008, a alíquota da Contribuição Social sobre o lucro líquido (CSll), incidente sobre as companhias de seguros e instituições financeiras foi majorada passando de 9% para 15%, a partir de 1º de maio de 2008. Considerando que as controladas indiretas das áreas de seguros privados e da área financeira impetraram mandado de segurança com o objetivo de afastar a majoração da alíquota descrita acima, essas companhias decidiram somente registrar a receita referente ao complemento do crédito tributário sobre as bases negativas e diferença temporárias relativo à majoração da alíquota, até o montante do aumento na despesa de CSll nos meses de maio a dezembro de 2008, constituindo provisão para risco sobre o complemento de crédito tributário contabilizado adicionalmente a esse aumento na despesa de CSll.

169

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS
(22) BeneFíCioS PóS-eMPreGo a administração de determinadas controladas diretas e indiretas identificou os seguintes benefícios pósemprego: (a) Benefício de aposentadoria Suplementar: o referido Benefício era concedido aos funcionários em até 60% da média salarial das últimas 36 remunerações atualizadas, proporcionais ao número de anos trabalhados nas Companhias, limitado a 35 anos, descontado o benefício previdenciário oficial. o antigo plano foi extinto e substituído no segundo semestre de 2004 por um plano de contribuição definida, por meio do Plano Gerador de Benefícios livres (PGBl), contratado junto à Sul américa Seguros de Vida e Previdência S.a; Em decorrência da alteração mencionada, o passivo atuarial foi totalmente revertido contra o ativo atuarial, permanecendo somente o crédito atuarial, no montante de r$31.105, relativo às contribuições passadas de funcionários que não fazem mais parte do atual quadro de pessoal das Companhias, que será utilizado para fazer face às futuras contribuições; (b) Benefícios de renda Vitalícia: Benefício concedido a um grupo exclusivo de ex-empregados aposentados e que consiste em uma renda vitalícia sem direito de continuação post-mortem para seus dependentes; (c) Programa de indenização para executivos: Benefício concedido a seus executivos em caso de aposentadoria, que passou pelas seguintes alterações durante o ano de 2003: Apresentou redução no número de participantes, sendo esse evento refletido nos resultados conforme determina a nPC nº 26, do iBraCon, aprovado pela Deliberação CVM nº 371; Procedeu à alteração no cálculo e na elegibilidade da indenização, passando a conceder o seguinte benefício: Determinadas controladas indiretas concederam aos seus executivos um plano de contribuição definida por meio do PGBl, contratado junto à Sul américa Seguros de Vida e Previdência S.a. o referido benefício garante um montante calculado individualmente, em que reconhece o serviço passado prestado a determinadas controladas diretas e indiretas até a data de implantação do PGBl. o valor do benefício passado, calculado na data de implantação do plano, será atualizado até a data de aposentadoria, de acordo com o retorno dos investimentos do Fundo de investimento Financeiro especialmente Constituído - Plano Gerador de Benefícios livres.

170

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS
(22.1) PolítiCa ContáBil aDotaDa no reConHeCiMento Do SuPeráVit/DÉFiCit atuarial:

Conforme previsto na nPC nº 26, determinadas controladas indiretas optaram por contabilizar os efeitos atuariais, apurados em 31 de dezembro de 2001, no resultado, a partir de 1° de janeiro de 2002, pelo período de cinco anos, e os ganhos/perdas atuariais estão sendo amortizados pelo tempo médio remanescente de trabalho estimado para os empregados participantes do Plano. o valor do reconhecimento dos ganhos ou das perdas atuariais corresponderá à parcela de ganho ou perda que exceder o maior entre 10% do valor presente da obrigação atuarial e 10% do valor justo dos ativos do plano, conforme item 53 do pronunciamento. (22.2) reSultaDo Da aValiaÇÃo atuarial:

Descrevemos a seguir os ativos/(passivos) e as despesas reconhecidas e a serem reconhecidas nas demonstrações financeiras de determinadas controladas indiretas, por benefício concedido: (a) no exercício findo em 31 de dezembro de 2008, os valores referentes às despesas resultantes da avaliação atuarial, foram registrados na rubrica Despesas Administrativas. (22.3) PreMiSSaS atuariaiS as premissas utilizadas nas avaliações dos atuários internos foram: Método de avaliação econômica: o Método de apuração da obrigação atuarial adotado foi o Método da unidade de Crédito Projetada. a taxa de desconto utilizada pelas companhias é aquela usualmente praticada no mercado.

171

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS
(23) outraS inForMaÇõeS: (23.1) SeGuroS:

É política das controladas diretas e indiretas manter cobertura de seguros para os bens do ativo imobilizado sujeitos a riscos e por montantes considerados suficientes para cobrir eventuais sinistros, tendo em vista a natureza de sua atividade. o risco de cobertura dos ativos supramencionados foi preponderantemente cedido ao irB Brasil resseguros S.A. (23.2) oPeraÇõeS relaCionaDaS CoM aDMiniStraÇÃo De reCurSoS De terCeiroS e De FunDoS De inVeStiMento: em 31 de dezembro, os patrimônios líquidos dos fundos de investimento e carteiras administrados pela controlada indireta Sul américa investimentos Distribuidora de títulos e Valores Mobiliários S.a. totalizavam r$14.889.831 (r$15.270.644 em 2007), sendo r$10.698.770 (r$11.392.952 em 2007) provenientes de clientes institucionais (fundos de pensão e empresas), distribuidores externos e clientes private. (23.3) inStalaÇÃo Do ConSelHo FiSCal: em 31 de março de 2008, em assembleia Geral extraordinária, foi aprovada a instalação do Conselho Fiscal da Controladora e a eleição de seus membros. (23.4) atualiZaÇÃo DoS ProCeDiMentoS MÉDiCoS DiVulGaDoS Pela anS: em janeiro de 2008, a anS disponibilizou a segunda atualização da relação de Procedimentos Médicos, que entrou em vigor a partir de 02 de abril de 2008 e, que compõe a cobertura mínima obrigatória para as apólices comercializadas após 1º de janeiro de 1999. alguns dos novos procedimentos agora incluídos na referida relação já constavam como cobertos nas apólices das controladas indiretas que operam com ramos de saúde: Sul américa Companhia de Seguro Saúde, Sul américa Seguro Saúde S.a. e Brasilsaúde Companhia de Seguros. em razão dessas alterações o efeito líquido negativo para o exercício de 2008, foi de r$5.000, no consolidado. Este impacto deverá ser compensado em 2009, por acréscimos de prêmio resultantes da aplicação de cláusulas de sinistralidade, e resultarão em reajustes no início de 2009. além disto, o reajuste dos planos individuais

172

Sulamérica Relatório Anual 2008

reSultaDoS 2008 pós-lei, deverá incluir estes impactos a partir de julho de 2009. (23.5) Plano Geral De oPÇÃo De CoMPra De aÇõeS De eMiSSÃo Da Sul aMÉriCa S.a.: a assembleia Geral extraordinária da Sul américa S.a., realizada em 31 de março de 2008, aprovou o Plano Geral de opção de Compra de ações de emissão da Companhia (“Plano Geral”). o Plano Geral tem por objetivo estimular a expansão, o êxito e os objetivos sociais da Companhia e alinhar o interesse de seus acionistas e administradores, podendo também se estender aos empregados e prestadores de serviços da Companhia e de suas controladas, permitindo-lhes a aquisição de ações ou units da Companhia. a administração do Plano Geral competirá ao Conselho de administração da Companhia, que poderá delegar funções ao Comitê de remuneração da Companhia ou a outro Comitê que venha a ser instituído com esta função. no âmbito do Plano Geral, o Conselho de administração, em reunião realizada em 31 de março de 2008 aprovou as condições gerais do Programa de opção de Compra de units para o ano de 2008 (“Programa 2008”) e definiu que o volume global de units destinado a este programa representará, no máximo, 0,75% do total de ações do capital social da Companhia, acrescidas das units que teriam sido emitidas caso todas as opções concedidas nos termos do Plano Geral houvessem sido exercidas. adicionalmente, delegou ao Comitê de remuneração da Companhia a competência para definir os beneficiários do Programa 2008 (“Beneficiários”) dentre os membros da Diretoria da Companhia e de suas controladas. o Comitê de remuneração, em reunião realizada em 1º de abril de 2008, definiu os Beneficiários do Programa 2008 e a quantidade de units a que fariam jus, além de definir o preço inicial de exercício das opções, em r$26,53 (vinte e seis reais e cinqüenta e três centavos), isento de juros e correção monetária, que poderão ser exercidas em três parcelas, correspondentes cada uma a 1/3 das units objeto da opção, a partir do término do primeiro, segundo e terceiro anos a contar da data de assinatura do respectivo Contrato de opção de o montante das opções concedidas, líquidas das opções canceladas, até 31 de dezembro de 2008 é de 680.789 units, com preço de exercício médio ponderado de r$26,52 (vinte e seis reais e cinqüenta e dois centavos). Compra de units (“Contrato de opção”). observadas as datas a partir das quais a opção correspondente a cada uma das parcelas estabelecidas poderá ser exercida, o prazo máximo de exercício das opções é de 5 anos, contados a partir da data de assinatura do Contrato de opção com o beneficiário. o valor justo médio ponderado das opções de compra em circulação é de r$5,80 em 31 de dezembro de 2008 e foi mensurado usando-se o modelo de precificação de opções Black-Sholes, considerando as seguintes premissas:

++ Volatilidade média esperada de 34,7%, ++ Prazo de vida da opção de 3 anos, sendo o exercício das opções 1/3 em 1 ano, 1/3 em 2 anos e 1/3 em
3 anos,

++ Dividendo médio esperado de 3%, ++ taxa de juros livre de risco média de 13,1%. a despesa de remuneração proveniente do plano geral de opções, tomando-se o valor justo da opção na data de assinatura de cada contrato, é de r$1.575 em 31 de dezembro de 2008, registrada na rubrica Despesas administrativas em contrapartida a rubrica reserva de Capital.

173

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS respeitado o limite de 4,0% do total de ações de emissão da Companhia existentes, o Conselho de administração poderá lançar outros programas de opção, por meio dos quais outorgará opções aos respectivos beneficiários, definidos dentre os administradores, empregados e prestadores de serviços da Companhia e de suas controladas de subscreverem e/ou adquirirem units em condições previamente estabelecidas no respectivo programa de opção. o preço de subscrição ou compra, será determinado com base na média das cotações das units, obtido no encerramento dos 30 (trinta) pregões BoVeSPa, imediatamente anteriores à data da celebração do respectivo contrato de opção, podendo ser acrescido de correção monetária, com base na variação de um índice de preços e juros a ser determinado pelo Conselho de administração ou pelo Comitê de Remuneração. (23.6) aQuiSiÇÃo De aÇõeS Da ControlaDa inDireta Sul aMÉriCa CoMPanHia naCional De SeGuroS:

em 29 de abril de 2008, a Companhia divulgou fato relevante informando a conclusão da oferta Pública de aquisição (oPa) de emissão de sua controlada indireta Sul américa Companhia nacional de Seguros através da sua controlada Saepar Serviços e Participações S.a.. o leilão de aquisição realizado pela controlada direta adquiriu um total de até 31.899.909 ações ordinárias, representativas de 88,55% das ações em circulação da controlada indireta Sul américa Companhia nacional de Seguros, e de 1,6% do total de ações da mesma. na mesma data, e após a realização do leilão, foram adquiridas na BM&FBoVeSPa pela controlada direta Saepar Serviços e Participações S.a., mais 472.500 ações ordinárias de emissão da controlada indireta Sul américa Companhia nacional de Seguros, totalizando 32.372.409 ações ordinárias de emissão da própria controlada, adquiridas pelo preço unitário de r$1,02, correspondendo ao valor total de r$33.009. nos meses após o leilão, a controladora direta Saepar Serviços e Participações S.a. adquiriu mais 17.754.242 ações ordinárias de emissão da Companhia, adquiridas pelo preço unitário de r$1,02, acrescido de sua atualização monetária pela tr e juros de 6% a.a., correspondendo ao valor total de r$51.309. esta operação não ocasionou efeitos no resultado da Companhia uma vez que a operação foi realizada pela controlada Saepar Serviços e Participações S.a.. em 12 e 13 de maio de 2008, a CVM e a BM&FBoVeSPa comunicaram a controlada indireta, respectivamente, o cancelamento do registro de companhia aberta e do registro de negociação de ações.

174

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS
(24) eVentoS SuBSeQuenteS (24.1) ConStituiÇÃo DaS ProViSõeS tÉCniCaS: em 16 de dezembro de 2008, a SuSeP emitiu a resolução CnSP nº 195, com início de vigência a partir de 1º de janeiro de 2009, que inclui e altera a resolução CnSP nº 85 de 3 de setembro de 2002, e a resolução CnSP nº 162 de 3 de dezembro de 2002, sendo que esta última institui regras e procedimentos para constituição de provisões técnicas. Dentre as alterações produzidas destacam-se as principais: na constituição das provisões técnicas, as sociedades seguradoras não poderão deduzir a parcela do prêmio ou contribuição transferida a terceiros, nem a parcela de sinistro ou beneficio recuperável de terceiros, em operações de resseguros; nos casos em que o risco da cobertura contratada não seja definido na apólice ou endosso, mas no certificado ou item segurado, o cálculo da Provisão de Prêmio não Ganho deverá ser efetuado, por certificado ou item; o prêmio comercial retido, correspondente ao valor recebido ou a receber do segurado, será líquido de cancelamentos, restituições e de parcelas de prêmios transferidas a terceiros, em operações de co-seguros cedidos e não poderá conter parcela relativa a resseguro; as sociedades seguradoras e resseguradoras poderão deduzir do total das provisões técnicas constituídas, para fins de cobertura de reserva das mesmas, a parcela do prêmio transferida a terceiros e a parcela do sinistro recuperável de terceiros, em operações de resseguro e retrocessão, respectivamente: no cálculo do valor da parcela do prêmio transferida a terceiros e da parcela do sinistro recuperável de terceiros, em operações de resseguro e retrocessão, as sociedades seguradoras e resseguradoras, respectivamente, deverão utilizar a mesma metodologia aplicada no cálculo das correspondentes provisões técnicas; as sociedades seguradoras e resseguradoras, poderão utilizar metodologia distinta, mediante prévia autorização da SuSeP. em razão dessas alterações terem sido recentemente introduzidas, a administração das controladas indiretas que operam na atividade de seguros não mensurou os efeitos que as mencionadas alterações poderiam resultar nos resultados dos exercícios seguintes.

175

Sulamérica Relatório Anual 2008

notaS eXPliCatiVaS
(24.2) alteraÇÃo DaS PrátiCaS ContáBeiS aDotaDaS no BraSil reFerenteS a ContratoS De SeGuroS: > em 05 de dezembro de 2008, foi aprovado, pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC, o Pronunciamento técnico CPC nº 11, que trata de Contratos de Seguros, aplicando-se aos exercícios que se iniciarem a partir de 1º de janeiro de 2010, com aplicação antecipada encorajada. este Pronunciamento foi aprovado pela SuSeP, através da Circular SuSeP nº 379, de 19 de dezembro de 2008. as principais modificações introduzidas são: necessidade de classificação dos contratos emitidos entre contratos de seguros, de prestação de serviços e de investimentos; necessidade de separação dos derivativos embutidos e componentes de depósito existentes em um contrato principal (de seguros), e de sua avaliação por seu valor justo; Proibição de reconhecimento de provisões para sinistros futuros, se esses sinistros forem originados de contratos de seguros que não vigentes (como provisões para catástrofe ou para equalização de risco); necessidade de elaboração de teste anual do passivo relacionado a contratos de seguros ou participação discricionária (lat - liability adequacy test); Mensuração a valor justo dos passivos e ativos de contratos de seguros assumidos em uma combinação de negócios ou transferência de carteira (sujeito à regulamentação adicional); Permissão para reconhecimento da característica de participação discricionária ou como passivo ou como um componente separado do patrimônio líquido; novas exigências de divulgação relativas a contratos de seguros. em razão dessas alterações terem sido recentemente introduzidas e, algumas ainda dependerem de análise e de tomada de decisão por parte das controladas indiretas que operam na atividade de seguros para serem aplicadas, a administração não conseguiu avaliar os efeitos que mencionadas alterações poderiam resultar em suas demonstrações financeiras e nos resultados dos exercícios seguintes.

176

Sulamérica Relatório Anual 2008

PareCer Do ConSelHo FiSCal o Conselho Fiscal da Sul américa S.a., no exercício de suas atribuições legais e estatutárias, examinou o Relatório da Administração, as Demonstrações Financeiras e os demais demonstrativos elaborados pela Companhia relativos ao exercício social findo em 31 de dezembro de 2008. Com base no exame dos documentos, no parecer dos auditores independentes Deloitte Touche Tohmatsu, apresentado sem ressalvas, e nos esclarecimentos prestados pela administração da Companhia, os membros do Conselho Fiscal abaixo assinados são da opinião que citados documentos refletem adequadamente a situação patrimonial e financeira da Companhia, opinando, com base no disposto no art. 163 da lei 6.404/76 (conforme alterada), por encaminhar referidos documentos para aprovação pela assembléia Geral ordinária dos acionistas da Companhia, que será realizada no dia 31 de março de 2009.

Rio de Janeiro, 18 de fevereiro de 2009 Joaquim Felipe de andrade Cavalcanti Sergio Alfredo Diuana Walter iorio

177

Sulamérica Relatório Anual 2008

PareCer DoS auDitoreS inDePenDenteS
Aos Acionistas e Administradores da Sul aMÉriCa S.a. Rio de Janeiro - RJ

1. examinamos os balanços patrimoniais, individual (controladora) e consolidado, da Sul américa S.a. (“Companhia”) e controladas em 31 de dezembro de 2008, e as respectivas demonstrações do resultado, das mutações do patrimônio líquido (controladora), dos fluxos de caixa e do valor adicionado correspondentes ao exercício findo naquela data, elaborados sob a responsabilidade de sua administração. nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas demonstrações financeiras. não examinamos as demonstrações financeiras das controladas indiretas Brasilveículos Companhia de Seguros e Brasilsaúde Companhia de Seguros referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2008, cujos ativos representavam 14,79% do ativo total consolidado, cujos prêmios de seguros representavam 17,36% dos prêmios de seguros consolidados e cujos resultados credores de equivalência patrimonial na controladora totalizavam r$54.965 mil. essas demonstrações financeiras foram examinadas por outros auditores independentes, e a nossa opinião, no que se refere aos valores dos ativos, dos passivos e dos resultados dessas controladas está baseada, exclusivamente, nos pareceres desses auditores.

2. nosso exame foi conduzido de acordo com as normas brasileiras de auditoria e compreendeu: (a) o planejamento dos trabalhos, considerando a relevância dos saldos, o volume de transações e o sistema contábil e de controles internos da Companhia e controladas; (b) a constatação, com base em testes, das evidências e dos registros que suportam os valores e as informações contábeis divulgados; e (c) a avaliação das práticas e das estimativas contábeis mais representativas adotadas pela administração da Companhia e controladas, bem como da apresentação das demonstrações financeiras tomadas em conjunto.

3. Em nossa opinião, com base em nosso exame e no parecer de outros auditores independentes, as demonstrações financeiras acima referidas representam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira da Sul américa S.a e controladas em 31 de dezembro de 2008, o resultado de suas operações, as mutações de seu patrimônio líquido, os seus fluxos de caixa e os valores adicionados nas operações referentes ao exercício findo naquela data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil.

178

Sulamérica Relatório Anual 2008

inForMaÇõeS CorPoratiVaS
4. Anteriormente, auditamos as demonstrações financeiras da Sul América S.A. e controladas, referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2007, compreendendo o balanço patrimonial, as demonstrações do resultado, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa desse exercício, sobre as quais emitimos parecer sem ressalvas, datado de 25 de fevereiro de 2008, que mencionava que as demonstrações financeiras das controladas Brasilveículos Companhia de Seguros, Brasilsaúde Companhia de Seguros e alutrens Participações S.a. referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2007, cujos ativos representavam 15,05% do ativo total consolidado, cujos prêmios de seguros representavam 14,25% dos prêmios de seguros consolidados e cujos resultados credores de equivalência patrimonial na controladora totalizavam r$26.314 mil, foram examinadas por outros auditores independentes, e a nossa opinião, no que se referia aos valores dos ativos, dos passivos e dos resultados dessas controladas estava baseada, exclusivamente, nos pareceres desses auditores. Conforme mencionado nas notas explicativas nos 2 e 4, as práticas contábeis adotadas no Brasil foram alteradas a partir de 1º de janeiro de 2008. as demonstrações financeiras referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2007, apresentadas de forma conjunta com as demonstrações financeiras de 2008, foram elaboradas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil vigentes até 31 de dezembro de 2007 e, como permitido pelo Pronunciamento técnico CPC 13 - adoção inicial da lei nº 11.638/07 e da Medida Provisória no 449/08, não estão sendo reapresentadas com os ajustes para fins de comparação entre os exercícios.

Rio de Janeiro, 19 de fevereiro de 2009. Deloitte touCHe toHMatSu José Barbosa da Silva Júnior auditores independentes Contador CrC nº 2 SP 011609/o-8 “F” rJ CrC nº 1 SP 128132/o-0 S/rJ

179

Sulamérica Relatório Anual 2008

inForMaÇõeS CorPoratiVaS
ConSelHo De aDMiniStraÇÃo
PreSiDente Patrick antonio Claude de larragoiti lucas ConSelHeiroS Carlos Jaime Muriel Gaxiola Carlos Jaime Muriel Gaxiola isabelle rose Marie de Ségur lamoignon Joaquim de Mello Magalhães Junior Jorge Hilário Gouvêa Vieira Pierre Claude Perrenoud roberto teixeira da Costa rony Castro de oliveira lyrio SuPlenteS Arthur John Kalita Carlos alexandre larque lobo de Castro e Silva Carlos infante Santos de Castro

CoMitêS De aSSeSSoraMento
CoMitê De auDitoria PreSiDente rony Castro de oliveira lyrio

MeMBroS Jorge Augusto Hirs Saab Jorge Hilário Gouvea Vieira roberto teixeira da Costa timothy Scott Mackenzie Walter iorio

180

Sulamérica Relatório Anual 2008

inForMaÇõeS CorPoratiVaS
CoMitê De reMuneraÇÃo
PreSiDente Patrick antonio Claude de larragoiti lucas MeMBroS Carlos Jaime Muriel Gaxiola roberto teixeira da Costa rony Castro de oliveira lyrio Comitê de investimentos PreSiDente Patrick antonio Claude de larragoiti lucas MeMBroS Carlos infante Santos de Castro Domingos Carelli netto Eric H. Anderson Kevin Martins da Silva Comitê de Governança e Divulgação PreSiDente Patrick antonio Claude de larragoiti lucas

arthur Farme d’amoed neto Kevin Martins da Silva roberto teixeira da Costa Sergio Antonio Borriello

181

Sulamérica Relatório Anual 2008

inForMaÇõeS CorPoratiVaS
Diretoria eXeCutiVa
PreSiDente Patrick antonio Claude de larragoiti lucas

ViCe-PreSiDenteS arthur Farme d’amoed neto Carlos alberto de Figueiredo trindade Filho Carlos eduardo almeida Gabriel Portella Fagundes Filho luís otávio Saliba Furtado Marcelo Pimentel Mello Marcus Vinicius Lopes Martins Maria Helena Cardoso Monteiro oswaldo Mário Pêgo de amorim azevedo Renato Russo Sérgio Antônio Borriello

DiretoreS alexandre Petrone Vilardi Anderson Lima de Mello Bruno Peixoto de alencar Sardinha Carlos alexandre Baldaque Guimarães Carlos Gabriel Prezensky Carolina de Molla

182

Sulamérica Relatório Anual 2008

inForMaÇõeS CorPoratiVaS edison yoshiharu Kinoshita emil andery Enio Tetsuo Fukai Jorge Manuel euclides noronha José Carlos dos Santos Vieira José Henrique Pimentel de Melo laênio Pereira dos Santos Luciano Macedo de Lima luiz Fernando ract Camps Manoel roberto Gottsfritz Cardoso Marcelo Saddi Castro Marco Antonio Antunes da Silva Roberto André Galfi roberto Carlos Marucco Junior Roberto de Freitas Vidal Filho

183

Sulamérica Relatório Anual 2008

inForMaÇõeS CorPoratiVaS
PrinCiPaiS eMPreSaS e atiViDaDeS
HolDinG Sul América S. A. Saepar Serviços e Participações S.a. SeGuroS e PreViDênCia Sul américa Companhia nacional de Seguros Sul américa Seguros de Vida e Previdência S. a. Sul américa Companhia de Seguro Saúde Sul América Seguro Saúde S. A. Brasilveículos Companhia de Seguros Brasilsaúde Companhia de Seguros Sul américa Companhia de Seguros Gerais aDMiniStraÇÃo De SerViÇoS MÉDiCoS Sul América Serviços de Saúde S. A.

aDMiniStraÇÃo De reCurSoS Sul américa investimentos Distribuidora de títulos e Valores Mobiliários S. a.

184

Sulamérica Relatório Anual 2008…...

Similar Documents

Premium Essay

Risk

...Systematic Risks (non-diversifiable) Systematic risks are risks that affect the entire market and not each single corporation; it is associated with the overall movement in the general market or economic. Systematic risk are also called as market risk, are non-diversifiable. According to Berk, DeMarzo and Harford (2012,p.337), systematic risks are risks that fluctuate through the market available news. These risks are difficult to be diversified even though the shareholder holds a portfolio since these risks affect the whole market. Systematic risks are included interest rate risk, inflation rate risk, market risk and exchange rate risk, recession, political risk, earthquake. Unsystematic Risks (diversifiable) Unsystematic risks are not affected by the economy but by the specific corporation. The fluctuation of share price of a particular corporation is due to the good or bad news announced by the corporation. It will increase when the corporation that had less earnings growth rate, and low morale or productivity of employees or a poor reputation of the corporation, vice versa. However, unsystematic risk can be diversified by shareholders who hold the portfolio when the stocks are negatively co-related. In fact, it means that when a particular event occurs that affects a specific corporation, the stock of other corporation will be unaffected and thus, the fluctuation of share price between two stocks can be offset. Unsystematic risks are included liquidity risk,......

Words: 1005 - Pages: 5

Premium Essay

Risk

...Leverage Risk Leverage means that debt is combined with equity to purchase assets. A highly leveraged bank is a bank with high amounts of debt relative to equity capital. Because debt requires future payments for the issuer, a highly leveraged bank is less able to withstand unexpected shocks to its balance sheet. In short, a highly leveraged bank is more risky than a less leveraged one. The most straightforward measure of leverage risk is the ratio of equity capital to total assets, known as the leverage ratio. In table 12.4 the line just above the total shows the leverage ratio for the banking industry as a whole masks considerable differences in leverage across banks. In the 1980s the leverage ratio for large banks was much lower than for small banks. This concerned regulators both in the United States and other countries who imposed risk-based capital (RBC) requirements in the early 1990s. The result of these requirements is that banks deemed more risky are required to maintain less leverage. Credit risk Credit risk arises because some bank borrowers may not be able to pay back their loans. Moreover, many of these loans are made to borrowers whose risk is difficult to assess and whose performance is difficult to monitor. That is, they are loans characterized by the asymmetric information problems of adverse selection and moral hazard, discussed in the previous information about these borrowers and structure their loans appropriately. In particular, the riskier loans...

Words: 1002 - Pages: 5

Premium Essay

Risk

...INTRODUCTION Risk is a state in which losses are possible. You are surrounded by innumerable risks from birth to death. They are pervasive as the air we breathe. Air itself even involves risk because its pollutants can cause unpredictable illnesses that in turn can cause loss to both your ability to earn income by working and enjoy life in its fullest. Risk also exists when part of your family or business income can be wiped out by death or disability. Likewise, assets can be destroyed by earthquake, flood, fire, tornado, being held legally liable for damage to someone else and a host of other causes of loss. UNDERSTANDING OF RISK Risk may be considered from a number of different viewpoints that can be argued to form a continuum ranging from a very narrow view to a much broader understanding of the nature of risk. At the narrow or quantitative end of the scale is the view held mainly by engineers. This approach takes the stance that risk is represented by the quantitative measure of the probability of an untoward/unpleasant event occurring. Economists tend to view risk differently. Again probability theory is used but it is applied to all possible outcomes arising out of a particular event. By multiplying the probability by the outcome an expected loss is produced. When all outcomes are multiplied by their respective probabilities a probability distribution is produced. Various means are used to measure the outcome of an event. The cost of the outcome in monetary terms...

Words: 595 - Pages: 3

Premium Essay

Risk

...Risk interaction for a stockbroker firm Overview The following system depicts the interaction of the components of a stockbroker firm in perspective of its revenues, profits, and outlook for economical development, all of them being influenced by the element of risk (depicted in the system by volatility and risk of costumer willing to take). The main product to be analyzed in our system interaction is stocks which is the main source of profit for a stockbroker firm. The selling of this product to different costumers around the world generates fees every time a stock or a security is traded at stockbroker firm. The more trading the firm has the higher the revenues of the firm as fees are generated every time there is a customer trading stocks. Interaction and components The first loop labeled as loop A consist of the primary function system of the stockbroker firm. The components and its functions create a reinforced loop as all its components reinforce the next one to bring a higher or lower outcome. For instance, the more stock selling the stockbroker firm deals with, the more fees it is able to generate which consequently gives higher revenues and profits to the firm. When a company has a good track record of revenues and profits it seeks to make it grow and have a bigger market share. This consequently gives a better reputation of the firm and finally an increase in the selling of its product which reinforces the loop. It is important to note that if the outlook is......

Words: 1291 - Pages: 6

Premium Essay

Risk

...provided by specific supply companies who could be impacted by these potential disasters, which would debilitate and prolong the success of the research projects effected. Risk Source (A2) The source for the first risk identified would be nothing more than age and continual use. The boiler at the Disaster Recovery site is the original boiler for the building which is approximately 50 years old, and even though the boiler has been provided annual maintenance, the fact the boiler has been actively in use for the past 50 years, the likely hood of its demise is absolutely imminent and a very real threat to the continual success of the Disaster Recovery site. With regard to the communication lines at the corporate facility, and the second risk identified. Currently there is construction of a major bypass that will connect to major highways to one another. This bypass is being constructed between two buildings on the corporate campus. As there will be a substantial amount of digging to support the structural beams for this bypass, the possibility of them accidently severing the lines between buildings is very high. All procedures to ensure that this does not occur have been implemented, but unfortunately human error can never be accounted for and therefore always a potential risk. For the third risk identified, loss of power, could be caused by many different scenarios, there is really not one source of the issue. The primary one is a capacitor overload at the......

Words: 2979 - Pages: 12

Free Essay

Risk

...Credit Risk Management Ken Brown Peter Moles CR-A2-engb 1/2012 (1044) This course text is part of the learning content for this Edinburgh Business School course. In addition to this printed course text, you should also have access to the course website in this subject, which will provide you with more learning content, the Profiler software and past examination questions and answers. The content of this course text is updated from time to time, and all changes are reflected in the version of the text that appears on the accompanying website at http://coursewebsites.ebsglobal.net/. Most updates are minor, and examination questions will avoid any new or significantly altered material for two years following publication of the relevant material on the website. You can check the version of the course text via the version release number to be found on the front page of the text, and compare this to the version number of the latest PDF version of the text on the website. If you are studying this course as part of a tutored programme, you should contact your Centre for further information on any changes. Full terms and conditions that apply to students on any of the Edinburgh Business School courses are available on the website www.ebsglobal.net, and should have been notified to you either by Edinburgh Business School or by the centre or regional partner through whom you purchased your course. If this is not the case, please contact Edinburgh Business School at the address......

Words: 21029 - Pages: 85

Premium Essay

Risk

...T e c h n i c a l n o T e s a n d M a n u a l s Operational Risk Management and Business Continuity Planning for Modern State Treasuries Ian Storkey Fiscal Affairs Department I N T e r N A T I o N A l M o N e T A r y F U N D INTerNATIoNAl MoNeTAry FUND Fiscal Affairs Department Operational Risk Management and Business Continuity Planning for Modern State Treasuries Prepared by Ian Storkey Authorized for distribution by Sanjeev Gupta November 2011 DISCLAIMER: This Technical Guidance Note should not be reported as representing the views of the IMF. The views expressed in this Note are those of the authors and do not necessarily represent those of the IMF or IMF policy. JEL Classification Numbers: Keywords: H12, H60, H63, H83 business continuity, disaster recovery, business continuity and disaster recovery plan, operational risk, operational risk management, treasury operations ian@storkeyandco.com Author’s E-Mail Address: TECHNICAL NoTEs ANd MANUALs Operational Risk Management and Business Continuity Planning for Modern State Treasuries Prepared by Ian Storkey This technical note and manual (TNM)1 addresses the following main issues: • What is operational risk management and how this should be applied to treasury operations. • What is business continuity and disaster recovery planning and why it is important for treasury operations. • How to develop and implement a business continuity and disaster recovery plan using a six......

Words: 10882 - Pages: 44

Premium Essay

Risk

...A bit of wisdom attributed to the English poet Chaucer says, “nothing ventured, nothing gained.” Financial markets give us ample evidence that Chaucer knew what he was talk- ing about. Over time, high-risk investments tend to earn higher returns than do low-risk investments. When managers invest corporate funds, or when individuals decide how to allocate their money between different types of investments, they must weigh the trade-off between risk and return. The purpose of the next four chapters is to explore that trade-off in depth. We begin in Chapters 4 and 5 by describing two of the most common types of investments available in the market—bonds and stocks. The bond market is vast, and it plays an extremely important role in the economy. Federal, state, and local governments issue bonds to finance all kinds of public works projects and to cover budget deficits. Corporations sell bonds to raise funds to meet daily operating needs and to pay for major investments. Chapter 4 describes the basic bond features and explains how investors value bonds. Chapter 5 examines the stock market. Valuing stocks is more complex than valuing bonds because stocks do not promise fixed payment streams as do bonds. Therefore, Chapter 5 discusses methods that investors and analysts use to estimate stock values. The chapter also provides a brief explanation of how firms work with investment bank- ers to sell stock to the public and how investors can trade shares of...

Words: 420 - Pages: 2

Premium Essay

Risk

...HB 436:2004 Handbook Risk Management Guidelines Companion to AS/NZS 4360:2004 Originated as HB 142—1999 and HB 143:1999. Jointly revised and redesignated as HB 436:2004. COPYRIGHT © Standards Australia/Standards New Zealand All rights are reserved. No part of this work may be reproduced or copied in any form or by any means, electronic or mechanical, including photocopying, without the written permission of the publisher. Jointly published by Standards Australia International Ltd, GPO Box 5420, Sydney, NSW 2001 and Standards New Zealand, Private Bag 2439, Wellington 6020 ISBN 0 7337 5960 2 Preface This Handbook provides generic guidance for establishing and implementing effective risk management processes in any organization. It demonstrates how to establish the proper context, and then how to identify, analyse, evaluate, treat, communicate and monitor risks. This Handbook is based on the Joint Australian/New Zealand Standard, AS/NZS 4360:2004, Risk management (the Standard). Each Section contains an extract from the Standard, followed by practical advice and relevant examples. This basic guide provides a generic framework for managing risk. It may be applied in a very wide range of organizations including: • public sector entities at national, regional and local levels; • commercial enterprises, including companies, joint ventures, firms and franchises; • partnerships and sole practices; • non-government organizations; and • voluntary organizations such as......

Words: 28887 - Pages: 116

Premium Essay

Risk

...2 Question 1. Imagine you are Bill. How would you explain to Mary the relationship between risk and return of Individual Stocks? A portfolio’s risk consists of systematic risk and unsystematic risk. The unsystematic risk can be virtually eliminated thorugh the effects of diversification. It is the systematic risk that causes investors to require a risk premium. Systematic risk reflects market-wide factors such as the country's rate of economic growth, corporate tax rates, interest rates etc. Since these market-wide factors generally cause returns to move in the same direction they cannot cancel out. Therefore, systematic risk remains present in all portfolios. Some investments will be more sensitive to market factors than others and will therefore have a higher systematic risk. Empirical theory suggests a positive correlation between risk and return. It holds true because a higher risk taken by an investor is translated to into a higher risk premium i.e. Market return less the risk free rate. Therefore, it can be concluded that an investor would prefer higher returns for an investment that has higher risk attached to it compared to other similar securities. Question 2. Mary has no idea what beta means and how it is related to the required return of the stocks. Explain how would you help her understand these concepts? Beta is an index of systematic risk. It measures the risk of a particular security relative to the market portfolio. If a stock has a beta of 2, then......

Words: 2684 - Pages: 11

Free Essay

Risk

...CEO Toolkit n GLOBAL CEO n January 2003 A CEO’s guide to value at risk models Ravi Madapati* Value at Risk (VaR) models are being used extensively in the world of risk management. VaR provides an upper bound on the potential loss due to adverse market fluctuations. VaR can be used to estimate risk in the case of various financial instruments including bonds, equities and derivatives. S ince the past decade or so no other tool in financial risk management has been heard about as much as Value at Risk (VaR) modeling. VaR has rapidly become the industry standard for measuring and reporting market risk in trading portfolios of banks and other trading institutions. VaR provides an upper bound on the potential loss due to adverse market fluctuations. Any VaR number has to specify which portfolio is being considered (e.g., Equity derivatives book), the confidence level (e.g., 97.5%) and the holding period (e.g., 10 days). VaR objectively tries to combine the sensitivity of the portfolio to market changes and the probability of a given market change. VaR has been adopted by the Basel Committee to set the standard for the minimum amount of capital to be held against the market risks. VaR can be used to estimate risk in the case of various financial instruments including bonds, equities and derivatives. VaR can be used to communicate risk and to control risk by setting limits for frontline traders and operating managers. Pros and cons of using......

Words: 2124 - Pages: 9

Premium Essay

Risk

...SECTION 4: ASSESSING RISK Risk assessment and management is one of the highest priorities for any organization to safeguard its properties and assets. In a turbulent state, all information and security vulnerabilities should be in a conversant to many regulations. Selected and tested methodologies have been defined and framed to mitigate the risk-assessment to many organizations. The frameworks have been set to help and guide security and risk. One of the methodologies is: Factor Analysis of Information Risk, abbreviated as (FAIR). FAIR is a methodology for understanding, analyzing and measuring information risk. Information policy and security practices have been inadequate available to aid in effectively managing information risk. For the little available information clues, managers and system owners have found it hard to make effective and well-informed decisions to safeguard their systems against such risks and uncertainties as they may happen. FAIR is elevated to address security practice weaknesses. The major aim of this methodology is to allow organizations contribute effort and mitigate the various risk as they may happen. In one accord risk is assessed and measures be taken to counter the menace. The method ensures the organizational risk is defended and or challenge risk determined by use of advanced analysis techniques and also understand how time and resources such as money will impact the organization's security profile in general. The Methodology works with...

Words: 926 - Pages: 4

Free Essay

@Risk

... Finance @RISK, MexDer, Overdose Student name: Viridiana Gpe. Garcia Casas ID: 1550991 Group: 8Vi Cd. Universitaria, San Nicolas de los Garza Nuevo León, february 7th 2016 Homework #1 @RISK @RISK is a program that helps companies or the CEO of a company to understand the risk that the company has making a risk analysis using the Monte Carlo Simulation –The MCS help us to see all the possible outcomes of decisions and assess the impact of risk allowing for better decision making. It is a computerized mathematical technique using quantitive analysis, substituting a range of value and giving a possibility distribution-. The system was created in 1987 by corporate Palisade, all Palisade software is incorporated into Microsoft Excel, ensuring flexibility, ease of use and wide appeal in a wide range of industry sectors. (Palisade was founded in 1984 and its first product was PRISM, which gave PC users the ability to quantify risk by running Monte Carlo simulations. In 1987 he was succeeded byRISK for Lotus 1-2-3, the first auxiliary Monte Carlo simulation program for spreadsheet.) The @RISK system works with RISKOptimizer that helps companies to know the inputs to use, and also to know the risk associated with each strategy. Companies can search for strategies that minimize risk while achieving goals (the RiskOptimizer also use the MCS). RISK Is used in many industries such as: insurance, oil, gas, energy,......

Words: 1163 - Pages: 5

Premium Essay

Risk

...Possible risks: Project risks: Description & Possible mitigation strategies: • R&D, HR, group management team outstation support risk, Real time report and provide support services. • IT: Hardware & software compatible risk, IT technician will come on site to install the framework and provide training. • Share services support risk, set up new reporting group & new cost centre. (Being late, project being delivered late. Like family emergency or the project itself failing just as it was working out well. 2, Over budget. 3. Communication breakdown. 4. employee turnover. 5. Not knowing what’s Going On. 6. Team member Not fit for the Job. 7. Members Don’t know the project ..technology or information dealing with. 8. Dad environment. 9. Un-productivity. 10. User Commitment. Customer risks: Description & Possible mitigation strategies: It might occur sales resistance (existing custom might not shift to the new brand of bottler water). Mass advertisement to win confide/trust in new product. • dissatisfy the customer - by not fulfilling needs and/or expectations • satisfy the customer - by satisfying needs and meeting expectations • delight the customer - by exceeding their expectations in some way. In today's fiercely competitive business environment, customer loyalty is a key success factor. Transition risks: Description & Possible mitigation strategies: Business design risk, centralise / decentralise management, company......

Words: 350 - Pages: 2

Premium Essay

Risk

... T Anatomy of Risk Management Practices in the Mortgage Industry: Lessons for the Future Clifford V. Rossi Anatomy of Risk Management Practices in the Mortgage Industry: Lessons for the Future Clifford V. Rossi Robert H. Smith School of Business University of Maryland May 2010 2 9946 Anatomy of Risk Management Practices in the Mortgage Industry: Lessons for the Future © Research Institute for Housing America May 2010. All rights reserved. Research Institute for Housing America Board of Trustees Chair Teresa Bryce, Esq. Radian Group Inc. Michael W. Young Cenlar FSB Nancee Mueller Wells Fargo Edward L. Hurley Avanath Capital Partners LLC Steve Graves Principal Real Estate Investors Dena Yocom IMortgage Staff Jay Brinkmann, Ph.D. Senior Vice President, Research and Business Development Chief Economist Mortgage Bankers Association Michael Fratantoni, Ph.D. Vice President, Research and Economics Mortgage Bankers Association Anatomy of Risk Management Practices in the Mortgage Industry: Lessons for the Future © Research Institute for Housing America May 2010. All rights reserved. 3 Table of Contents Executive Summary 1. Introduction: Findings and Recommendations 2. A Model for Mortgage Risk Taking: Growth, P / E and the Fallacy of ROE 3. Data and Model Limitations Data Integrity Economic Environment Mortgage Products and Risk Layering Borrower and Counterparty Behavior 4. Governance, Corporate Culture and Risk Taking: A......

Words: 6191 - Pages: 25

THANK GOD IT'S CHRISTMAS | One Piece 698 | NiewyspanaSowa